domingo, 31 de agosto de 2014

A FALTA DE SERIEDADE E DE VONTADE POLÍTICA COLOCAM O BRASIL ENTRE OS PAÍSES COM MAIOR QUANTIDADE DE EMISSÕES EMANADA DA FROTA CIRCULANTE. FERNANDO CALMON COMENTA SOBRE O ASSUNTO.





QUALIDADE DO AR
EXIGE HARMONIA


Por Fernando Calmon



Por muito tempo ainda as grandes cidades do mundo terão de conviver com os problemas de emissões de sua frota circulante. 

Os parâmetros são difíceis de estabelecer entre o viável, técnica e economicamente, e as exigências de ambientalistas. 

Esses sempre querem metas exageradas, como se nenhum progresso tecnológico tivesse sido feito em décadas de contínua evolução que resultou em nítida melhora da qualidade do ar.

Há exemplos claros, como Los Angeles, nos EUA, e mesmo São Paulo, que avançou em relação a 20 ou 30 anos, apesar do grande aumento de veículos. 

Em Paris, recentemente, um embate menos técnico do que político levou ao rodízio emergencial 50% da frota, porém suspenso antes de afetar os 50% restantes, no segundo dia. 

Referências da OMS (Organização Mundial de Saúde) são, obviamente, rígidas e aceitas em países de alto poder aquisitivo e populações de idade avançada. Médicos cumprem o papel de minimizar riscos; não precisam fazer contas.

Seminário de Emissões 2014, organizado em São Paulo pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), debateu este tema. 

Discutiu-se harmonização de regras antipoluição (Nota Verde) e de eficiência energética (redução de consumo) do programa Inovar-Auto. 

Ao homologar há que se verificar se a versão do modelo cabeça de família em termos de emissões é a mesma que apresenta o menor consumo. 

Uma sugestão seria dispensar modelos eficientes de nova certificação complexa e onerosa.

Por outro lado, se notou alguma resistência em aumentar custos com adoção de sistema a bordo do veículo para recuperação de vapores no abastecimento em postos. 

Menor reatividade do etanol na atmosfera, utilizado em larga escala no Brasil (sozinho ou adicionado à gasolina), já ajuda. 

Este controle, no entanto, beneficia frentistas expostos a concentrações de vapores de hidrocarbonetos cancerígenos como o benzeno.

Especial atenção terá de se dar aos motores com injeção direta de gasolina. Sua capacidade de diminuir consumo (consequentemente emissão de CO2) e aumentar potência/torque vem acompanhada de maior liberação de material particulado. 

Ou seja, ao seu custo elevado deverá se somar um filtro similar, porém mais simples e barato, aos utilizados em motores a diesel. Apenas o etanol é livre de particulados em sua combustão.

A interrupção da inspeção veicular ambiental no município de São Paulo também chamou atenção. 

Será restabelecida nos próximos meses com periodicidade anual só para veículos com mais de 10 anos de uso. 

Até três anos estão dispensados (a exemplo do resto do mundo); entre 4 e 10 anos, inspeção bienal, como no exterior. Motores diesel continuarão com inspeção anual na capital paulista.

Programas experimentais apontaram que 10% mais emissores emitem o mesmo que os 90% menos poluentes. 

O resultado ambiental seria extraordinário, se a grande evasão não fosse justamente daquele grupo menor pesquisado. 

Carros com placas de outros municípios, que circulem mais de 120 dias por ano em São Paulo, deverão também passar por inspeção. 

Uma falha no programa está na ausência de medições com motor em carga, quando rolos mecânicos simulam o mundo real. Motocicletas também teriam que ser inspecionadas todos os anos em função do uso intensivo.

NISSAN CEDEU À ESCOLA PÚBLICA DE TRÂNSITO DO DETRAN DO RIO DE JANEIRO DOIS CARROS LAVINA ADAPTADOS PARA AULAS PRÁTICAS DE DIREÇÃO DE PESSOAS DEFICIENTES


Rio de Janeiro – A Nissan do Brasil se associa ao Departamento Estadual de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran – RJ) para melhorar as oportunidades de mobilidade das pessoas com deficiências. 


A empresa cedeu dois exemplares de sua minivan Nissan Livina, totalmente adaptados, para reforçar a frota de carros da Escola Pública de Trânsito do Detran. 

Com eles, os carros serão usados nas aulas práticas de direção ministradas pela escola e, assim, contribuirão para que mais pessoas com deficiência consigam retirar sua carteira nacional de habilitação.

Os carros foram entregues pela Diretora de Relações Governamentais e Sustentabilidade da Nissan do Brasil, Márcia Ribeiro, ao presidente de Detran-RJ, Fernando Avelino, na sede da Escola Pública de Trânsito do Detran do Rio de Janeiro, no Centro da cidade.

"Um dos pilares de atuação da Nissan é promover a acessibilidade e a mobilidade sustentável. Nesse sentido, esperamos que a cessão destes dois veículos adaptados melhore um pouco a vida da população do Estado em que instalamos nosso Complexo Industrial há alguns meses", afirma Márcia Ribeiro.

sábado, 30 de agosto de 2014

COM A IMPORTANTE AJUDA DO BRASIL QUE É O QUARTO MAIOR CONSUMIDOR DO MODELO, O CHEVROLET CRUZE ATINGIU TRÊS MILHÕES DE CARROS VENDIDOS NO MUNDO, A MAIORIA NA COR BRANCA. NO PAÍS FORAM VENDIDOS 140 MIL.


