sexta-feira, 31 de maio de 2013

ATENÇÃO MOTOCICLISTAS E FÃS DAS DUAS RODAS: A BMW MOTORRAD LANÇA BMW CONCEPT NINETY, UMA HOMENAGEM EXCLUSIVA À LENDÁRIA R90 S, COMEMORANDO OS 40 ANOS DE PRODUÇÃO DE MOTOS E OS 90 ANOS DE FABRICAÇÃO DE MOTOS NO PLANETA


BMW Group está apresentando um modelo muito especial no famoso Concorso d’Eleganza Villa d’Este 2013: a BMW Concept Ninety. 

Em parceria com a empresa de customização de motocicletas Roland Sands Design, a equipe de design da BMW Motorrad logrou uma homenagem exclusiva à BMW R 90 S. 

A ex-fabricante de motocicletas de corrida Roland Sands e sua equipe estão entre os parceiros mais requisitados no mercado de customização de motocicletas. 

A história de quase um século do surgimento dos veículos motorizados de duas rodas confunde-se com a da BMW Motorrad, que comemora, este ano, 40 anos fabricando motos.


Em parceria com a empresa de customização de motocicletas Roland Sands Design, a equipe de design da BMW Motorrad logrou uma homenagem exclusiva à BMW R 90 S. 

A ex-fabricante de motocicletas de corrida Roland Sands e sua equipe estão entre os parceiros mais requisitados no mercado de customização de motocicletas. 


Seus padrões de design e sutileza técnica com que implementam a customização e desempenho de alta nível e peças dotam a BMW Concept Ninety com uma presença exclusiva e autogarantida. Esta aventura cooperativa eleva tanto a Roland Sands Design quanto a BMW Motorrad Design a um novo nível.

40 anos da BMW R 90 S
Em 1973, a BMW apresentou seu modelo mais importante na linha de “Seis Cilindros” ao público geral. 

Com velocidade de mais de 200 km/h, foi uma motocicletas mais fabricadas da época e recebeu inúmeros prêmios em diversas corridas. 

Mesmo estacionada, ela tinha uma aparência poderosa: pela primeira vez no processo de desenvolvimento de uma motocicleta, um designer desenvolveu uma aliança bem-sucedida entre forma e função enquanto cria a primeira motocicleta a apresentar a carenagem como padrão. 

Junto com sua traseira esportiva e a pintura estilo Daytona Orange, a BMW R 90 S apresentava uma identidade inconfundível. 

O design desta motocicleta apontou um caminho para o futuro, e não demorou muito até que outros fabricantes customizassem suas motos com carenagens aerodinâmicas afiadas na frente e na traseira. 

Hoje, a BMW é considerada ícone de tendências. “A BMW R 90 S foi saudada e uma época em que motociclistas eram tratados como foras da lei,” comenta Edgard Heinrich, diretor da BMW Motorrad Design. 

BMW Concept Ninety
A BMW Concept Ninety faz nascer novamente o espírito da supermoto que traz emoção e inspiração do modelo mais antigo em uma maneira contemporânea. 

Esta é uma reiteração moderna da essência tradicional da motocicleta: a união harmoniosa do homem e máquina; puro e emocional. 

“Hoje as motocicletas BMW são sinônimos de perfeição e funcionamento. Por isso trabalhamos duro para alcançar este objetivo e estamos muitos orgulhosos.” afirma, Ola Stenegard, diretora da Vehicle Design BMW Motorrad.

A edição especial é apresentada com um boxer esportivo com uma série de detalhes sofisticados.  

Suas proporções básicas claramente pegam a deixa do seu antecessor que inspirou este conceito: a carenagem, o tanque, o assento, e a traseira instantaneamente indica esta ligação familiar com a BMW R 90 S. 

A BMW Concept Ninety também usa as demarcações das proporções da moto que foi a marca da época. 

A carroceria fabricada manualmente a partir de alumínio é altamente ergonômica e aerodinâmica e visualmente separada pelo motor preto e o chassi. 

Suas áreas escovadas podem ser vistas nas áreas coloridas da carenagem frontal, assim como na traseira. 

O tom laranja da BMW Concept Ninety também refere-se a lendária pintura da Daytona Orange da BMW R 90 S.

A BMW Concept Ninety garante uma interpretação muito esportiva da carenagem frontal. 

Entretanto, por outro lado, o halogênio era tecnicamente a borda na era da BMW R 90 S, os elementos de LED contemporâneos realçam os traços da BMW Concept Ninety, honrando seu antecessor com uma design de faróis redondos. 

Montado integralmente atrás dela, o tanque moldado dinamicamente garante uma conexão aprimorada entre o piloto e a máquina. 

Um pouco mais a frente, o tanque e o assento unem-se harmoniosamente entre si. A linha firmemente ascendente a partir dos guidões até a traseira gera um formato levemente estreito, garantindo à BMW Concept Ninety uma posição quase como se estivesse pronto para atacar quando visualizada de lado; como um velocista prestes a entrar em ação. 

Abaixo da carroceria está o motor boxer resfriado por ar. Inteiramente em preto com contraste de corte são os detalhes nesta parte da moto, simbolizando poder, precisão e desempenho. 

A mecânica e a tecnologia como um todo são propositalmente visíveis e refletem uma atenção entusiasmada aos detalhes.

Peças personalizadas
Enquanto o cliente observa gradualmente a motocicleta, mais e mais detalhes são revelados. 

Muitas das peças de alta qualidade da BMW Conpet Ninety são originais dos especialistas em personalização de motocicletas da Roland Sands na Califórnia. 

Em parceria com a BMW Motorrad Design, a equipe da Roland Sands Design projetou e fabricou estas peças especialmente para a BMW Concept Ninety. 

