sexta-feira, 31 de março de 2017

Pour le 1er avril, BMW Motorrad présente la BMW R 1200 GS xDrive Hybrid : premier modèle enduro hybride au monde équipé de la transmission intégrale. The BMW GS models powered by the boxer flat-twin engine have been the perfect companion for anyone wishing to explore the furthest reaches of our planet for over three decades. With the world premiere of the near-series test version of the R 1200 GS xDrive Hybrid, BMW Motorrad opens up a whole new chapter in GS history and launches the world’s first series-production all-wheel drive travel enduro with hybrid drive.


Munich - The BMW GS models powered by the boxer flat-twin engine have been the perfect companion for anyone wishing to explore the furthest reaches of our planet for over three decades. 

Be it the Himalayan mountains, the Saharan desert or the polar circles – the “GS” has always provided motorcycle adventurers with the ideal combination of touring and long-distance travel qualities, dynamic performance, endurance and off-road capability.

R 1200 GS xDrive Hybrid: the world’s first all-wheel drive travel enduro.
With the world premiere of the near-series test version of the R 1200 GS xDrive Hybrid, BMW Motorrad opens up a whole new chapter in GS history and launches the world’s first series-production all-wheel drive travel enduro with hybrid drive.

The new R 1200 GS xDrive Hybrid is based on the legendary R 1200 GS Adventure. 

The air/liquid cooled flat twin generates an output of 92 kW (125 hp) at 7 750 rpm as well as a maximum torque of 125 Nm at 6 500 rpm and delivers it to the rear wheel via shaft drive in familiar fashion. 

Hybrid drive with 125 kW (170 hp) overall system output ensures supreme performance in all riding conditions.
The unique all-wheel drive of the front wheel of the new R 1200 GS xDrive Hybrid ensures even better traction on slippery road conditions, deep sand or mud. 

This technological feat was achieved using the system developed by BMW Automobiles. 

All-wheel drive can be operated automatically or manually by the rider via the 2WD (Two-Wheel Drive) switch located on the left handlebar operation unit. 

It activates the wheel-hub e-Drive system which functions both as electric motor and generator. 

With the additional output of 33 kW (45 hp) and overall 125 kW (170 hp) system performance, the innovative all-wheel drive system opens up a whole new dimension of performance and offroad-suitability.

A new generation of batteries, derived from BMW i battery technology, stores the energy recuperated during braking. 

The e-Drive system on the front wheel is supplied with this energy and the R 1200 GS xDrive Hybrid rider can use it for accelerating in addition to the power delivered by the combustion engine. 

Thanks to sophisticated management technology the power is always supplied to the front wheel in the right amount and appropriately depending on the riding situation. 

This means that the front wheel only receives the amount of power as the traction conditions permit – for example in wet or deep snow conditions. 

The rider can use a number of riding modes to customise how the all-wheel drive system operates and adjust the hybrid system’s recuperation strategies to suit his needs. Everything can be controlled using the innovative LCD display.


Optimised braking performance and balanced weight ratio thanks to intelligent recuperation and single disc brake.
Apart from the significant advantages achieved with regard to ride performance, the xDrive Hybrid all-wheel drive also benefits braking greatly. 

Thanks to the recuperation process, which has been integrated into the BMW Motorrad ABS system, braking performance has been improved even further.

This intelligent combined solution also made it possible to reduce the conventional double-disc hydraulic braking system at the front to a single-disc brake system thereby saving approximately 2.9 kilograms of weight. 

In combination with the wheel hub e-Drive, which only weighs 880 grams, the bike’s agility was also optimized. 

Thanks to the bike’s positive weight balance, the weight level of the current R 1200 GS Adventure could be maintained in spite of the additional hybrid all-wheel technology.

This bike will get you anywhere, on any surface - even to the North pole.
In the past months the test version of the new R 1200 GS xDrive Hybrid covered countless thousands of kilometres in the toughest of riding conditions. 

The most extreme demands were placed on the bike last winter, when Reiner Scherbeck, the head of winter testing at BMW Motorrad, rode it to the North Cape on a first stage and from there across the frozen Barents Sea to the North Pole and back again.

Scherbeck: “We were absolutely amazed how problem-free and reliable the all-wheel drive worked even at minus 56 degrees.

"Thanks to our functional BMW rider equipment, the cold temperatures were no problem for the rider, too. 

"Probably the most thrilling conclusion we can draw from our test runs, is that for the first time we can offer a motorcycle that makes riding a motorcycle a pleasure at snow depths of 1.25 metres in high winter with the new R 1200 GS xDrive Hybrid. 

"Special front section components have also been developed for this purpose as well as high-speed suitable M+S all-season tyres. This was also necessary in order to meet the necessary requirements for high-speed winter operation.” 

The new BMW R 1200 GS xDrive Hybrid will be presented to the public in a suitable location very soon. It will be available from the second half of 2017. 

BMW Motorrad will announce special tyre combinations and optional equipment features as well as the official sales price at a later date.