Detroit – Modelo global da GM, fabricado nos cinco continentes, comercializado em 118 países e premiado pela mídia especializada. 


Esse é o Chevrolet Cruze, que acaba de atingir a marca de três milhões de unidades comercializadas no mundo, sendo quase 140 mil delas só no Brasil.

O modelo Chevrolet mais vendido do planeta superou seu último milhão de unidades vendidas em apenas 16 meses, o que mostra que a cada dia o produto encanta cada vez mais consumidores, sejam eles dos Estados Unidos, das Filipinas ou do Qatar.

"O Cruze é um clássico exemplo de produto global, pela sua capacidade de ser bem aceito nos mais diferentes mercados”, conta Alan Batey, vice-presidente executivo da Chevrolet.

Desde seu lançamento, em novembro de 2008, na Coréia do Sul, o modelo coleciona quase 200 prêmios relevantes pelo mundo. O mais recente deles foi recebido nesta semana em São Paulo.

Em “Os Campeões de 2014”, promovido pelo Jornal do Carro, o Cruze Sport6 foi eleito o veículo preferido dos leitores, por “ser muito bem equipado de série e ter excelente dirigibilidade”.

O Chevrolet foi desenvolvido na Alemanha e na Coreia do Sul. Dos primeiros esboços até a conclusão do projeto foram 27 meses, período considerado curto para os padrões da indústria automobilística.

“O segmento onde está inserido o Cruze vem registrando um forte crescimento, tanto em mercados emergentes como em países de economia mais madura, como os Estados Unidos, que passaram a buscar veículos mais compactos e com melhor consumo de combustível”, aponta o consultor Michelle Krebs, da AutoTrade.

Deu branco
Um dos diferenciais competitivos do modelo da Chevrolet é a estrutura reforçada e a ampla lista de equipamentos de segurança, como airbags laterais e controles eletrônicos de tração e estabilidade.

No mundo, o modelo é oferecido em três versões de carroceria: sedã, hatch e perua, essa última indisponível por aqui.

Outra curiosidade global é que a cor branca foi a de maior aceitação entre os donos de Cruze nos mais relevantes mercados, incluindo o brasileiro.

Veja onde estão distribuídas percentualmente as três milhões de unidades do “best-seller” da Chevrolet, por países:


China37.70%
EUA30%
Rússia6,5%
Brasil4,5%
Canadá4,1%
Coreia do Sul2,4%
México1,6%
Outros13,2%




JÁ ESTÃO À VENDA NO MERCADO NACIONAL PASTILHAS DE FREIO TMD/COBREQ PARA LAND ROVER, MERCEDES-BENZ, SSANGYONG, SUBARU E VOLKSWAGEN. VEJA NA MATÉRIA AS REFERÊNCIAS PARA CADA MODELO.



A TMD Friction do Brasil lançou no mercado de reposição nacional pastilhas de freio Cobreq (dianteiras e traseiras) para 45 veículos de diversos anos de produção da Toyota, Subaru, Land Rover, Mercedes-Benz, Volkswagen e Ssangyong.

Na Toyota, com a referência Cobreq N-1456, o lançamento abrange os freios dianteiros da Rav4 (foto) nas motorizações 2.0 16V, 2.2 16V, 2.4 16V, 2.5 16V e 3.5 16V. 


Já a referência N-1475 é para a pastilha traseira do Subaru Forester 2.0 16V, Forester 2.5 16V e Impreza 1.5 16V; e referência N-1477 para a pastilha dianteira do Forester 2.0 16V e 2.5 16V, Impreza 1.5 16V, Impreza 2.0 16V, Impreza WRX Turbo, Legacy 2.0, Legacy 2.5 e Ouback 2.5.

Nos Land Rover Discovery IV 2.7, 3.0 e 5.0, a N-1707, pastilha dianteira, é a referência Cobreq, a mesma dos Range Rover Sport 4x4 3.0, 3.6 e 5.0 V8.


Na Volkswagen o lançamento é da pastilha dianteira (referência N-745) e da traseira (referência N-746) do Crafter 5.0. 

Estas mesmas referências são para as pastilhas dianteiras e traseiras dos Mercedes-Benz, Sprinter 415, Sprinter Chassi 515, Sprinter Furgão 515 e Sprinter Van 515.

Os modelos Korando e Musso, da coreana Ssangyong, também fazem parte do lançamento de agosto da TMD Friction, com pastilhas de freio dianteiras (N-1700) e traseiras (N-11497) do Korando 2.3 D e 2.9 TD; e Musso 2.0 TD, Musso 2.3 TD e Musso 2.9 TDi.

VOLVO INAUGURA MAIS UMA CONCESSIONÁRIA DE CAMINHÕES E ÔNIBUS NO PAÍS. AGORA, EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, DO GRUPO LAPÔNIA.


O Grupo Lapônia, concessionário Volvo no interior de São Paulo, inaugurou uma nova concessionária de caminhões e ônibus em São José do Rio Preto, região Nordeste do estado. A nova casa é cinco vezes maior que a anterior e está localizada em um local de alto fluxo de veículos.

A Nova Lapônia está na BR 153, a Transbrasiliana, que corta o Brasil de Norte a Sul, numa posição estratégica, servindo de apoio numa das rodovias mais movimentadas do País.

