sábado, 30 de abril de 2016

UM ANO DE POLO AUTOMOTIVO JEEP, APESAR DA CRISE REGISTRA DESEMPENHO EM RITMO ACELERADO. DO RENEGADE E O TORO


Um ano após sua inauguração, o Polo Automotivo Jeep, em Goiana, Pernambuco, continua em ritmo acelerado de evolução.
 







Os investimentos da FCA avançam no desenvolvimento contínuo dos seus profissionais e na consolidação do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e Engenharia Automotiva.
 


A primeira pista do Campo de Provas localizado no perímetro do Polo Automotivo está em fase final de implantação e será fundamental para o desenvolvimento de novos veículos FCA em menor tempo e com maior precisão, sendo estratégica para o aprimoramento de novos modelos.
O mais moderno e eficiente complexo produtivo da FCA – Fiat Chrysler Automobiles também celebra a conquista de importantes resultados operacionais. 



No polo são produzidos carros com altos índices de nacionalização de conteúdo e que são referências em qualidade e sucesso de vendas – o Jeep Renegade e o Fiat Toro.

Além disso, a gestão de pessoas desenvolveu um programa modelo de formação de jovens líderes, que vão assumindo postos de comando na fábrica.

“Desde sua concepção, o Polo Automotivo Jeep é uma referência para a indústria automotiva e é parte fundamental da estratégica global da FCA”, afirma o presidente da FCA para a América Latina, Stefan Ketter. 


“Desenvolvemos pessoas e processos em tempo recorde, concebemos produtos que mudaram o mercado e conquistamos os melhores níveis de produtividade, eficiência e qualidade”, reforça.

Produtos de sucesso
Os modelos produzidos no Polo Automotivo Jeep são sucesso de vendas e quebraram diversos paradigmas de mercado. 



Após um ano de comercialização, o Jeep Renegade já acumula cerca de 60 mil unidades vendidas no País, distribuídas através de uma rede de 194 concessionárias no território nacional. 

Tal desempenho colocou a Jeep na nona posição do ranking de marcas de automóveis e comerciais leves no primeiro trimestre deste ano, com 2,91% de participação de mercado.

O Renegade quebrou ainda o recorde de vendas em um único mês para um SUV em dezembro do ano passado, quando foram emplacados 6.976 veículos. 


Nesse mesmo mês, o market share do Renegade alcançou 3,2% do mercado total brasileiro.


Já o Fiat Toro, em seu primeiro mês completo de vendas, alcançou a terceira posição entre as picapes mais vendidas no Brasil, com 3.080 unidades comercializadas em março. 

Até o momento, o Fiat Toro já se posiciona como segundo comercial leve mais vendido do Brasil, atrás apenas da Fiat Strada.

Desenvolvimento pessoal
Jovens gestores que foram capacitados dentro da planta Jeep e com média de idade de 28 anos já comandam a fábrica mais moderna e eficiente da FCA no mundo. 


O processo ágil de formação de novos gestores é fruto do Plano de Sucessão idealizado e implementado para o Polo Automotivo Jeep. 

Esses jovens talentos assumiram funções estratégicas - de gerentes de unidades produtivas, supervisores de áreas e líderes de equipes - em menos da metade do tempo registrado tradicionalmente no Grupo FCA.


Uma das histórias de desenvolvimento pessoal e profissional é a do pernambucano e engenheiro mecatrônico Renato Afonso, de 26 anos. 

Ele ingressou em novembro de 2013 no projeto. Passou pelo treinamento em fábricas de referência da FCA na Itália (Pomigliano e Melfi) e assumiu o cargo de especialista de manutenção da unidade de Funilaria da planta Jeep quando retornou a Pernambuco. 

Sua carreira evoluiu rapidamente e, por conta da experiência com o treinamento de pessoas, análise de desempenho de máquinas e equipamentos de última geração e a entrega de resultados, especialmente no aumento da eficiência nos processos, Renato alcançou um cargo estratégico na fábrica: coordenador de World Class Manufacturing (WCM), o sistema de produção desenvolvido e adotado em todas as plantas FCA no mundo. 

Sob sua responsabilidade está o acompanhamento da evolução contínua dos indicadores produtivos e o gerenciamento da expansão dessa cultura corporativa para todo o time FCA.


Thiego Oliveira, 31 anos, engenheiro de TI, é outro exemplo da jornada de desenvolvimento profissional implementada no Polo Automotivo Jeep. 