You will find press material on BMW motorcycles and BMW Motorrad rider equipment in the BMW Group PressClub at www.press.bmwgroup.com.

Barcelona é palco neste fim de semana da abertura do Campeonato Mundial de Ralyycross, onde a Ford estreia o novo Focus RS RX que competirão na temporada que acontecerá ainda em Portugal, Alemanha, Bélgica, Reino Unido, Noruega, Suécia, Canadá, França, Letônia e África do Sul onde será encerrada


O Ford Focus RS RX inicia a temporada do Campeonato Mundial de Rallycross neste fim de semana, em Barcelona, com visual novo e eletrizante. 

Os dois Focus da equipe Hooning Racing, pilotados por Ken Block e Andreas Bekkerud, trazem a assinatura do artista britânico David Gwyther, mais conhecido como “Death Spray Custom”, famoso por seu trabalho de arte multidisciplinar.

A nova pintura combina intensa energia com elementos 3D. Além do desenvolvimento de padrões e cores, “Death Spray Custom” criou novos nomes e números para os dois pilotos, um novo logotipo Hoonigan e abordagens diferentes para as conhecidas frases da equipe, como "Kill All Tires" (“Mate todos os pneus”) e "Ain’t Care" (“Não damos a mínima”).

“Todo ano, nós aqui da Hoonigan Racing e Hoonigan Industries tentamos criar as melhores pinturas de carros de corrida no mundo do automobilismo", diz Block. 

“Temos conseguido avançar no que fazemos e estamos sempre tentando alinhar nossas pinturas com gráficos e artistas sensacionais para tornar os carros visualmente atraentes e únicos na pista, trazendo roupas frescas para a Hoonigan e outras linhas de produtos de nossos parceiros”, explicou.

Block diz ser fã do trabalho de “Death Spray Custom” há algum tempo e que está feliz por trabalhar junto com ele na criação da pintura dos carros deste ano.

"Eu passei minha juventude enfiado na traseira de um Ford Escort antigo, perseguindo etapas de rali em todo o Reino Unido", diz “Death Spray Custom”. 

"Em 2017, pareceu adequado dedicar meu tempo trabalhando com Ken Block e a equipe Hoonigan", revelou.

A abertura do Mundial de Rallycross da FIA pode ser acompanhada pelos fãs no Brasil, neste fim de semana, via streaming por um canal exclusivo nowww.fiaworldrallycross.com/live.

A temporada terá 12 etapas, incluindo pela primeira vez a Cidade do Cabo, na África do Sul. 
Depois de Barcelona, o campeonato segue para o vizinho Portugal, em Montalegre. 

O circuito continuará na Alemanha, Bélgica, Reino Unido, Noruega, Suécia, Canadá, França, Letônia, novamente Alemanha e terminará na África do Sul, em novembro.

Poços de Caldas (MG), Ribeirão Preto e Paulínia (SP), Jaguará do Sul (SC) e Londrina (PR) são as cidades onde acontecerão as provas da Copa Troller 2017, que começará no dia 24 de Junho e terminará no dia 28 de outubro.



A Troller confirmou a realização da temporada 2017 do rali de regularidade da marca em cinco cidades das regiões Sul e Sudeste do País. 


O calendário da Copa Troller será realizado em locais que favorecem as competições off-road em nível de participação profissional, intermediário e amador, é a única categoria do País com tanta abrangência de equipes. 

Foram definidas as cidades de Poços de Caldas, em Minas Gerais; Ribeirão Preto e Paulínia, em São Paulo; Jaraguá do Sul, em Santa Catarina; e Londrina, no Paraná.

Como nas temporadas anteriores, que tiveram um elevado número de participantes, em cada etapa são esperados cerca de 100 carros. 

A escolha das sedes permite agrupar competidores de regiões próximas, considerando o Sul, Sudeste e partes do Centro-Oeste.

“Concentramos as provas do Campeonato Brasileiro da Copa Troller em cidades estratégicas, que permitem tanto um grande número de participantes como regiões com diferentes cenários e tipos de terreno. Acredito que teremos uma de nossas melhores temporadas e a expectativa já é bastante favorável com base nos contatos que estamos recebendo”, diz Carla Freire, do Marketing da Troller e responsável pelo evento.


O rali da marca completa 15 temporadas ininterruptas e já reuniu milhares de participantes nestes anos de realização. 

“Estamos felizes com o sucesso da Copa Troller e um dos nossos segredos é a diversificação de cidades e estados no calendário. 

O evento já passou por 13 estados brasileiros e mais de 35 cidades, atraindo milhares de apaixonados pelo mundo off-road

Agora, em novos locais, podemos ampliar o nível técnico da competição e criar uma atração a mais para os participantes”, acrescenta Demétrio Fleck, gerente de Vendas, Marketing e Serviços da Troller.

A Copa Troller é exclusiva para veículos utilitários T4, o principal modelo off-road do Brasil. 