A Transbrasiliana possui um fluxo intenso de caminhões que fazem o transporte de carga entre o Sul e o Norte do país. Circulam pela região bitrens e rodotrens com carga seca, além de caminhões utilizados para o transporte canavieiro.

A nova concessionária está instalada em uma área de 40 mil metros quadrados, com 7.500 metros de área construída. 

Com instalações modernas e oficinas especializadas, possui 12 boxes para funilaria, 25 para atendimentos mecânicos, e seis na central de Pit Stop, para troca rápida de óleo e filtros.

A casa conta com infraestrutura completa para oferecer conforto aos motoristas que passam pela região. 

Possui sala de descanso, refeitório com almoço gratuito, sala de jogos e computadores com acesso à internet, além de uma ampla área para estacionamento e manobras.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

QUEM DESEJAR VER E CONHECER O AUDI A4 AVANT 2.2, 1994 QUE PERTENCEU A AYRTON SENNA DEVERÁ DAR UMA PASSADA PELO AUDI LOUNGE SÃO PAULO, NA RUA ÓSCAR FREIRE, NO BAIRRO CERQUEIRA CÉSAR, ONDE O CARRO, COM MOTOR DE CINCO CILINDROS E 280 CV DE POTÊNCIA E IMAGINE 40,8 KGFM DE TORQUE, ESTÁ EXPOSTO ATÉ OUTUBRO.


São Paulo, 29 de agosto de 2014 - A perua esportiva Audi S4 Avant 1994 usada por Ayrton Senna está em exposição no Audi Lounge São Paulo, onde ficará até outubro. 


O carro que pertenceu ao tricampeão mundial, preservado por sua família, tem menos de cinco mil quilômetros no odômetro e mantém todas as características originais. 

Os detalhes do modelo também mostram um pouco da personalidade do piloto: a placa BSS-8855 é uma sigla para Beco – apelido de Senna - e a inicial de seus sobrenomes Senna e Silva.


A S4 Avant de Senna tem um comportamento excepcional na pista, principalmente nas arrancadas e retomadas proporcionadas pelo alto torque (40,8 kgfm) do motor de cinco cilindros e 20 válvulas, que tem potência máxima de 280 cv.

Tecnologicamente muito avançada para a época – vinte anos atrás – a S4 Avant de Ayrton Senna tinha suspensão esportiva e tração integral permanente quattro, itens que garantiam uma performance excepcional nas curvas.


Os visitantes do Audi Lounge terão a rara oportunidade de conhecer pessoalmente esse veículo histórico. 


Audi no Brasil
Ayrton Senna foi o primeiro importador oficial da Audi no Brasil. Os primeiros contatos do piloto com a marca dos quatro anéis e a assinatura do contrato ocorreram em 1993. 


O lançamento oficial no País aconteceu em abril de 1994, numa festa realizada num hangar da Varig no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo na segunda-feira seguinte à realização do GP do Brasil. 


Um dia após, na terça-feira, Senna apresentou os primeiros Audis importados aos jornalistas num evento no Autódromo de Interlagos.

Com o falecimento de Ayrton Senna em maio de 1994, no Autódromo de Ímola, na Itália, a operação iniciada pelo campeão foi mantida, com extremo sucesso, por seu irmão, Leonardo Senna, e demais sócios, consolidando a presença e a imagem da Audi no Brasil.

Audi Lounge São Paulo
Localizado na rua Oscar Freire, em São Paulo, reduto das marcas e lojas mais sofisticadas do País, o Audi Lounge é um espaço de 600 metros quadrados onde os visitantes podem vivenciar a marca Audi em inúmeros aspectos, conhecendo sua história e participando de experiências interativas. A Audi conta com espaços semelhantes em cidades como Berlim, Londres e Nova Iorque.


O Audi Lounge mantém em exposição alguns dos modelos mais exclusivos da marca. Também há mostras com acessórios originais para os veículos e itens da Audi Collection, que contam com a logomarca Audi estampada em itens como bonés, chaveiros, casacos e camisetas.

Na Memory Room, área dedicada a contar a história da marca por meio de experiências interativas e tecnológicas, uma linha do tempo montada em telas de LEDs detalha a trajetória dos 20 anos da Audi no Brasil, por meio de vídeos e imagens. 


Os mais de 100 anos de história da marca no mundo são mostrados num livro virtual. Um Painel Sensorial permite também que o visitante acesse galerias de imagens e vídeos e sinta, por exemplo, o ronco do motor do superesportivo R8.

O Audi Lounge fica na Rua Óscar Freire, 565, no bairro Cerqueira César, em São Paulo e fica aberto entre 10h e 19h, de terça-feira a domingo. Informações atualizadas sobre a programação do Lounge estão disponíveis no site www.audilounge.com.br.




RENAULT CONSTRÓI SEU MAIS PODEROSO CARRO DE GT E ENDURANCE. O SPORT R.S.01 TEM 500 CV E SUPERA OS 300 KM/H DE VELOCIDADE MÁXIMA. O EX-PILOTO DE F1 ALAN PROST CONSIDERA O RENAULT SPORT R.R. 01 "UM CARRO DE COMPETIÇÃO ESPETACULAR"


A Renault reafirma sua paixão pelo automobilismo de competição e constrói o Renault Sport R.S. 01, um veículo de competição de estilo espetacular e performance descomunal. 


Graças ao seu design, nascido no mundo dos carros conceito e ditado por uma carga excepcional de apoio aerodinâmico, o Renault Sport R.S. 01 exprime de forma radical o DNA esportivo da marca. 