As peças mecânicas e a área do motor, acima de tudo, destacam o símbolo da Roland Sands. 

Foi direcionada uma atenção especial a estes elementos típicos de uma boxer, e, portanto, também da BMW, que foi minuciosamente projetada e elaborada. 

Os destaques principais incluem a tampa frontal do motor e a tampa das válvulas. 

As peças foram fabricadas usando um processo de corte de contraste atrativo aos componentes mecânicos pretos. 

Esta tecnologia também foi aplicada às beiradas, cujo design clássico relembra os triunfos nas corridas com a BMW R90 S nos anos 70, a máquina e a implementação técnica das peças são de última geração; assim como todos os detalhes da BMW Concept Ninety. 

Todas as peças trabalhadas individualmente e com todos os detalhes necessários unem-se suavemente à estrutura da BMW Concept Ninety.

“Tudo se encaixa perfeitamente: a tecnologia BMW e nossas peças personalizadas estão ligadas em uma forma bela,” comenta a Roland Sands sobre o resultado desta colaboração. 

Edgar Heinrich acrescenta: “A BMW Concept Ninety é um prazer completo em todos os aspectos; desde o desenvolvimento da ideia, o estágio de rascunho até o processo de fabricação. Mas, principalmente, quando se pilota. É uma máquina absoluta de pilotagem; assim como a R 90 S era em seu tempo.” 

A BMW Concept Ninety e todos seus componentes foram projetados com o máximo desempenho.

Para mais informações sobre a BMW Motorrad Brasil, acesse:
www.bmw-motorrad.com.br

CHEVROLET RENOVA COM EMERSON FITTIPALDI CONTRATO QUE COMEÇOU HÁ MAIS DE 20 ANOS. O PILOTO FOI BICAMPEÃO MUNDIAL DA F1, CAMPEÃO DA FÓRMULA INDY E VENCEU DUAS VEZES AS 500 MILHAS DE INDIANÁPOLIS E O PRÊMIO DE UM MILHÃO DE DÓLARES

Texto de Beatriz Matarazzo


A Chevrolet renovou, por mais dois anos (até o final de 2015), o contrato com Emerson Fittipaldi, bicampeão mundial de Fórmula 1, campeão mundial da Fórmula Indy, e duas vezes vencedor das 500 milhas de Indianapolis. 

Emerson vai continuar como embaixador da marca, participando de eventos, ações de marketing e comunicação. 

Emerson Fittipaldi e a General Motors têm uma parceria de sucesso há mais de 20 anos, quando Fittipaldi venceu as 500 Milhas de Indianápolis pela primeira vez em 1989, com motor Chevrolet. 



Neste mesmo ano, foi campeão da Fórmula Indy, nos Estados Unidos, a bordo de seu Penske Chevrolet PC-18 nº 20. Para comemorar o feito naquele ano, o piloto e a Chevrolet lançaram no Brasil o Monza EF500, o primeiro veículo com injeção eletrônica no Brasil e hoje peça de colecionador.



Para celebrar o Projeto Fittipaldi 40 anos, a Chevrolet lançou, no final de 2010, a série especial Omega Fittipaldi 2011. 

O Chevrolet Omega, importado da Austrália desde 1998, foi um dos grandes destaques da 26ª edição do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo 2010. 

"Fico muito feliz em continuar a parceria com a Chevrolet que tenho há mais de 20 anos. Nos últimos dois anos trabalhamos em grandes projetos, como, por exemplo, o lançamento do Omega, que levou meu sobrenome e foi um grande sucesso e uma honra para mim", destaca Emerson Fittipaldi, campeão de Fórmula 1 e ícone da Fórmula Indy. 

"A marca Chevrolet assim como o Emerson, possuem em comum uma trajetória de sucesso, motivo pelo qual optamos por continuar com esta parceria vitoriosa", finaliza Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil.


Trajetória de um campeão




Emerson Fittipaldi entrou no automobilismo como mecânico do kart de seu irmão mais velho, Wilson Fittipaldi Jr. 

Em 1967, aos 21 anos, conquistou o campeonato brasileiro de Fórmula V. Dois anos depois, após competir num carro construído por ele mesmo, Emerson mudou-se para a Inglaterra disposto a iniciar carreira internacional. 

Seu sucesso internacional começou, em 1969, na Fórmula 3 inglesa, onde venceu o campeonato. 

Após uma rápida passagem pela Fórmula 2, no início de 1970, Colin Chapman, o legendário fundador da escuderia Lotus, abriu-lhe as portas da Fórmula 1, ao volante do modelo 49C, que levou Graham Hill a seu bicampeonato, em 1968. 

Os primeiros três pontos vieram na corrida seguinte e a primeira vitória aconteceu na quarta prova disputada: o GP dos Estados Unidos, em Watkins Glen, ao volante de uma Lotus 72. 

Em 1972, a bordo da Lotus 72 "John Player Special", Fittipaldi conseguiu a primeira pole, em Mônaco, e o primeiro título, em Monza, duas provas antes do fim. 


Aos 25 anos, Emerson tornou-se o mais jovem campeão da F1, recorde que permaneceu durante mais de trinta anos. 

A primeira vitória de Emerson num GP Brasil aconteceu logo na sua primeira edição oficial, em 1973, em Interlagos. Naquele ano Fittipaldi foi vice-campeão mundial. 

O segundo título veio em 1974, pilotando a McLaren M23. Após outro vice-campeonato, em 1975. 


Em 1976, Emerson foi para a Copersucar, equipe brasileira montada pelo irmão Wilson. 

O bicampeão subiu ao pódio da F1 pela última vez, em 30 de março de 1980, pela então equipe Fittipaldi. 