O veículo conta com motor 3.2 turbodiesel de 200 cv, transmissão manual de seis velocidades, comando eletrônico de tração, diferencial traseiro autoblocante e freio a disco nas quatro rodas com sistema ABS e EBD.

Calendário
A abertura oficial do campeonato será realizada na cidade de Poços de Caldas, em Minas Gerais, no dia 20 de maio, em um evento com expectativa de mais de 100 carros. 

As demais provas serão nos dias 24 de junho, em Ribeirão Preto; 12 de agosto, em Paulínia; 30 de setembro, em Jaraguá do Sul; e a grande final no dia 28 de outubro, em Londrina.

O evento tem como objetivo proporcionar integração entre os proprietários do utilitário Troller T4 e é dividido em cinco categorias: Passeio, voltada para as famílias e realizada em comboio; Expedition, para os iniciantes em rali que não são filiados à Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA); Turismo, para competidores novatos, já filiados; Graduados, para pilotos e navegadores experientes; e Master, para os mais bem classificados pilotos e navegadores do ranking nacional.

A Copa Troller também conta com uma cobertura especial realizada em tempo real no Facebook da marca, com fotos e vídeos dos melhores momentos das etapas. 

Para curtir a página da Troller nas mídias sociais e conhecer mais detalhes da competição acesse www.facebook.com/trollerbrasil. 

As inscrições para as provas de 2017 estão abertas no site www.troller.com.br.



Nissan promove JUKE por € 15.470, em Portugal

NISSAN JUKE
 *Preço promocional para Nissan Juke DIG-T 115CV Acenta, mediante financiamento RCI Banque sujeito à aprovação, válido até 31/03/2017 para particulares com retoma de viatura. PVP a pronto de 19.050€. Crédito automóvel por 180€/mês a 60 meses. Financiamento 10.773€; Entrada: 4.697€; Prestação Final: 2.450€; TAN 5,95%; MTIC 13.510€. Comissão de abertura de 275€ e de processamento de 3,2€/mês incluídas na TAEG. Inclui oferta de 3 anos de garantia (ou 100.000km), manutenção e assistência em viagem. Não inclui pintura metalizada, despesas administrativas e transporte. Visual não contratual. 

quinta-feira, 30 de março de 2017

Mercedes mexe nas cabines de seus caminhões para melhorar as condições de trabalho dos motoristas. A VW que perdeu a liderança para a Fiat há 14 anos resolveu entrar na briga pela recuperação e trocou o comando no Brasil e lançará novos produtos. Chery começa a vender o QQ, por menos de R$ 30 mil.




Coluna nº 1.317 - 30 de Março de 2017
________________________________________________


Novos bancos, mais conforto. 
Mercedes atende a pedidos

Novos bancos para os caminhões Mercedes Atego, Axor e Actros, justificam festa de apresentação com direito a test-drive e presença de Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing da marca, atual referência no setor?

Em outros tempos talvez houvesse oportunidade, mas num ano de mercado desabado, contração de vendas, ociosidade de 50% na capacidade industrial, de plano seria gasto ocioso. Mas, a questão é mais complexa. A conta para a decisão é maior.

Começa com o fato de a Mercedes, como quase todas as demais produtoras de caminhões no País não ter participado da Fenatran, em 2015, a Feira Nacional do Transporte, maior evento do setor. 

Próxima edição estará lá com novidades desenvolvidas para seus produtos estradeiros. 

Não quis adiá-las, correndo o risco de ver o pacote de novidades ser soterrado por muitas notícias de muitos fabricantes. Assim, somou as condições e promoveu a festa.

Fala, ouve
Empresa vive fase de grande importância, preparando-se para a retomada de vendas. 

Adotou como postura ir ao campo, ao posto de serviços nas estradas, nas oficinas, revendedores, grandes frotistas, para saber de demanda, sugestões de características, mudanças, implementação. 

Batizou o programa de As estradas falam, a Mercedes ouve, para sintetizar as mudanças realizadas nos veículos. 

Integram o programa EConfort iniciado em 2014, para garantir melhores resultados, otimizar o trabalho, aumentar a velocidade média, reduzir consumo. 

Chegou à vez da cabine para o operador, com o desenvolvimento de bancos seguindo o biótipo do motorista brasileiro para garantir, conforto, maior bem estar e segurança. 

Banco de motorista de caminhão tem suspensão própria para filtrar irregularidades do piso. 

Junto, novidades como pacote multi mídia, volante multifuncional, tacógrafo digital. Novidades mecânicas, troca dos freios a disco do cavalo mecânico por equipamentos a tambor. 

Aparente marcha a ré tecnológica foi aplicada pois no Brasil os reboques não conseguem acompanhar desenvolvimento dos caminhões e, no caso, não empregam o sistema de discos. 

A volta e as condições inusitadas de poeira leve, o talco do Centro Oeste, exigem o retorno da tecnologia em nome de melhor operacionalidade. 

Idem para o aumento de capacidade no tanque de diesel, no Actros, modelo de topo, disponível para 1080 litros. 