Sua ficha técnica concentra o que há de melhor na expertise da Renault Sport instalado em um chassi monocoque construído em fibra de carbono com peso inferior a 1.100 kg e um motor com potência superior a 500 CV. Este propulsor permite ao Renault Sport R.S. 01 superar os 300 km/h. 

Em 2015 o novo modelo de competição da Renault Sport será uma das estrelas do campeonato World Series by Renault dentro do inédito Renault Sport Trophy, categoria que estará posicionada como antecâmera dos certames profissionais de GT e Endurance.



O Renault Sport R.S. 01 destaca o losango proeminente, verdadeira pedra angular da dianteira. 

A impressionante largura de 2.000 mm – contra a altura de 1.116 mm -, ganha ainda mais evidência pela assinatura dos faróis diurnos de LED que contornam as entradas de ar para refrigeração dos freios. 

Renault Sport R.S. 01 é um carro de corridas de conceito extraordinário, emblemático da paixão da Renault pelo automobilismo de competição. 

Graças ao entusiasmo de Laurens van der Acker e sua equipe, suas linhas espetaculares conseguem traduzir as ambições deste automóvel fora dos padrões. 

"Sob sua carroceria nós condensamos o que há de melhor na expertise da Renault Sport Technologies, o que permite obter desempenho do mais alto nível e capaz de mexer com o coração dos pilotos e do público. Se fosse possível resumir o conceito do Renault Sport R.S. 01 em poucas palavras eu diria que se trata do casamento entre a beleza do Renault DeZir e a perfomance do Fórmula Renault 3.5", revela Patrice Ratti, diretor-geral da Renault Sport Technologies

No centro da grade o ar é engolido e em seguida canalizado pela estrutura do chassi em direção aos dois radiadores de água. 



A saída deste fluxo é feita por extratores de ar colocados sob o capô. A depressão criada por esta solução contribui para aumentar o apoio aerodinâmico na dianteira do veículo. 

Uma lâmina imponente ajuda a alimentar o difusor inferior e um fundo plano completa a solução para o eixo dianteiro. 

Duas aletas situadas ao lado do painel gerador de vortex atenuam a turbulência gerada pela rotação das rodas.

"O Renault Sport R.S. 01 é um carro de competição espetacular, se encaixa no mais puro espírito de um GT e promete as mais belas sensações de pilotagem. Com suas características esportivas de alto nível, ele ilustra a riqueza do conhecimento da Renault Sport e sua capacidade de desenvolver veículos de competição que revelarão os futuros campeões de GT ou Endurance, na opinião do ex-piloto de F1 e embaixador da Renault para o automobilismo de competição, 
Alain Prost.

Perfil rebaixado e esculpido
O perfil rebaixado é característico de um GT com motor central traseiro e segue a tendência atual de entradas de ar projetadas nas laterais. 


A assimetria dos balanços é ditado pela arquitetura do veículo e pela otimização da repartição de massas.

A área envidraçada se estende até o aerofólio traseiro, num conjunto complementado por um capô em forma de flecha e que reforça este viés de design.

As curvas esculpidas do Renault Sport R.S. 01 enquadram-n
o  na filosofia do carro-conceito DeZir, modelo apresentado em 2010. 

Neste estudo preliminar o designer Akio Shimizu também se inspirou no Renault Estrela Cadente, modelo projetado para quebrar recordes de velocidade e que em 1956, na planície salgada de Boneville (EUA) superou os 300 km/h, em 1956.

O fluxo de ar canalizado pelo difusor inferior escoa pelos extratores posicionados após as rodas dianteiras. 

Esta solução garante ainda a melhor passagem de ar dos permutadores de calor, garantindo assim a refrigeração ideal dos turbo compressores.



Traseira potente
Além do aerofólio regulável, o difusor traseiro gravado com a inscrição Renault Sport R.S. 01 direciona o escoamento do ar que passa pelo fundo plano. 


Este dispositivo apresenta enorme vantagem de não gerar arrasto e, portanto, não prejudicar a velocidade de ponta.

Acima do difusor estão localizadas as saídas do escapamento duplo e os LEDs correspondentes à luz de freio, solução que complementa a assinatura original de iluminação notável em praticamente toda a largura do Renault Sport R.S. 01


Desempenho de um monoposto
A carga aerodinâmica gerada permite ao Renault Sport R.S. 01 obter desempenho excepcional, superior a modelos da categoria GT3 e próximos ao obtido com os veículos usados no DTM. 


Os índices dos coeficientes de deportancia (Cz) e arrasto (Cx) são similares aos gerados por um carro da Fórmula Renault 3.5, o monoposto de referência da World Series by Renault. Ao atingir sua velocidade de ponta, 300 km/h, este fórmula gera 1,7 toneladas de apoio.

Normas obedecidas
Supervisionada pelo engenheiro Christophe Chapelain³, a concepção do Renault Sport R.S. 01 é o resultado da colaboração com parceiros técnicos de referência.

A solução de um monocoque em fibra de carbono foi a escolha natural para atingir os objetivos em termos de peso e segurança. 


Assim como na Fórmula Renault 3,5, a empresa italiana Dallara foi encarregada de estudar e projetar o chassi. 

A "banheira", que inclui o tanque de combustível com capacidade para 150 litros, recebeu na parte superior um santantônio de aço. 

Na dianteira, uma estrutura deformável absorve a energia em caso de choque frontal e seu desenho em forma de arco ajuda na eficiência aerodinâmica do veículo. 