Ele coordena hoje uma área estratégica na fábrica de automóveis: sob sua responsabilidade está o funcionamento do New Plant Landscape (NPL), sistema integrado no qual o carro é mapeado em cada ponto da linha de produção, com a finalidade de reduzir a ocorrência de erros e funcionar como interface em tempo real entre profissionais e unidade produtiva. 

Thiego é da segunda turma de contratados do Polo Automotivo Jeep, tendo ingressado no Polo em fevereiro de 2013.

Após treinamentos em Betim (MG), teve a oportunidade de trabalhar na implantação do NPL na planta de Melfi, Itália. 


Aprendeu processos e a nova língua para assumir na fábrica italiana a função de multiplicador de conhecimentos para os novos funcionários de Melfi. 

Só então retornou a Goiana, em 2014, com toda essa experiência acumulada, para finalizar a implantação do NPL no Polo Automotivo Jeep e ascender a coordenador de TI, à frente de um time de 14 profissionais FCA.

Outro destaque é que, dentro do sistema WCM, o desenvolvimento de pessoas levou o Polo Automotivo Jeep a ser uma referência - primeiro na América Latina e, logo em seguida, no mundo. 


Os profissionais do Polo alcançaram os melhores níveis de aprendizado da metodologia WCM, de conhecimentos técnicos e de conteúdos de liderança.


São os team leaders, que lideram a célula básica de produção, formada por seis trabalhadores, e que comandam de perto o dia a dia da fábrica Jeep. 

Os líderes de equipe recebem qualificação específica para o desenvolvimento de suas competências. 

Eles participam de um projeto pioneiro no grupo FCA: a Academia de Líderes. 

Todos passam por 13 módulos de qualificação em liderança que abordam os processos internos da empresa de gestão de pessoas. 

O projeto, por conta dos bons resultados alcançados, será exportado para as demais plantas do grupo no mundo.

Resultados operacionais
Entre fevereiro de 2015, mês que marcou o início de sua produção comercial, e a primeira quinzena de abril de 2016, o Polo Automotivo Jeep fabricou cerca de 84 mil carros. 


Atualmente, o ritmo de produção é de 45 veículos por hora, o que representa entre 450 e 480 unidades por dia, sendo, em média, 50% de Jeep Renegade e 50% de Fiat Toro. 

O desempenho confirma na prática uma das principais premissas do Polo: a flexibilidade para produzir mais de um modelo simultaneamente.

Cada uma das áreas operacionais alcançou resultados expressivos no primeiro ano de operação. 


A área de Prensas, coração da planta Jeep, na qual o aço ganha a forma dos veículos, registrou o maior índice de eficiência produtiva em linhas de estampagem do tipo HTL dentro do Grupo FCA. 

A Funilaria se tornou referência na América Latina em índices de qualidade de processos e hoje é uma das unidades-modelo do Grupo FCA. 

Os resultados foram alcançados em meio à escalada de produção de dois veículos diferentes.


Em apenas um ano, a área Pintura apresentou parâmetros de qualidade comparáveis às unidades semelhantes das melhores plantas FCA do mundo, que estão em operação há muito mais tempo. 


Além disso, na análise dos consumidores do Jeep Renegade, a pintura dos veículos foi o item melhor avaliado. 

Com o conceito de ciclo compacto e sistema Primerless, o Polo Automotivo Jeep entrega ao cliente o melhor resultado com menos emissões, menos consumo de energia e redução no uso da água. 

Na área de Montagem, o principal avanço foi o aumento de 30% na produtividade nos últimos doze meses. 

A evolução ocorreu também em um momento crucial, com a produção simultânea de dois modelos.

Quanto aos índices de Qualidade, o Polo Automotivo Jeep alcançou os melhores resultados para lançamento de um novo veículo - o Renegade - na história da FCA. 


Não à toa, o modelo foi eleito Carro do Ano 2016 e registrou, por duas vezes, a maior pontuação no Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe (Latin NCAP), que avalia a segurança oferecida pelo veículo a seus ocupantes. 

E o Fiat Toro, em três meses de produção apenas, caminha para atingir os mesmos índices internos do Renegade, com o diferencial de ser um modelo completamente novo na gama de veículos da FCA.

Referência em integração com os fornecedoresAlém de estar no mesmo perímetro industrial, o Parque de Fornecedores do Polo Automotivo Jeep conta com um modelo de gestão que amplia a sinergia entre as empresas e a troca de experiências, soluções e parceria para resolução de problemas. 