Mercedes esclareceu fornecer sob demanda, e alguns de seus clientes assim demandam para garantir a qualidade do diesel abastecendo apenas em suas garagens.

Evolução dos bancos, na prática um agrado aos motoristas, verdadeira interface entre o caminhão e o fabricante, se marca pelo encosto com perfil mais envolvente, apoios laterais permitem melhor acomodação das costas, ajuste lombar pneumático, permitindo ajuste personalizado ao operador como um bom banco de automóvel. 

O assento teve espuma aumentada 1 cm, revestimento em plástico ou tecido, cinto de segurança integrado, e oferecem 12 regulagens, além de suspensão própria.

Troca de painel, volante funcional, novos bancos aumentam conforto do motorista nos caminhões Mercedes


Desafio na Volkswagen
Marca detentora por décadas da liderança de vendas no Brasil, perdeu-a para a Fiat há 14 anos e, em 2016, com a ultrapassagem pela GM, caiu para nunca imaginado terceiro lugar. 

Questão de reparo complexo, iniciado com negociação na Alemanha, sede da empresa, para reatar o controle da diretoria de vendas no Brasil, a ser exercido pelo presidente local – e não pela direção comercial da matriz, como ocorria; com a indicação de um diretor com conhecimento continental – resolvido com a transferência de Jorge Portugal, da VW Argentina.

Como o presidente da Volkswagen no Brasil é o responsável pela marca na 
América Latina – 29 países -, a função do vice-presidente Comercial foi dividida em dois cargos, um restrito ao mercado brasileiro e outro por toda a região extra Brasil. 

Para o comando importaram o polonês Thomas Owsianski, com larga experiência, ex-presidente da Sköda, da VW, na Rússia, atuação na China.

Examinou a presença da marca em cada um dos mercados, para fomentar exportações a partir do Brasil – e de outras unidades da VW mundial.

Teoricamente o mercado periférico pode ser numericamente igual às vendas domésticas.

Num tropeço não previsto, seu fornecedor de bancos e outras partes ameaçou greve e a VW resolveu peitar a ameaça, e ficou sem bancos – e sem fazer carros. 

Consequência, linha de produção imobilizada, sem fazer veículos, trabalho para desenvolver fornecedores, testar todos os componentes, sugerir mudança até no lay out industrial e outra mais: indenizar os revendedores subitamente sem produtos para vender.

Com o despencar das vendas, tomou medida rápida e corajosa: sentou-se com Gustavo Schmidt, seu ex-gerente qualificado da área comercial, e foi buscá-lo na Renault, onde era vice-presidente de marcas e vendas, com um portfólio exibindo grande crescimento de vendas sob seu comando. 

Por valores e vantagens não vindos a público, Schmidt iniciou seu terceiro período na marca.

Missão
Há três semanas no cargo, já percorreu no País em seis road shows, agregando a rede de revendedores: montou viagem para 80 deles para mostrar, na Alemanha, os futuros produtos da VW no Brasil, vender esperanças, insuflar expectativas, oferecer a certeza de recuperação de vendas, lucros e bons resultados para toda a cadeia de produção e vendas. 

Dia 28, com noite de dois jantares, com os distribuidores e a imprensa, a dezena de jornalistas especializados esta explicou andamento dos planos imediatos. 

Terceiro passo será reduzir lista de opções nos produtos, entre motorização e acessórios. Quer facilitar para cliente e rede, especialmente quanto a estoque. 

Outro ponto, criar versões inspiradas na Pepper para todas as linhas. Tal adição tem pintura vermelha e itens decorativos e de composição. 

Será a versão de topo em cada um dos grupos de veículos em produção: up!; Gol/Voyage; Fox; Golf; projetado SAV médio, e introdução de novos produtos importados, como novo Jetta e novo Tiguan sete lugares a serem construídos no México sobre a plataforma MQB, mesma do Golf; e topo da escala o SUV Touareg.

Racionalização, melhor entendimento, novos produtos. Para quem se motiva por desafios, é muita provocação.

Tiguan de 7 lugares, produzido no México e vendido sem imposto de importação, uma das esperanças de reação no mercado.


Roda-a- Roda

Xing Ling – Marca alemã revivendo mito dos anos ’50, Borgward fez projeto de SUV, associou-se a chineses, apresentou o produto, iniciou vendê-lo no mercado chinês, maior do mundo. 

O BX5 emprega motor de quatro cilindros, 2,0 16 válvulas, turbo, 180 cv. Tração integral, e superior esquema de conectividade.

Mais – Vendas na Europa em 2019, resto do mundo a partir de 2020. Na América Latina, como Coluna informou, iniciará pela Argentina, onde montou milhar de unidades do mítico modelo Isabella ao final dos anos ’50.

Ecologia – Donald Trump, presidente dos EUA, quer cumprir promessa de campanha: desconsiderar ecologia em nome de crescimento. 

Revisará para baixos índices de consumo e emissões. Já começou por encurtar verba no Orçamento oficial. Marcha à ré, troca o futuro pelo presente, coisa de prefeito tosco.