Após três anos fora das pistas, Emerson voltou a correr, em 1984. Estreou na Fórmula Indy, em abril, pilotando um March/Cosworth. 

A primeira vitória veio, em 1985, em Michigan, com a equipe Patrick Racing. 

Em 1986, conseguiu a primeira pole, em Portland, e também a primeira vitória em circuito de rua, em Elkhart Lake. 


O título na categoria foi conquistado em 1989, com cinco vitórias, entre elas, a da tradicional 500 Milhas de Indianápolis, conquista que repetiu em 1993.

A bordo do Penske PC-18 nº 20 com motor Chevrolet, preparado pela Patrick Racing. Em 1990, o campeão levou o nº 1 para a equipe Marlboro Penske/Chevy e foi pole na Indy 500 e Marlboro 500. 

A associação com a equipe Hogan Penske, em 1996, foi interrompida na segunda volta do GP Marlboro 500, em Michigan, onde Emerson sofreu seu mais grave acidente em quase 30 anos de automobilismo. 

Bateu violentamente contra o muro de proteção e fraturou a sétima vértebra cervical.

Fittipaldi decidiu abandonar de vez as pistas, aos 50 anos, com dois títulos mundiais de F1, um de F-Indy, e mais de trezentas vitorias em sua carreira, 11 temporadas na Fórmula 1 e outras 13, na Fórmula Indy.


A TEMPORADA DO RALI DE REGULARIDADE MITSUBISHI CUP DE 2013 COMEÇA NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA (8 E 9/6), POR ARACAJU. A COMPETIÇÃO É ABERTA A TODOS OS INTERESSADOS QUE POSSUAM MODELOS 4 X 4 DA MARCA


Os campeões das categorias Graduados e Turismo do Mitsubishi Motorsports Nordeste, na temporada 2013, que começará no próximo dia 8 de junho, em Aracaju (SE), ganharão viagens com estada pelo Brasil.

O piloto vencedor da temporada na categoria Graduados levará uma viagem de quatro pernoites no exclusivo Resort Ponta dos Ganchos, localizado a 40 km de Florianópolis, em uma península particular rodeada pelo mar da Costa Esmeralda. 

"O vencedor e mais três pessoas poderão aproveitar um dos mais premiados hotéis do Brasil e eleito um dos 50 melhores do mundo", conta Corinna Souza Ramos, diretora de Projetos Especiais da Mitsubishi Motors.

Já o piloto campeão da categoria Turismo viajará, ao lado três acompanhantes, para Itacaré (BA), com estada de cinco pernoites no charmoso e elegante TXAI Resort. 

"O local possui uma rara beleza natural, com todos os mínimos detalhes pensados para fazer com que os hóspedes passem momentos únicos, assim como nos ralis da Mitsubishi", exalta Corinna.


Etapa de Aracaju (SE)
No dia 8 de junho, a alegria da Nação 4x4 invade a cidade de Aracaju (SE) para a abertura de temporada 2013 do Mitsubishi Motorsports Nordeste. 

Os valentes veículos 4 X 4 da Mitsubishi podem esperar uma etapa cheia de adrenalina e desafios, passando por belas praias do litoral norte. 

Ao todo, serão 200 quilômetros para a categoria Graduados, 180 quilômetros para a Turismo e 140 quilômetros para a Turismo Light.

Para participar das provas, os competidores fazem a doação de 30 quilos de alimentos não perecíveis e seis produtos de higiene, por carro, como taxa de inscrição, que serão destinados a associações da cidade. As inscrições já estão abertas no site www.mitsubishimotors.com.br.

Mitsubishi Pró-Brasil
A Nação 4x4 da Mitsubishi também está envolvida no espírito de solidariedade e cidadania. Com a ação social Mitsubishi Pró-Brasil, foram arrecadadas, até hoje, quase 900 toneladas de alimentos, em doações através das inscrições, desde 1994. 


Calendário Mitsubishi Motorsports Nordeste
08/06 - Aracaju (SE)
24/08 - João Pessoa (PB)
05/10 - Maceió (AL)
30/11 - Fortaleza (CE)

Programação - Mitsubishi Motorsports Nordeste - 1ª etapa - Aracaju (SE)
07 de junho - Sexta-feira
Entrega de kits, vistoria, briefing e aula de navegação - das 17h às 22h
Local: Prodigy Beach Resort e Conventions Aracaju

08 de junho - Sábado
Largada: Av. Santos Dumont - estacionamento do Monumento Personalidades Nacionais, Orla e Atalaia
7h30 - Entrega das planilhas para Categoria Graduados
8h30 - Entrega das planilhas para Categoria Turismo
9h00 - Entrega das planilhas para Categoria Turismo Light
A partir das 14h - Chegada, almoço e premiação
Local: Prodigy Beach Resort e Conventions Aracaju
Endereço: Sítio Tingui, s/n, Barra dos Coqueiros

Para mais informações, acesse: www.mitsubishimotors.com.br.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

AUDI ANUNCIA A CHEGADA DO NOVO A3 SPORTBACK COM MOTORES 1.4 DE 122 VC E 1.8 DE 180 CV, INTERIOR LUXUOSO, MAIS SEGURO. O LANÇAMENTO DA FÁBRICA ALEMÃ OFERECE MAIS ESPAÇO INTERNO E UM PORTA-MALAS COM MAIOR CAPACIDADE. O DESEMPENHO DO SPORTBACK MELHOROU SENSIVELMENTE PELO AUMENTO DA POTÊNCIA DO MOTOR E A DIMINUIÇÃO DO PESO: QUE RESULTA EM MAIS ECONOMIA DE CONSUMO: 18 KM/L, COM O MOTOR 2.0 E 20 KM/L, NO MOTOR 1.8 L.