Outra estrutura deformável do tipo crash box foi fixada na caixa de câmbio repetindo a função da solução dianteira. 

O conjunto está concebido para atender às normas FIA LMP1 e garantir um alto índice de segurança.

Os dispositivos de segurança são completados por uma coluna de direção retrátil, um banco Sabelt do tipo concha e um cinto de segurança de seis pontos compatível com o sistema HANS®.




Torque máximo de 500 cv
Semiportante, o motor é fixado ao monocoque de fibra de carbono, sendo que os pontos superiores são ligados à gaiola do tipo santantônio.


Preparado pela Nismo, o V6 3.8 l biturbo é proveniente do Nissan GT-R. Em relação ao modelo de série a principal modificação é a utilização de um sistema de cárter seco para garantir a lubrificação em curvas longas. O gerenciamento eletrônico Pectel dispõe de função controle de tração.

A pressão do turbo está regulada para gerar potência superior a 500 CV e torque máximo de de 600 N.m. 


Isso permite ao Renault Sport R.S. 01 um desempenho situado entre carros das categorias GT3 e DTM.

Câmbio de sete velocidades
O motor Nismo está acoplado a uma caixa de câmbio longitudinal de sete velocidades fornecida pela Sadev. 


Sempre por uma questão de controle de custos, o mesmo jogo de relações de marcha será usado em todos os circuitos. No entanto, será possível ajustar a pré-carga aplicada no diferencial auto-blocante. 

O comando sequencial é ativado por alavancas de controle instaladas junto ao volante e gerenciadas por um atuador XAP eletromagnético. 

Desenvolvido especialmente pela ZF Race Engineering, a embreagem conta com um dispositivo que impede o motor de morrer e aumenta a vida útil do equipamento.



O comando sequencial é ativado por alavancas de controle instaladas junto ao volante e gerenciadas por um atuador XAP eletromagnético. 

Desenvolvido especialmente pela ZF Race Engineering, a embreagem conta com um dispositivo que impede o motor de morrer e aumenta a vida útil do equipamento.

Eficiência
Quando a essência da aderência é gerada pelo apoio aerodinâmico, a suspensão é projetada em função desse conceito. 


Tal qual nos carros esporte-protótipos, a arquitetura da suspensão utiliza a solução clássica de triângulos duplos, com bielas e amortecedores Öhlins. 

Reguláveis em compressão e expansão, eles estão instalados a cada canto da suspensão dianteira e, na traseira, longitudinalmente sobre a caixa de câmbio.

O sistema de freios combina discos de carbono de 380 mm de diamtero da PFC Brakes e pinças de seis pistões. 


Esta escolha permite um equilíbrio excelente em termos de eficiência e durabilidade. O Renault Sport R.S. 01 também está equipado com um sistema ABS Bosch Motorsport.

Parceira técnica da Renault Sport Technologies em todos os seus projetos de competição, a Michelin desenvolveu pneus com aro de 18 polegadas específicos para o Renault Sport R.S. 01. Eles são montados em rodas de desenho inédito fixadas por porca central.

Novidade de 2015
"O Renault Sport R.S. 01 é um produto que marca o início de uma nova linha, razão pela qual nós escolhemos esse nome para homenagear o primeiro Fórmula 1 construído pela Renault.

"Nós procuramos conceber o melhor carro de corrida com o objetivo de revelar os melhores talentos e preparar uma futura geração de pilotos. 


"O Renault Sport R.S. 01 é uma viatura de desempenho extraordinário e a World Series by Renault será seu habitat. 

"Partimos de uma folha em branco para planejar o campeonato Renault Sport Trophy, um certame atraente dentro do panorama atual do automobilismo esportivo. 

"Com equipes Pro-AM e um programa esportivo que mistura provas curta e longas, nos vamos criar uma passarela para as séries superiores", anunciou Patrice Ratti, diretor-geral da Renault Sport Technologies.

Após ter criado uma série de categorias de monopostos, a Renault Sport Technologies decidiu criar uma nova opção para carros « com teto
.

Posicionado entre as competições da Copa Clio e os campeonatos profissionais como o WEC, o DTM e o Super GT japonês, o Renault Sport Trophy será uma verdadeira vitrine destinada aos pilotos de referência e gentlemen drivers.

A temporada 2015 será aberta a 20 duplas "Pro-Am", classificadas de acordo com as regras do Campeonato Mundial de Resistência (WEC) da FIA. 


A cada etapa do World Series by Renault os competidores poderão maximizar seu tempo de pista participando de um verdadeiro campeonato monomarcas, o Renault Sports Trophy. 

Estão previstas mais de 4 horas de treinos por piloto e por carro, divididas pelos três dias de cada rodada.

O campeonato Renault Sport Trophy se beneficiará de toda a experiência da marca em matéria de organização de competições, com prioridade para a o equilíbrio técnico, ética esportiva e controle de custos. 


O conceito técnico do Renault Sport R.S. 01 permite prever uma revisão a cada duas temporadas e inclui também participação nos custos de desenvolvimento.

Passarela para Le Mans
Além dos bônus de chegada destinados aos melhores pilotos e equipes a cada rodada, a Renault Sport e seus parceiros irão contribuir com premiação atraente ao final do campeonato. 


Ao campeão na categoria Pro está reservada um programa completo de aperfeiçoamento (incluindo sessões de simulador, preparação física e media training), com vistas a um teste com a equipe oficial Nismo no campeonato Super GT do Japão. 