Nacionalismo – Lá, sindicato dos metalúrgicos de automóveis deve iniciar campanha pela compra dos carros de produção local, tipo Buy American.

Abaixo – Para oferecer custo abaixo de R$ 30 mil sino-paulista Chery iniciará vendas em abril, versão Smile do modelo QQ. 

Será a mais simples em relação às demais Look e Act. Novidade comum, terão motores capazes de consumir álcool.

Chery QQ a álcool e mais barato


Ascenção – BMW trará ao Brasil apenas o topo da Serie 5, versões M Sport. No caso, 530i e 540i. Respectivos R$ 314.950 e 399.950. 

Vendas em maio. Foca nas qualidades dinâmicas, a Série M é desenvolvimento interno pró performance, tipo sedã Premium esportivo.

BMW M5 sedã Premium esportivo


Mais um – Ford surpreendeu fazendo festa bonita e cara na apresentação de versão do Ka hatch, motores 1.0 e 1.5 dita Trail. 

Festas usualmente são realizadas para mostrar ou produto novo, ou modelia. Grandes investimentos em festa de apresentação não são usuais.

Quase
- É o conhecido automóvel com suspensão elevada em 3 cm, por auxílio de rodas em liga leve e aro 15”, faixas decorativas e ocioso bagageiro sobre o teto. Empresa trata-o como versão Aventureira ... Diz ter menor preço do segmento, R$ 47.690.

Curiosidade – Atenta à elevação do centro de gravidade, empresa aplicou novos amortecedores com maior pressão, molas com mais carga, barras estabilizadoras mais espessas. 

E, apesar de ter um dos poucos campos e laboratórios de teste no Brasil, pagou para validar os resultados nos EUA.

Caminhão militar Agrale Marruá AM1. Testes, argentina



Expansão – Tentativa expansionista, além de estruturar-se para frequentar o mercado norte americano, Agrale quer aumentar presença na América Latina, e submete modelo AM41 do Marruá às Forças Armadas argentinas.

Variável – Proposta é via caminhãozinho 4x4 com tecnologia do jipe Marruá. Pesa 2,5 t, idêntica capacidade de reboque, motor diesel MWM 4,8 litros, 165 cv de potencia e 600 Nm de torque. Marca tem crédito no vizinho: seus ônibus lideram transporte coletivo em Buenos Aires.

Tecnologia – Ford apresentará motor de três cilindros, 1,5 litro, com novidade no Brasil para tal formulação, do emprego da tecnologia de eixo contra rotante.

Auto explicável, peça girando em rotação contrária ao motor, para anular as vibrações de funcionamento, característica acendrada dos motores tricilíndricos.

... II – De esperar-se a curto prazo a substituição dos motores 1.2 Pure Tech em Peugeots 208 e Citroën C3, ante aquisição por sua holding PSA, da alemã Opel. 

Produzem ótimo 1.0 tricilíndrico empregando eixo contra rotante para anular vibrações. O motor 1.2 adotado pelos PSA também é importado.

Futuro
– Governo Federal ouve empresários do automóvel para conformar nova legislação de incentivos. 

Não quer utilizar denominação Inovar-Auto, hoje em fim de vigor e condenada pela Organização Mundial do Comércio por protecionismo.

Marcha a ré - Por ela, País atraiu marcas como Mercedes, Audi e Jaguar/Land


Rover acenando com facilidades legais como o índice de nacionalização anterior à implantação da indústria no País. Tipo o praticado em 1952.

OEM – Sigla identificadora dos equipamentos originais de fábrica de veículos, Michelin tornou-se fornecedora de Toyota e GM no Brasil com modelo Primacy 3.

Quem – No Toyota equipará o Corolla. Nos GM, em Cobalt, Spin e Onix Activ. 
Picape S 10 e Trailblazer usarão LXT Force. Proprietários agradecem. 

Há tempos, GM equipou seus carros com pneus chineses, para os quais não havia reposição.

Luz – Pioneira em iluminação automotiva alemã Osram tem novas lâmpadas Lampled. Temperatura de até 6.000 k, capazes de reduzir consumo de energia em até 80%. 11 aplicações para lanternas; preços entre R$ 10 e R$ 100, e vendas no comércio e no Mercado Livre: http://loja.mercadolivre.com.br/osram.



Aos poucos – Para faróis começará pelos de neblina, com lançamento, em abril.

Tecnologia – Projeto da Companhia Brasileira de Alumínio concorrente do Prêmio Rei 2017 de excelência automotiva. 

É sobre uso de alumínio de alta resistência como absorvedor de impactos, um passo à frente em tendência no setor. A CBA é nacional, empresa Votorantim.

Expedição – Mercedes-Benz e Goodyear apoiam viagem de seis jornalistas de S. Paulo a Nova Iorque. 

Vão em GLA Advance made in Iracemápolis, SP, calçados com pneus Goodyear EfficientGrip SUV. 