A Audi anunciou a apresentação de duas novas versões do consagrado A3 Sportback, de quatro portas, com motores 1.4l, de 122 cv e 1.8l, de 180 cv, na segunda quinzena de junho, em São Paulo.

Nas novas versões, o novo compacto premium Audi A3 Sportback teve o peso reduzido graças à tecnologia Ultra de construção que deixou o carro mais esportivo e versátil e muito econômico, na versão 1.4l fazendo 20 km/l e na com motor 1.8l, 18 km/l.



Mais longo e espaçoso que o modelo anterior, o A3 Sportback tem 4,310 m, de comprimento, 1,785 m de largura e 1,425 m, de altura e uma a distância entre-eixos de   2,636 mm – um aumento de 5,8 cm. 

Em relação à versão de três portas Sport, que começou a ser comercializada em maio, o Sportback tem 3,5 cm a mais de entre-eixos. Com cinco portas tem mais espaço no porta-malas.  

Os motores são poderosos, eficientes e os sistemas de informação e assistência ao motorista elevam o padrão no segmento de sua categoria.


Design exterior: estética inovadora


No novo Audi A3 Sportback o elemento de destaque é a grade single-frame com cantos angulosos, além dos faróis estreitos de xênon plus, com luzes diurnas em LED e ajuste automático de altura. 

Grandes entradas de ar na dianteira indicam a motorização poderosa. O perfil elegante é definido pela linha de cintura, também conhecida por “linha Tornado”, que acompanha as janelas, e pelas superfícies curvas. 



Os retrovisores embutidos nas portas seguem o padrão dos veículos de competição e o discreto spoiler de teto sublinha o caráter esportivo do A3 Sportback.



Na traseira, luzes bipartidas, disponíveis com tecnologia LED, em combinação com os faróis de xênon, asseguram um aspecto mais dinâmico ao modelo. 

A luz de freio adaptativa, que pulsa em alta frequência durante uma frenagem mais intensa, é de série.


A Audi oferece 12 opções de cores para o novo A3 Sportback: branco amalfi, preto brilhante, vermelho brilhante, marrom beluga, cinza dakota, prata gelo, branco geleira, cinza molção, azul skuba, vermelho shiraz, vermelho misano e preto fantasma. Independente das cores externas, o interior das duas versões pode ser contrastado com combinações nas cores prata e preto nos assentos.



Audi ultra: mais leveza e segurança
A tecnologia de construção de baixo peso da montadora, Audi ultra, já é aplicada no novo Audi A3 Sportback, deixando o modelo 90 quilos mais leve do que a versão anterior. 


Equipado com motor 1.4 TFSI, o hatch pesa apenas 1.300 kg. O perfil de célula de aço do modelo combina baixo peso com elevada rigidez. 

O tipo de material utilizado em cada parte é determinado em função das características desejadas. 



Componentes da célula dos ocupantes do carro são feitos em aço forjado a quente, o que torna a estrutura resistente e leve, ao mesmo tempo, com economia de 37 kg no peso do carro.

A tampa do motor, os para-lamas, a parte de trás dos para-choques e a subestrutura do eixo dianteiro são feitos em alumínio – juntos, economizam cerca de 12 kg e melhoram a distribuição de peso no conjunto.

Além da carroceria, que não produz nenhum ruído, o para-brisa recebeu isolamento acústico para reduzir ainda mais os níveis de som no interior. 

Graças a ajustes detalhados, inclusive no compartimento do motor e na parte inferior da carroceria, o coeficiente de arrasto é de apenas 0,31.

Interior: funcionalidade intuitiva




O interior do novo Audi A3 Sportback é marcado pela concepção elegante e clean. 

Um longo arco, que corre abaixo do para-brisa, segue o estilo dos modelos maiores da marca. 

O painel cativa logo à primeira vista, pela disposição clara dos instrumentos - com fácil leitura- e ergonomia. 

O console central, que é ligeiramente inclinado em direção ao motorista, destaca a funcionalidade e acessibilidade aos comandos.

A unidade de comando central (MMI Navigation Plus com MMI Touch), localizada no console central, possui painel de controle táctil integrado e botão de pressão e rotativo para acesso mais intuitivo às funções disponíveis. 


Este sistema oferece ao motorista uma maneira inteligente de controlar as funções de navegação e do telefone, além de permitir “escrever” letras ou números com um simples toque e movimento do dedo. 



A tela colorida de sete polegadas, que se eleva eletricamente, apresenta todas as informações com uma nova disposição e de maneira clara.

Um botão para o freio de estacionamento eletromecânico substitui a alavanca de mão – outra solução proveniente dos modelos maiores da marca. 




O volante, que dependendo da versão pode ter três ou quatro raios, teclas multifuncionais e shift-paddles.

Os bancos dianteiros foram recentemente desenvolvidos para oferecer excelente apoio e conforto aos ocupantes. 


Graças ao entre-eixos 58 milímetros maior, o novo A3 Sportback oferece amplo espaço no assento traseiro e fácil acesso para três adultos, com mais espaço para as pernas e maior distância da cabeça ao teto do que a versão anterior.

Luxo e sofisticação também estão presentes no interior do modelo, com acabamento em alumínio Mistral ou inserções em “3D barvolento” na versão 1.8. 


Este último, fabricado por meio de um processo complexo para produzir uma aparência semelhante a um vidro com intensa profundidade.

Quatro grandes entradas de ar, com design de turbina, conferem ainda mais classe ao veículo. 


A forma como distribuem o ar pode variar de um jato mais forte até um fluxo mais uniforme e difuso, com vários níveis de intensidade. 