Se o piloto corresponder às qualidades requisitadas ele poderá seguir carreira em uma categoria extremamente competitiva.

Ao campeão « Am » está reservada outra premiação atraente: disputar as 24 Horas de Le Mans de 2016 ao volante de um protótipo LMP2.

115 anos de competição 
Engajada no automobilismo de competição há 115 anos, a Renault acumula vitórias nas provas e categorias mais prestigiosas, do Rally de Monte Carlo às 24 Horas de Le Mans, passando pela Fórmula 1, na qual conta com 12 títulos mundiais,


Precursora das fórmulas monomarca há mais de 40 anos, a Renault Sport até hoje conserva o status de referência no assunto.

Criada em 2005, a World Series by Renault reinventaram este gênero. O público não se engana: nada menos de 5,5 milhões de pessoas já responderam ao convite da marca do losango. 


Os eventos Free, Fast & Fun (Grátis, Rápido & Divertido) são baseados em uma base sólida :
- Campeonatos internacionais de alto nível : Fórmula Renault 3.5 Series, Eurocup Fórmula Renault 2.0 e Eurocup Clio,

- Demonstrações na pista, como o Infiniti Red Bull F1 Show e o Renault Classic Show,

- Atrações para toda a família (desafio do pit stop, simuladores de pilotagem, exposições, espaço infantil...),

- Ingresso totalmente grátis para o público, que tem acesso às arquibancadas e ao paddock,

- Cobertura de mídias importantes, com transmissão ao vivo de TV pela Eurosport e várias redes de diversos países.


FICHA TÉCNICA DO RENAULT SPORT R.S. 01

CHASSI
Tipo
 Monocoque Dallara construído em fibra de carbono, santântonio em aço
Segurança

 Monocoque, santântonio e elementos deformáveis de acordo com as normas FIA  LMP1 2014, coluna de direção retrátil, banco Sabelt norma FIA 8862/2009  
Carroceria
 Material compósito
Elementos aerodinâmicos

 Spoiler e difusor dianteiro, fundo chato, difusor e aerofólio traseiros
MOTOR
Tipo
 Nismo V6 - 24 válvulas – 3.799 cm3
Disposição
 Longitudinal central traseira
Alimentação
 Injeção direta – 2 turbocompressores
Potência máxima
 > 500 cv
Torque máximo
 > 600 N.m entre 3.200 a 5.800 rpm
Regime máximo
 6 800 rpm
Gerenciamento eletrônico
 Pectel SQ6M com controle de tração
Aquisição de dados
 Cosworth ICD Pro

TRANSMISSÃO
Tipo
 Propulsor
 Boîte de vitesses
 Sadev sequencial de 7 velocidades + marcha ré
Comando
 XAP semi-automático com borboletas junto ao volante
Diferencial
 De deslizamento limitado
Embreagem
 ZF Race Engineering de longa durabilidade e dispositivo anti travamento

RODAGEM E SUSPENSÃO
Suspensão
 Triangulos duplos superpostos + push rods
Amortecedores 
 Öhlins com duas vias de regulagem
Freios
 Discos de carbono PFC com 380 mm de diamtero, pinças de seis pistões e sistema  ABS Bosch
Direção
 Assistência hidráulica

RODAS E PNEUS
Rodas
 Braid com fixação central
Pneus
 Michelin 30/68 R18 (F) e 31/71 R18 (T)

DIMENSÕES PESOS E CAPACIDADES
Comprimento
 4710 mm
Largura
 2000 mm
Altura
 1116 mm
Entre eixos
 2744 mm
Bitolas dianteira / traseira
 1675 / 1624 mm
Tanque de combustível
 150 litros
Peso
 1100 kg

QUEM COMPRAR O NOVO UNO EVOLUTION 1.4, 2015 TERÁ NAS MÃOS O PRIMEIRO CARRO NACIONAL FLEX EQUIPADO COM O SISTEMA START & STOP, DE SÉRIE, QUE DESLIGA O MOTOR NAS PARADAS NOS SINAIS, POR EXEMPLO, NA POSIÇÃO DE PONTO MORTO. A FIAT ANUNCIA UMA REDUÇÃO DE CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DA ORDEM DOS 20% COM ESSE MODERNO SISTEMA.


Existente já nos carros de preços mais elevados o sistema Start & Stop - que liga e desliga o motor automaticamente, gerando uma economia de combustível em torno de 20% - virá de série no novo Fiat Uno Evolution 1.4, de 2015. O modelo começará a ser vendido na primeira quinzena de setembro.

A Fiat é a primeira montadora a instalar o Start & Stop num carro flex fabricado no Brasil e num modelo de preço à volta de R$ 35 mil.


O Start & Stop tem funcionamento intuitivo e muito simples, com controle totalmente eletrônico e inteligente: ao colocar o carro em porto morto, o sistema desliga o motor automaticamente. Para religá-lo basta pisar no pedal de embreagem e o motor é religado em 0,4 segundos. 

A Fiat pensou no item segurança ao instalar o Start & Stop no Uno Evolution, pois o sistema só funciona quando o motorista está com o cinto de segurança afivelado e não estiver com o pé na embreagem.

Quando o Star & Stop desliga o motor, o ar condicionado continua funcionando normalmente, mas se a parada for maior do que um minuto, o Start & Stop religa o motor automaticamente para que a bateria seja recarregada.