Coletarão material para série com 40 capítulos sobre os 14 países, nos 23.000 km a percorrer. Acompanhar dia-a- dia? Facebook, Instagram, You Tube (@expedspny)

Gente fina – Comando de Policiamento de Trânsito em S Paulo apreendeu Hyundai Tucson com quase R$ 5 milhões em débitos por infrações de trânsito e impostos, maioria por excesso de velocidade e uso de faixa exclusiva de ônibus.

Esperança
– Vitória do alemão Sebastian Vettel, com Ferrari, no GP da Austrália domingo passado, após ano e meio sem a equipe vencer uma prova, traz esperança de competitividade à Fórmula 1.

Mudanças – Grande questão é: vitória foi por rendimento dinâmico superior; melhor planejamento na parada nos boxes; fato aleatório?

Temporadas passadas a Mercedes passeou graças a estrutura, projeto, acerto dos carros, e a imbatível tecnologia no uso do turbo. 

O desenvolvimento dos Ferrari por si só supera os Mercedes? Ou foi resultado aleatório. Só as outras provas dirão.

Gente – Guy Rodriguez, argentino, executivo, mudança. 

OOOO VP de Vendas e Marketing Nissan América Latina. Base no México, comandando 35 mercados. 

OOOO Rodriguez foi diretor de vendas da Ford Brasil. 

OOOO Substitui José Román convocado para liderar a marca Datsun no Japão.

OOOO Nissan no Brasil é case para faculdades de administração: é a marca com maior rotatividade de produtos e diretivos. OOOO

Mais. OOOO Marco Silva, brasileiro, financista, ascensão. 

OOOO Deixou diretoria financeira para assumir a presidência da Nissan. 

OOOO François Dossa, francês, ex banqueiro, ex presidente da empresa, mudança para função incerta e não sabida. OOOO Túlio Marco Silva, mineiro, especialista em T.I., alfista de carteirinha, mudança. 

OOOO Deixou o País, foi-se a Portugal.

OOOO Cansou-se com a falta de perspectiva de aguardar o Brasil tornar-se forte e justo. 

OOOO Mau negócio para o País. Exporta talentos, sem receber para cobrir a perda. OOOO
____________________________________

Empresas de transportes buscam diminuição dos custos de forma efetiva e isso inclui proporcionar aos motoristas capacitação para que deixem velhos hábitos e práticas de condução que geram aumento de consumo dos caminhões. Ao mesmo tempo, criam condições para que o trabalho desses profissionais seja executado com conforto e hoje já vemos inúmeros caminhões com bancos ergométricamente preparados para quem passa muitas horas ao volante de um pesado.


Coluna
MECÂNICA ONLINE® 
30 | MARÇO | 2017


Alternativas para redução de 
custos operacionais nos caminhões


Em tempos de crise, toda e qualquer condição que possa reduzir custos sempre será muito bem recebida por qualquer setor, o que não é diferente quando nos referimos ao transporte de cargas, que movimenta tantos produtos em nosso Brasil.

Muitos são os fatores que podem refletir numa redução eficiente de custos junto ao transportador. 


Desde a definição do modelo e tipo de caminhão, é necessário escolher bem os acessórios e reduzir ao máximo a influência aerodinâmica, aplicando de maneira correta os defletores de ar que melhoram a estabilidade e podem resultar numa economia de combustível de entre 6% e 8%.

No aspecto mecânico é sempre importante observar  o alinhamento dos eixos da cabine e da carreta. 

Esta verificação pode render como efeito imediato uma economia em combustível de até 3%.


Mas não há dúvida que a capacitação do motorista é o maior desafio no Brasil. Marcas como Scania e Mercedes-Benz promovem ações que estimulam a capacitação dos motoristas.

O treinamento constante é um investimento nos ativos mais importantes de qualquer empresa: as pessoas.

O treinamento além de aperfeiçoar os motoristas da frota ainda estabelecem as melhores práticas para a condução de caminhões, ajudando a remover vícios de direção assim como velhos hábitos que muitas vezes acabam aumentando o consumo dos veículos.


Uma equipe bem treinada pode representar economia de até 10% em combustível, mas o ganho, nesse caso é bem maior abrangendo aspectos como conservação e manutenção dos caminhões.

Feito isso, o próximo ponto a ser atacado consiste na ergonomia. O caminhão é o posto de trabalho do motorista, onde ele passa a maior parte do tempo do seu trabalho, e, pensando nisso, a Mercedes-Benz realiza o lançamento de um novo posto de trabalho para o motorista nos caminhões Atego, Axor e Actros, com destaque para a nova geração de bancos.


“O novo posto de trabalho assegura um alto nível de ergonomia e facilita a operação no dia a dia do motorista, o que se traduz em maior conforto e produtividade”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. 

“Ao trabalhar de uma forma mais cômoda e prática, o motorista obtém melhor desempenho do veículo, com mais segurança e economia, contribuindo assim para a redução de custos operacionais e, consequentemente, para a rentabilidade da empresa de transporte. Além disso, o bem-estar a bordo garante a tranquilidade e a satisfação do motorista”.