O ar-condicionado é de série nas duas versões, sendo que o da versão 1.8 é de duas zonas.



O compartimento de bagagem oferece 380 litros de capacidade na configuração básica e 1.220 litros com os bancos rebaixados. 

O piso do porta-malas pode ser colocado em dois níveis – detalhe para os suportes demarcados com pequenas lâmpadas de LED. 

O banco traseiro pode ser rebatido a 40:60, aumentando assim o espaço para bagagem, ou totalmente abaixado.

Motorização mais eficiente




A Audi oferece tecnologias múltiplas de eficiência na motorização do novo Audi A3 Sportback: injeção direta de combustível, turbo, gestão térmica e sistema start-stop

Graças às inovações, o consumo foi reduzido em média, cerca de 10% em comparação à versão anterior. São duas opções de motores a gasolina TFSI.




O novo motor 1.4 TFSI, que agora também possui bloco de alumínio, pesa apenas 107 kg – 21 a menos que seu antecessor. 

A unidade produz 122 cv de potência e 200 Nm de torque máximo. Com câmbio S tronic de dupla embreagem, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em apenas 9,3 segundos - com velocidade máxima de 203 km/h. 

O consumo de combustível combinado é de 18,86 km/litro, o que corresponde a 123 gramas de CO2/km.

Já o novo motor 1.8 TFSI a gasolina - que combina injeção direta FSI com injeção indireta multiponto; além do sistema Audi Valvelift, que varia a elevação das válvulas - produz 180 cv de potência e 250 Nm de torque. 




O coletor de escape está integrado à cabeça dos cilindros – uma solução semelhante utilizado no motor 1.4. 

Equipado com transmissão S tronic e tração dianteira, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 segundos e tem velocidade máxima de 232 km/h. 

O consumo médio é de 17,85 km/litro, correspondente a 130 gramas de CO2 por km.

A Audi pretende expandir rapidamente a gama de motores para o Audi A3 Sportback, o que inclui um modelo S de alta eficiência e baixas emissões, além da opção de um motor a gás e um veículo híbrido e-tron, em 2014.




Transmissão precisa

O Audi A3 Sportback vem para o Brasil equipado com câmbio S tronic de sete velocidades com dupla embreagem, extremamente rápida e com engates precisos e quase imperceptíveis. 

O motorista pode operar o câmbio S tronic por meio de alavanca ou shift-paddles no volante. 

Quando combinado com o Audi Drive Select (de série na versão 1.8), o veículo pode ser operado no modo Eficiência, que permite redução de consumo de combustível. 

Neste caso, o modo de “roda livre” da caixa S tronic também é ativado, o que significa que a embreagem é automaticamente liberada quando o condutor levanta o pé do pedal de acelerador, poupando, assim, combustível.



Chassis
No chassis do novo Audi A3 Sportback, o eixo dianteiro foi deslocado 4 centímetros para a frente, em comparação com o modelo anterior. 


Todos os motores são instalados com inclinação de 12 graus, com a extremidade voltada para o escape – conceito da plataforma modular transversal (MQB).
Na dianteira, suspensão McPherson com braço inferior triangular acoplado em sub chassis de alumínio. 

A suspensão traseira four-link trabalha com as forças longitudinais e transversais de forma independente, com molas e amortecedores montados separadamente.

A direção assistida eletromecânica é sensível, altamente eficiente e trabalha de maneira integrada com os sistemas de assistência. 



O modelo 1.4 vem equipado com rodas de 16 polegadas e o 1.8 com rodas de 17 polegadas, ambas com design atrativo. 

O poderoso sistema de frenagem inclui discos ventilados na dianteira e o controle eletrônico de estabilidade limita o deslizamento em curvas.

Quando equipado com Audi Drive Select, o motorista decide o modo de condução e características do acelerador, direção assistida e câmbio S tronic apertando um botão e optando pelo modo Conforto, Auto, Dinâmico, Individual ou Eficiência.




Informação e interatividade
O Audi A3 Sportback apresenta uma inovação pioneira nos sistemas eletrônicos de comunicação: a plataforma modular de informação (MIB), conceito que permite ciclos muito rápidos de informação. 


O computador central do novo MMI (Multi Media Interface) possui um rápido processador de gráficos.

O monitor de alta resolução de 7 polegadas, que emerge automaticamente do painel, tem 11 milímetros de espessura e carcaça leve em magnésio preto de alto brilho. 


Outros equipamentos são o Rádio MMI, que inclui Audi Music Interface para integração de leitor móvel e interface Bluetooth. 

As duas versões podem ser equipadas com sistema de navegação com MMI touch.

O novo Audi A3 Sportback vem com um conjunto de itens de segurança generoso e de alto padrão, que inclui airbags frontais e para o joelho do condutor e airbags laterais dianteiros de cabeça.


Conheça o novo A3 Sportback, nas redes sociais, ao som da dupla francesa Daft Punk. Acesse:http://youtu.be/BTkuEA0RafY.




Departamento de Imprensa Audi Brasil
Charles Marzanasco
charles.marzanasco@audi.com.br
+55 11 3041-2840
Bruna Cury
bruna.cury@audi.com.br
+55 11 3041 2888
In Press Porter Novelli Assessoria de Comunicação
Nathália Sanches
nathalia.sanches@inpresspni.com.br
+55 11 3323-3787
Bruna Gomes
bruna.gomes@inpresspni.com.br
+55 11 3323-1644
Lia Mara Sacon
lia.sacon@inpresspni.com.br
+55 11 3323-3783
www.inpresspni.com.br.