Já com o ar condicionado desligado, o Start & Stop só religa o motor após 2 minutos e 45 segundos. 

Porém, se o ar-condicionado for ligado durante a parada ou o freio de estacionamento for acionado, o sistema religa o motor automaticamente, também. 

O motorista pode desativar o Start-Stop a qualquer momento apertando um botão no painel ao lado do desembaçador.


Menos poluição
O sistema Star & Stop do Uno Evolution também reduz significativamente a emissão de gases e diminui o consumo em até 20% num carro que segundo testes feitos pelo INMETRO consegue percorrer 8,9 Km com um litro, e na cidade 10,5 Km com um litro na estrada, com etanol.

Além do Start & Stop, o Uno 2015 traz outras novidades, como o design externo mais moderno e um interior totalmente novo, com mais conforto e requinte a bordo.

Sua nova gama Uno chega com sete versões: as novas Attractive 1.0 e Evolution 1.4 Start&Stop, mais as versões Way 1.0 e 1.4 e a Sporting 1.4.

A elas somam-se as versões Vivace 1.0 de duas e de quatro portas, que mantêm a carroceria atual, mas já como linha 2015.



quinta-feira, 28 de agosto de 2014

VOLKSWAGEN LANÇA DOIS CARROS SIMULTANEAMENTE DEIXANDO BEM CLARA SUA INTENÇÃO DE CONQUISTAR MAIS ESPAÇO NO MERCADO. O FOX E A PICAPE SAVEIRO DE CABINE DUPLA. O FOX TEM UM LEQUE DE PREÇOS QUE VAI DE R$ 35.900 A R$ 63 MIL.


Alta Roda 

Nº 799 — 28/8/14

Fernando Calmon 



DIREITO DE ESCOLHA

Dois lançamentos no mesmo dia, do mesmo fabricante, é incomum, mas em mercado recessivo e de muita concorrência pode ocorrer, como aconteceu com o hatch de teto alto, Fox 2015, e a cabine dupla da picape compacta Saveiro (esta, na realidade, só chega às lojas em três semanas).

Comparar preços continua sendo missão difícil porque os carros vão ficando mais completos e caros, porém o que é acrescentado, em geral, tem repasse inferior ao custo real em razão da forte competição. 

O Fox com motor de 1 litro agora parte de R$ 35.900 (modelo 2014 custa apenas cerca de R$ 500 a menos, ar-condicionado também opcional), mas recebeu, além de uma atualização externa e interna inspirada no Golf, novos equipamentos como direção eletroassistida com volante regulável em altura e distância.

A estratégia da VW reposicionou o modelo para cima em razão do fim de produção do Polo, antes do final do ano. 

Explica, recursos antes indisponíveis, entre eles controle eletrônico de estabilidade/tração/partida em rampa, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, sistema de navegação com tela tátil e inédito farol de neblina com luz de conversão. 

Oferece, ainda, o novo motor 1.6 l/120 cv (etanol), de duplo comando multiválvulas, e câmbio de seis marchas, conjunto realmente bastante superior ao atual (ainda aplicado nas versões mais acessíveis). 

Em viagem de avaliação impressionou pela suavidade, respostas em baixos regimes e silêncio a bordo.

Com todos os opcionais possíveis um Fox supera os R$ 63.000. E daí? Representará apenas 1% ou 2% das vendas, se tanto, da mesma forma que bem poucos vão comprá-lo sem ar-condicionado. 

Antes havia um intervalo de no máximo 50% entre os preços das versões de entrada e de topo, na maioria dos modelos. 

Agora, pode ir além de 70%, o que indica direito de livre escolha do mercado. Na briga entre cabines duplas Saveiro versus Strada, a comparação é mais complicada. 

Acrescentar a terceira porta teve custo elevado para a Fiat, cuja versão de topo passa dos R$ 70.000, preço superior ao de picapes médias. 

Saveiro começa em R$ 47.500 e a versão Cross vai a R$ 63.000 (34% de diferença). 

Enquanto a Fiat pode ter motor mais potente (1,8 l/132 cv), a picape da VW é superior no uso fora de estrada, inclusive com freio ABS específico e controles de tração/partida em rampa/estabilidade. 

Seu bloqueio eletrônico do diferencial é muito mais eficaz nessas condições do que o sistema eletromecânico da rival, que obriga o motorista a parar e apertar um botão, além de inoperante acima de 20 km/h.

Apesar de a Strada ser mais larga externamente graças aos penduricalhos, ela é oito cm mais estreita no banco traseiro e foi homologada para apenas dois passageiros atrás. 

A Saveiro pode levar três, desde que sejam crianças ou pessoas de baixa estatura e não robustas. 

Tem pequena vantagem no espaço para joelhos e na inclinação do encosto do banco traseiro. 

Apesar de suas portas dianteiras maiores, é incomparável a facilidade de acesso da rival. A picape da VW peca por nem ao menos dispor de um conjunto corrediço nos bancos dianteiros. 

As caçambas de ambas apresentam o mesmo volume de 580 litros, mas o estepe da Saveiro é embutido.

Plano de manutenção da VW, a cada seis meses apenas, deixa seus produtos em desvantagem financeira frente aos concorrentes.

RODA VIVA

FORD pretende ampliar a faixa de atuação do Ka, antes mesmo da GM definir sua nova família de modelos de entrada. Há espaço abaixo de R$ 35.000 e acima de R$ 45.000. 