A nova geração de bancos é um ponto-chave da evolução no posto de comando dos motoristas nos caminhões Atego, Axor e Actros. 

Tanto o banco do motorista, quanto o do acompanhante, foram concebidos e produzidos pela equipe do Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Mercedes-Benz do Brasil, em parceria com fornecedores.


“Os novos bancos foram projetados de acordo com o biotipo do motorista brasileiro, priorizando o bem-estar e a satisfação de quem passa horas ao volante”, afirma Leoncini. 

“O desenvolvimento local levou em conta as características do transporte e os hábitos de quem dirige caminhão pelo imenso território nacional, o que foi captado em clínicas, pesquisas, demonstrações, eventos e test-drives, reforçando, mais uma vez, que seguimos à risca o compromisso do slogan ‘As estradas falam. 

A Mercedes-Benz ouve’.
Com design diferenciado e oferecidos nas versões Estático e Pneumático – “Standard” e “Conforto” –, os novos bancos dos caminhões Mercedes-Benz se caracterizam pelo encosto com perfil mais envolvente, que remete à imagem de um arrojado banco de automóvel. 

Os assentos tiveram sua espessura de espuma aumentada em 10 mm em relação à versão anterior. 

O novo acabamento, em tecido ou vinil, está mais macio, aumentando a sensação de conforto, além de facilitar a limpeza.

Todos os bancos (motorista e 1° acompanhante) têm cintos de segurança integrados, aumentando ainda mais o conforto dos profissionais da estrada. 

Os apoios laterais envolventes propiciam melhor acomodação das costas em qualquer situação. 

Além disso, o ajuste lombar pneumático, disponível na versão “Conforto”, tem duas bolsas infláveis para apoio lombar e duas para apoio lateral, propiciando um ajuste perfeito para cada biotipo de motorista.

Os novos bancos do motorista aliam praticidade e comodidade, permitindo longo tempo de trabalho sem stress do condutor. 

Eles têm 12 regulagens: ajuste do encosto das costas, baixar/levantar o assento pneumático, ajuste da altura do banco, ajuste da inclinação do assento, ajuste do amortecedor, amortecimento horizontal, ajuste horizontal, ajuste da profundidade do assento, dois apoios de braço, baixar/levantar o encosto das costas e ajuste lombar (na versão “Conforto”).

A Mercedes-Benz também agregou novidades às camas disponíveis nas Cabinas Leito e Estendidas. 

O revestimento passou a ser confeccionado com um tecido de mais elasticidade. A espuma é laminada, com espessura de 120 mm, propiciando maior conforto ao motorista no seu período de descanso.

Além da nova geração de bancos, os caminhões Atego, Axor e Actros passam a oferecer um novo pacote multimídia com painel, volante multifuncional, sistema de som e tacógrafo digital, o que amplia as facilidades para o dia a dia do motorista.


Tacógrafo digital é item de 
série para os caminhões Mercedes-Benz
A Mercedes-Benz também agrega em toda a sua linha de caminhões o novo tacógrafo digital BVDR (Brazilian Vehicle Data Recorder), importante inovação de série que traz maior praticidade e mais economia ao cliente.

Homologado pelo INMETRO, a grande vantagem do tacógrafo digital é que ele não utiliza os tradicionais discos, mas sim fita de papel, que pode ser impressa no próprio veículo, caso a autoridade de trânsito venha a solicitar.

Todas as informações são gravadas em memória interna do tacógrafo digital e podem ser extraídas para armazenamento externo, em um pen drive, por meio de uma porta USB, ou via WEB. 

Além disso, a identificação do motorista é feita por meio de botões no painel frontal do próprio aparelho. O sistema identifica mais de um motorista, com capacidade máxima de 50 condutores.


Os dados gravados pelo tacógrafo incluem a velocidade do caminhão, distância percorrida, rotação do motor, velocidade máxima e status do veículo (parado ou em movimento). 

Também armazena informações do motorista (código do motorista, número da CNH, início e fim da condução) e do veículo (chassi e placa). 

Os relatórios podem ser extraídos diária ou semanalmente, otimizando o monitoramento por parte dos gestores da frota, com praticidade, transparência e segurança.
==============================
Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mês.
http://mecanicaonline.com.br/wordpress/category/colunistas/tarcisio_dias/

Carona Solidária, um movimento que se apresenta muito interessante em nível mundial, mas que no Brasil por diversos motivos parece que não terá o mesmo sucesso. O motivo é economia e diminuição nas emissões de CO2. Em diversos países da Europa e da América do Norte há já um grande número de carros híbridos e elétricos circulando, mas essa é uma substituição lenta que deverá ter grande volume em meados da próxima década


Alta Roda 

Nº 934 — 30/3/17

Fernando Calmon

CARONA TERÁ SUA VEZ


Mobilidade é um tema quase onipresente nos debates sobre presente e futuro das cidades depois que o mundo acelerou a migração do campo para as mega concentrações urbanas e seu entorno. 