COPA SÃO PAULO LIGHT DE KART. RODRIGO BATISTA QUER AMPLIAR LIDERANÇA. NÃO PERCA ESSA COMPETIÇÃO NESTE SÁBADO.


Terceiro no campeonato, Bruno Baptista quer vencer a primeira para assumir a liderança. Foto: Maurício Villela

O principal campeonato brasileiro de kartismo com motores sorteados chega à sua metade, com muitas disputas e equilíbrio na categoria Sprinter. 

Neste sábado (1/5), será realizada a quinta rodada da Copa São Paulo Light de Kart, no Kartódromo de Interlagos, com a liderança do jovem Rodrigo Baptista, com 29 pontos.

"Estou na liderança, mas sei que não terei vida fácil. De qualquer maneira, vou tentar a minha segunda vitória consecutiva, algo que ainda não aconteceu nesta temporada, para abrir uma folga maior", planeja Rodrigo Baptista, que tem se destacado nas pistas por ter seu kart, macacão e capacetes pintados com as cores e logotipo do São Paulo Futebol Clube.


Com os cinco primeiros colocados no certame separados por apenas nove pontos - a vitória concede 11 pontos e, portanto, qualquer um deles pode assumir a liderança -, apenas o terceiro colocado, Bruno Baptista (TekBond), ainda não subiu no degrau mais alto do pódio.


"Das quatro etapas, em três eu bati na trave. Em duas delas eu venci uma das baterias e na outra acabei ficando com um segundo lugar na geral. Então, acho que já está na hora de estourar o champanhe também neste campeonato", acredita Bruno Baptista, que também é o vice-líder do Campeonato Paulista.


O "coach" da equipe dos pilotos conhecidos como "garotos do São Paulo", por serem fanáticos torcedores do time de futebol, está ainda mais confiante após a melhor rodada apresentação de seus pilotos.


"Na última corrida em que participamos, que foi justamente a segunda bateria da quarta rodada do Paulista Light de Kart, nosso time fez dobradinha na frente com o Bruno e o Rodrigo. Então, temos a confiança que podemos começar a partir daí. Temos a felicidade de ter dois bons pilotos e acredito que podemos vencer novamente e polarizar a briga no campeonato entre os dois primos", confia Marcelo Piedade.


Os 10 primeiros da Sprinter na Copa São Paulo Light de Kart depois de quatro etapas são: 

1) Rodrigo Baptista, 29 pontos; 
2) Julio Wolff, 27; 
3) Bruno Baptista, 25; 
4) Lucca Croce, 24; 
5) Evandro Bambirra, 20; 
6) Antônio Matiazi/Lucas Villela, 16; 
8) Felipe Resende Bastos, 15; 
9) Rafael Velho, 10; 
10) Erick Lutum/Luiz Filipe Matheus/Nathanael Bueno, 9 pontos.

Visite: www.kartspfc.blogspot.com.br.


FERNANDO CALMON VOLTA A COMENTAR OS ASPETOS QUE ENVOLVEM O PROGRAMA INOVAR-AUTO, CONSIDERANDO QUE NÃO RESTAVAM AO BRASIL ALTERNATIVAS MELHORES PARA QUE A INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUPORTASSE A COMPETIÇÃO INTERNACIONAL. REVELA O SURGIMENTO DO GOLF VII GERAÇÃO E LEMBRA QUE A RENAULT É A ÚNICA MONTADORA EM QUE TODOS OS CARROS QUE VENDE NO PAÍS SÃO PRODUZIDOS NO BRASIL


Alta Roda
 


Nº 735 — 30/5/13

Fernando Calmon 



EM BUSCA DO MENOR CONSUMO

Mais um passo foi dado pelo governo para esclarecer e regulamentar o complicado novo regime automobilístico, batizado de Inovar-Auto, vigente por cinco anos, de 2013 a 2017. 

Além de complexo e intervencionista, na realidade não restavam alternativas muito melhores para que o País conseguisse manter sua indústria à tona em um ambiente complexo de competição internacional. 

Sem contar os sérios problemas advindos da valorização da moeda brasileira, que torna baratos os produtos importados e caros, os de exportação.

Para compensar o aumento de 30 pontos percentuais de IPI – ao contrário dos que muitos pensam atingiu produtos nacionais e importados – foram apertadas as exigências. 

O número mínimo de processos industriais a cumprir foi aumentado de forma escalonada. Em 2017, por exemplo, eram oito e agora, dez.

Importante para quem compra veículos é saber que o novo regime resultará em carros mais econômicos. 

A média ponderada dos modelos vendidos por cada fabricante terá de atingir uma melhoria em eficiência energética de 12% (equivalente à redução de 13,5% no consumo) com referência em 2012. 

Não é meta banal. Comparações simplórias com a Europa desconsideram diferentes combustíveis e ciclos de aferição de consumo em laboratórios. 

Fabricante que deixar de cumprir estará sujeito a uma escala de multas pesadíssimas por unidade produzida. 

Na pior hipótese poderia passar de R$ 1 bilhão, se vendesse um milhão de unidades por ano fora do limite, por exemplo.

Há, no entanto, duas severas metas voluntárias de melhoria de consumo incentivadas por diminuição de carga fiscal, mas revertida ao produtor: reduções de 15,5% e 18,8%. 

Foram feitas duas mudanças: prazo esticado em um ano (de outubro de 2016 para outubro de 2017) e inclusão de carros híbridos e elétricos no cálculo da média ponderada de consumo.

No segundo caso, como se trata de modelos de alto custo de produção e o governo não alterou os impostos sobre eles, teriam pouco peso no cálculo da frota total comercializada pelo fabricante. 

Examina-se, porém, a possibilidade de valorizar essas tecnologias, até hoje subsidiadas no exterior, ao atribuir peso maior.