No segundo caso, com o motor de 1,6 l/130 cv do Fiesta ou de 1 litro/3 cilindros com turbo e injeção direta (EcoBoost), numa versão esportiva.

PAÍSES da América do Sul, fora do Mercosul, estão nos planos para aumentar as exportações brasileiras de veículos, hoje dependentes da Argentina. 

Exige acordos entre governos a fim de diminuir tarifas de importação. Para funcionar, o Brasil teria que importar mais rosas colombianas e bananas equatorianas, por exemplo.

SANDERO subiu alguns degraus em dirigibilidade, acabamento e estilo nessa nova geração. 

Por seu preço muito competitivo ainda deve em maciez de direção e comando do câmbio, mas espaço interno é referência no segmento. 

Motor de 1 litro/80 cv, pouco para seu porte, é econômico. O de 1,6 litro/106 cv demonstra melhor equilíbrio desempenho/consumo.

PEUGEOT 208 foi bem no teste de impacto frontal do Latin NCAP: quatro estrelas. Estruturalmente é igual ao modelo homônimo francês, mas o modo de pontuação continua discutível e baseado em premissas irreais para mercados de menor poder aquisitivo. Serve apenas como referência comparativa, pois Onix e Palio alcançaram três estrelas.

NESSA quinta fase de testes, a Latin NCAP divulgou relatório menos arrogante e adotou um tom professoral que soa falso. 

Em aferição de segurança infantil os critérios são ainda mais jogo para plateia. Na Europa, após vários questionamentos, há revisões em curso porque nem lá carros pequenos conseguem proteção infantil total.
____________________________________
fernando@calmon.jor.br e twitter.com/fernandocalmon

ATÉ 31 DE AGOSTO, ACONTECE EM POÇOS DE CALDAS O BLUE CLOUD, O MAIOR ENCONTRO DE CARROS DKW FABRICADOS NO BRASIL E O SEGUNDO MAIOR DO MUNDO. O EVENTO CONTA TAMBÉM COM DKAWISTAS DO URUGUAI E ARGENTINA, TEM O APOIO DA AUDI E REÚNE 150 DOS VARIADOS MODELOS DA MARCA ALEMÃ QUE FEZ SUCESSO NO PAÍS ENTRE 1956 E 1967, QUANDO A DKW FOI COMPRADA PELA VOLKSWAGEN.


São Paulo, 28 de agosto de 2014 - A Audi está patrocinando a edição deste ano do Blue Cloud, encontro anual que, desde 2003, reúne aficionados brasileiros da marca DKW, que esteve presente no mercado brasileiro entre 1956 e 1967. 

O evento acontece até 31 de agosto, no Palace Hotel, em Poços de Caldas, MG, com a presença de cerca de 150 carros, de vários modelos, além de ex-pilotos, dirigentes e funcionários da Vemag, fabricante da marca no Brasil.

DKW Junior, Baujahr 1960, Kommern

A DKW é considerada uma marca irmã da Audi, constituindo a Auto Union junto com a Horch e a Wanderer, um grupo alemão de fabricantes de automóveis criado em 1932 que tinha como símbolo as quatro argolas que hoje identificam os carros da Audi, única remanescente da sociedade.

Tecnologia diferenciada
Caracterizada pelo uso pioneiro da tração dianteira e pelo motor de dois tempos, a DKW foi a primeira marca de automóveis produzida no Brasil, onde chegou por iniciativa do grupo Vemag – Veículos e Máquinas Agrícolas – em 1956. 


O primeiro DKW brasileiro foi a Universal, uma perua de duas portas, fabricado no bairro do Ipiranga, em São Paulo.


A Vemag produziu no País os DKWs Belcar (sedã), a perua Vemaguet, o jipe Candango e o cupê Fissore, este uma elegante versão de luxo que só foi fabricada no Brasil. 


A mecânica DKW foi utilizada na época também no GT Malzoni, esportivo que fez sucesso nas provas automobilísticas da década de 1960 e a versão que o sucedeu, o Puma DKW.


A tecnologia diferenciada da marca era defendida entusiasticamente por seus proprietários na época, quando predominavam os carros com tração traseira e motores quatro tempos. 


O nome Blue Cloud (nuvem azul) tem origem na característica cor da fumaça do escapamento dos DKWs, cujo motor de dois tempos era lubrificado por óleo queimado junto com a gasolina.


DKW tinha o câmbio atrás do volante

Brasil teve modelos exclusivos
A fabricação do DKW no Brasil parou em 1967, após a compra da Auto Union pelo Grupo Volkswagen, aquisição que resultou nos primeiros carros da marca VW com tração dianteira. 


O primeiro modelo moderno da Audi, da década de 1960, derivou do DKW F 102 (foto), último carro desenvolvido pela Auto Union antes da aquisição. 


O museu da Audi, na Alemanha, conta com três exemplares do DKW, fabricados exclusivamente no Brasil, um Fissore (foto), um Malzoni e o Belcar 1967, com design desenvolvido no País.


O Blue Cloud é a segunda maior reunião de fãs da DKW no mundo, perdendo apenas para evento similar, realizado na Alemanha, que também conta com o apoio da Audi. 

Além da exposição dos carros, o Blue Cloud inclui palestras e feira de peças. O evento deste ano deverá contar também com a presença de aficionados vindos do Uruguai e da Argentina, onde a marca também desfrutou de grande popularidade nas décadas de 1950 e 60.


ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.