Entre as diversas facetas discutidas, pelo menos duas têm chamado atenção. Uma em razão do potencial de diminuir emissões de gases sob regulamentação e de efeito estufa e a outra, por melhorar as condições de trânsito.

A primeira centra-se na eletrificação parcial (hibridização) ou total. Os planos ousados divulgados pela maioria das marcas apontam 50% de todos os carros novos classificados como híbridos e até 20% elétricos, à altura da metade da próxima década. 

Essa previsão está mais próxima de modelos de preço médio a alto, porém o equilíbrio do negócio ainda continua um pouco turvo.

Relatório recente da J.D. Powers aponta proprietários de Tesla não tão satisfeitos com a qualidade de seus carros. 

A badalada empresa californiana só produz automóveis elétricos na faixa de US$ 80.000 a US$ 100.000 (com impostos brasileiros algo em torno de R$ 600.000). 

Prepara-se para lançar em 2018 modelos de US$ 35.000 e a consultoria lembra que os donos de veículos nessa faixa de preço poderiam ser menos indulgentes por terem suas casas menos recheadas de carros à disposição.

Sistemas de condução autônoma também aparecem em destaque quando se almejam racionalização do uso do automóvel e diminuição do número deles nas ruas. 

As coisas, porém, não são tão fáceis. Google e Apple desistiram de planos velados para produção de carros autônomos, preferindo se concentrar apenas na tecnologia e parcerias. 

Nesta 2ª feira a Uber anunciou ter suspendido os seus testes com um Volvo XC90 autônomo de sua frota em ruas do estado americano do Arizona, depois de um abalroamento de por carro que não respeitou uma parada obrigatória. 

Antes a empresa tinha sido proibida de continuar seus testes em vias públicas da Califórnia.

Solução mais simples e facilitada pela conectividade dos veículos chega até o final do ano em São Paulo. 

O aplicativo de rotas alternativas Waze, propriedade do Google, oferecerá nova opção de um programa de caronas já testado em outros países. 

Anunciado na semana passada, sem data exata de implantação, lança mão de quatro milhões de usuários de roteiros adaptativos que tornaram a cidade de maior adesão a esse recurso no mundo.

Pelo cruzamento de dados de origem e destino um algoritmo descobre pessoas que poderiam estar num mesmo veículo e na mesma rota. 

A ideia é realmente oferecer carona em troca de pagamento mínimo para partilhar despesas, mas não foram anunciados pormenores de como se fará esse controle e como se enquadrará na regulamentação desses serviços na capital paulista. 

Não se trataria, portanto, de mais um concorrente aos serviços de transporte alternativo a exemplo de Uber, Cabify e outros já presentes em várias cidades brasileiras.

O gigante da informática entende que o verdadeiro vilão é o trânsito e não os carros. 

Tirar automóveis das ruas e ainda economizar dinheiro por meio de um serviço confiável de caronas poderiam mitigar um dos principais problemas de São Paulo e outras grandes cidades brasileiras. Que assim seja.

RODA VIVA

ENTRE os quatro modelos que a VW lançará com sua arquitetura mais moderna (MQB), depois do Polo, do sedã derivado Virtus e do SUV compacto, surgirá uma picape compacta. 

Esta será maior do que a atual Saveiro, com quatro portas, próxima às dimensões da Renault Duster Oroch, porém menor que a Fiat Toro e sua carga útil de uma tonelada.

ARGENTINA, aos poucos, conquista mais produtos. Além de fabricar cinco das seis picapes médias da região (e mais duas em breve), receberá investimentos de Renault e Grupo PSA. 

De 2018 em diante os furgões (MPV) Kangoo e Peugeot Partner/Citroën Berlingo, respectivamente, todos de nova geração. PSA tem planos ousados com nova arquitetura CMP de modelos compactos e médios.

ACONTECEU o esperado. Jeep Compass está vendendo mais que o Renegade por atributos superiores e diferença de preço pequena. 

O primeiro, de maior porte, tem espaço interno e porta-malas convincentes, além de melhor isolamento do conjunto motor-câmbio automático de nove marchas (igual ao do Renegade). Mas visibilidade traseira do Compass poderia ser melhor.

CARRO FÁCIL, da seguradora Porto Seguro, inova como assinatura de veículos. Aposta na mudança do ´ter´ para o ‘usar’. 

Trata-se de uma espécie de leasing agregado a serviços de negociação, documentação, manutenção e o próprio seguro mediante uma mensalidade. Por enquanto, apenas no Estado de São Paulo e algumas regiões do Rio de Janeiro.

PREFERÊNCIA de passagem em rotatórias é sempre de quem já a adentrou. Mas boa parte dos motoristas desconhece essa norma, lembrando-se apenas da regra da via preferencial em cruzamentos. 

Esse erro, além de irritante, pode causar acidentes. Por isso, seria muito bom o Denatran providenciar uma campanha nacional de esclarecimento em nome da segurança no trânsito.
____________________________________
fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.