Intenção é estimular o interesse dos compradores brasileiros, concedendo ao fabricante ou importador um benefício fiscal indireto para veículos de baixíssimo consumo, caso dos híbridos. 

Afinal, as metas voluntárias seguem coladas às anunciadas na União Europeia e EUA para os próximos anos e as estratégias são semelhantes.

Não ficou claro, ainda, a referência na ponderação para veículos puramente elétricos. 

Estes acabaram de sofrer um revés simbólico no exterior com a falência do projeto Better Place, que previa postos de troca rápida de bateria em automóveis adaptados para tal.

Além de tudo muito caro, atraiu poucos interessados nos dois países que tentaram abraçar o plano, Israel e Dinamarca.

RODA VIVA

PELO número de vezes que o Golf VII tem sido fotografado em testes de campo, indica que lançamento está próximo. Tudo aponta para meados do segundo semestre. 

Volkswagen usará boa parte de sua cota anual de 9.600 unidades para importá-lo da Alemanha. 

Como divide arquitetura com Audi A3, ambos deverão ser produzidos na fábrica de São José dos Pinhais (PR).

RENAULT, até o momento, é única marca sem modelos importados, à exceção de origem argentina. 

Decidiu, agora, aproveitar sua cota de até 9.600 unidades/ano sem IPI adicional. Pode trazer Mégane R.S. de 265 cv, mas objetivo central é o Captur, SUV compacto com base no novo Clio, a ser produzido no Paraná. Possível anúncio no próximo dia 17.

BEM posicionado na faixa de compactos de preço superior, novo Fiesta mostra conjunto mecânicos dos melhores, além de interior moderno e recursos multimídia de ponta, desenvolvidos junto com a Microsoft. 

Boa posição de dirigir, motor de 1,6 L mais potente do segmento (130 cv/etanol) e câmbio automatizado de duas embreagens que funciona melhor na opção S (esporte).

MERCADO brasileiro despertou para o conforto de câmbios automáticos ou automatizados. 

Há dez anos representavam apenas 2% das vendas de automóveis. Este ano pularão para 12%. 

Em algumas marcas já é bem mais. Entre as Quatro Grandes GM avançou bastante: Cruze, 90%; Sonic, 85%; Spin, 60%; Cobalt, 40%. 

Tendência de subir com Onix e Prisma, em breve.

REDUÇÃO de acidentes em estradas federais pedagiadas será incentivada por meio de tarifas mais atraentes às concessionárias.

Ideia é ter bônus tarifários, se obras representarem menos mortos e feridos. 

Em sentido inverso, as que atrasarem cronogramas de melhorias de pistas terão reajustes menores. Tudo isso nos novos contratos.

COMBINAÇÃO de rastreador e seguro contra furto e roubo está em expansão. 

Pósitron é um dos fabricantes desse equipamento que funciona com GPS e rede celular GSM/GPRS. 

Preço do seguro, em parceria com BNP/Cardif, tem desconto de 50%: dispensa vistoria prévia, análise por perfil e região de circulação. Plano lançado este mês.

VOLKSWAGEN AMAROK GANHA POTÊNCIA NAS VERSÕES DE ENTRADA. MOTOR 2.0 TDI DA VERSÃO S AGORA TEM 140 CV. O MODELO ESTÁ DISPONÍVEL EM SETE VERSÕES: CABINTE SIMPLES E DUPLA, TRAÇÃO 4 X 2 E 4 X 4 E CÂMBIO DE SEIS E OITO MARCHAS, AUTOMÁTICA.


Motor 2.0 TDI da versão S ganha 18 cv e agora entrega 140 cv


A Volkswagen Amarok passa a contar com mais potência em suas opções de entrada. O motor quatro-cilindros 2.0 TDI com um turbocompressor, que equipa a versão S da picape – oferecida em configuração de cabine simples (com tração 4 X 2 ou 4 X 4) ou dupla (tração 4x4) – ganhou 18 cv, elevando sua potência para 140 cv.




O aumento foi obtido com nova calibração da central de gerenciamento eletrônico (ECU) do motor. Houve também alteração nas faixas de rotação em que ocorrem a potência e o torque máximos. 

Os 140 cv surgem agora a 3.500 rpm, regime 500 rpm mais baixo do que na calibração anterior. O torque permanece de 34,7 kgfm (340 Nm), disponível a partir de 1.600 rpm.

Com potência incrementada, o motor impressiona pela melhoria no desempenho sem modificação no consumo reduzido de combustível. 


Na versão com cabine simples, tração 4 X 2 e câmbio manual de seis marchas, a Amarok com 140 cv acelera de 0 a 100 km/h em 12,6 segundos (na versão anterior com 122 cv eram necessários 13,2 s). 

A velocidade máxima passou a 168 km/h (anteriormente, 162 km/h). Na versão S com cabine dupla e tração 4 X 4, a velocidade máxima passou a 167 km/h (antes, 161 km/h) e a aceleração de 0 a 100 km/h baixou para 13,1 segundos (contra 13,7 segundos).

O fôlego em retomadas também está maior: nas três versões S (cabine simples 4 X 2 e 4 X 4 e cabine dupla 4 X 4), o tempo necessário para recuperar velocidade de 80 km/h para 120 km/h em quinta marcha diminuiu até 0,5 segundo.
Amplo conteúdo
A versão S da picape Amarok traz de série uma extensa lista de equipamentos, entre os quais se incluem: direção hidráulica, ar-condicionado Climatic, bancos do motorista e do passageiro com ajuste de altura e volante com ajuste de altura e profundidade e 
 preparação para rádio com dois alto-falantes.

Freios ABS (com função "off-road", BAS – Sistema de Assistência à Frenagem; EBC – Controle Eletrônico de Frenagem; e EBD – Distribuidor Eletrônico da Força de Frenagem), TCS (Sistema de Controle de Tração) e bloqueio eletrônico do diferencial (EDL), além de airbags dianteiros.



Entre os opcionais para a Amarok S, cabine simples ou dupla e com 4 X 2 ou 4 X 4, estão sensor de obstáculos traseiro, revestimento de couro sintético para os bancos, rádio CD-Player leitor de MP3 com SD-card, entrada USB e conexão Bluetooth, além de travas, vidros e retrovisores com ajustes elétricos. 

A picape também dispõe, entre os recursos opcionais, de Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC), que inclui o Assistente para Partida em Subida (HSA) e o Controle Automático de Descida (HDC).



Os amplos assentos possibilitam regulagem de altura. Além disso, o volante pode ser ajustado em altura e distância, possibilitando ao motorista encontrar a posição de dirigir ideal para seu tipo físico. 

Os bancos são revestidos de tecido "Tear Spacer Cinza" e, para melhor resistência ao uso no trabalho, o assoalho tem como opcional o revestimento de borracha. 



Os ocupantes contam com um porta-objetos central, com dois porta-copos.

Na Amarok com cabine simples, a caçamba tem área de 3,57 m². A configuração (2.205 mm x 1.620 mm) com caixas de rodas estreitas, distanciadas em 1.222 mm, permite o transporte de grandes objetos, como dois paletes padrão europeu. 
Há seis ganchos para fixar a carga com segurança. 

O modelo na versão tração 4x2 carrega até 1.215 kg de carga total; a 4x4 tem capacidade para até 1.135 kg. A Amarok cabine dupla, com tração 4x4, pode levar 1.090 kg.



Na Amarok com cabine dupla, a caçamba mede 1.555 mm de comprimento e 1.620 de largura. A superfície de carga no compartimento é de 2,52 m².



Exterior
Em sua versão S, a Amarok tem para-choque dianteiro pintado na cor da carroceria. O traseiro é preto, de plástico (self-color). As maçanetas e capas dos retrovisores externos também são pretas.

As rodas de série são de aço, com 16 polegadas de diâmetro e pneus 205 R16. Opcionalmente, a versão pode ser equipada com rodas de liga leve modelo Tarumã com pneus 245/70 R16. A versão 4x4 é equipada com para-barros de série.



Versões
A Amarok é oferecida em sete opções de configuração, entre carroceria cabine simples e cabine dupla, tração 4 X 2 e tração 4 X 4, transmissão manual de seis marchas ou automática de oito marchas. 



O motor 2.0 biturbo diesel, que equipa as versões SE, Trendline e Highline, permanece com potência de 180 cv.

A Amarok traz recursos como o sistema de alívio de peso da tampa traseira como item de série em todas as versões do modelo. 

A versão Trendline oferece como opcionais o já consagrado câmbio automático de oito marchas, além de faróis de neblina com luz dinâmica para manobras, sensores dianteiro e traseiro de estacionamento e o pacote tecnológico Light & Vision (composto por acendimento automático dos faróis, retrovisor interno eletrocrômico, Coming&Leaving home e sensor de chuva). 



A versão também conta com o novo rádio RCD-320 2DIN com entradas SD-card /USB e com Bluetooth como item de série.



A versão Highline automática incorpora como itens de série sensores dianteiro e traseiro de estacionamento, acendimento automático dos faróis, Coming&Leaving home, retrovisor interno eletrocrômico e sensor de chuva. 



Entre os equipamentos opcionais figuram faróis de neblina com luz dinâmica para manobras.


Controle de emissões
A Amarok com motor de 140 cv – assim como as configurações com o motor de 180 cv – já chega ao mercado brasileiro atendendo às normas da fase L6 do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) para veículos a diesel. 

A Amarok com os motores L6 deve ser abastecida somente com diesel do tipo S-10, disponibilizado nos postos de serviço desde janeiro deste ano. 



Os proprietários serão orientados no manual do veículo e no bocal do tanque de combustível sobre a necessidade da utilização do diesel S-10.

O diesel S-10 substituiu o S-50 nos postos de combustível. Mais "limpo", o novo diesel passou de 50 para 10 partes por milhão (ppm) de enxofre, possibilitando uma redução significativa da emissão de material particulado. 


Além disso, o novo combustível tem número de cetano mínimo de 48 (medida de qualidade da combustão a diesel), oferecendo a qualquer veículo, mesmo os fabricados antes de 2013, uma melhor conservação do motor e redução dos custos de manutenção.

Outra vantagem do diesel S-10 é contar com uma faixa de densidade mais estreita (820 a 850 kg/m³), bem como uma curva de destilação com a temperatura dos 95% evaporados de no máximo 370ºC. 

Essas propriedades conferem benefícios na combustão do motor e na partida a frio.



Vendas em alta constante
A primeira picape média da Volkswagen, que começou a ser comercializada no Brasil em maio de 2010, teve em 2012 o seu melhor ano de vendas de sua história. 

O utilitário registrou 19.825 unidades comercializadas no mercado nacional, o que representa crescimento de 93,8% sobre as vendas em 2011.

De janeiro a abril de 2013, a Amarok acumulou 7.887 unidades vendidas no País, volume 76% maior do que o registrado no mesmo período de 2012, quando foram comercializadas 4.462 unidades da pick-up. 

Somente em abril de 2013 foram vendidas 2.416 unidades da Amarok, um incremento de 23% em relação a março de 2013, que teve 1.952 unidades da pick-up comercializadas, e alta de 166% em comparação ao mês de abril de 2012 (907 unidades).



ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.