Dessa forma, além de alcançar índices de nacionalização inéditos para complexos produtivos com apenas um ano de operação - de 80%, sendo 40% oriundos do Parque de Fornecedores - esse novo modelo de gestão garante maior qualidade para os veículos produzidos.

Conhecido como SIM (Suppliers Integration Model), o modelo será exportado para outras plantas FCA no mundo, com implantação já iniciada na fábrica Fiat de Betim (MG). 


A próxima fábrica a receber o SIM será unidade de Córdoba, na Argentina.

O FCA está focada em atrair para seu entorno fornecedores estratégicos, aumentando a “pernambucanização” de sua cadeia produtiva. 


As operações do Polo Automotivo Jeep geraram condições para a criação de condomínios industriais, logísticos, comerciais e de serviços na região. 

Dois parques de fornecedores externos, que serão instalados em um raio de até 20 quilômetros do Polo, já atraíram 18 empresas que integram a cadeia automotiva. 

Cada uma delas negociará diretamente com os empreendedores dos condomínios, buscando as melhores condições para seu negócio.

Gestão ambiental
O Polo Automotivo Jeep nasceu com as mais avançadas políticas de gestão ambiental. 


Com menos de um ano de operação, as práticas de baixo impacto ambiental e de resgate da biodiversidade local já são reconhecidas internacionalmente, através da conquista do selo ISO 14001 em Sistema de Gestão Ambiental (SGA). 

Tal certificação comprova que todo o processo produtivo é realizado com grande respeito às questões ambientais. 

A avaliação levou em consideração a totalidade dos conceitos sustentáveis adotados pelo Polo.

Um projeto inovador é o Programa de Biodiversidade Nosso Verde. 

Em desenvolvimento desde junho de 2014, envolve quatro etapas: pesquisa histórica sobre a flora secular da Zona da Mata Norte pernambucana, promovendo o resgate da biodiversidade local; levantamento técnico da fauna e flora existentes nos dias atuais e compatível para plantio; execução do paisagismo do Polo Automotivo; e construção de um viveiro com capacidade de produção de 22 mil mudas a cada três meses.

Ao todo, serão plantadas 208 mil mudas de mais de 250 espécies nativas da Mata Atlântica, das quais 25 ameaçadas de extinção, em 440 hectares de área verde. 


No primeiro ano já foram plantadas mais de 38 mil mudas, com destaque para a Apeiba albiflora (Pau-de-jangada), Caesalpinia (Pau-ferro) e Parkia pendula (Visgueiro). Atualmente, o viveiro de mudas conta com mais de 40 mil unidades.

Para dar uma destinação realmente sustentável aos resíduos gerados pelas áreas industrial e administrativa, o Polo Automotivo Jeep implantou uma Ilha Ecológica, cuja operação foi fundamental para a conquista neste primeiro ano de operações de um objetivo ousado: o Aterro Zero, que significa reciclabilidade e reaproveitamento total dos resíduos e nada de descarte no Polo. 


Para tanto, foram formados e contratados 21 fornecedores locais que recebem os materiais e agregam valor a partir do reaproveitamento.

A Ilha Ecológica ocupa uma área de 3 mil metros quadrados, na qual se promove a identificação e segregação final de todos os resíduos. 


A unidade é dividida em áreas exclusivas para papel/papelão, plástico, metal, isopor, entre outros. 

Todo o processo inclui pesagem, triagem e armazenagem correta dos materiais classificados como recicláveis, reutilizáveis e perigosos.

No uso eficiente de recursos hídricos, a operação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) é destaque, com capacidade para promover o recírculo de 98% da água em um sistema próprio. São utilizadas duas tecnologias: Membranas (MBR) e Osmose Reversa. 


É o maior complexo de tratamento de efluentes líquidos em capacidade e tecnologia do Nordeste.

Construção de legados

A FCA, Prefeitura de Igarassu, Instituto de Co-Responsabilidade pela Educação (ICE) e Instituto Qualidade no Ensino (IQE) têm firmado o compromisso de trabalharem em conjunto para melhorar o ensino público do município e contribuir para a criação de novas perspectivas de vida para as crianças e jovens de Igarassu. 


O termo de cooperação técnica assinado em dezembro de 2014 prevê a atuação focada em duas frentes: qualificação dos docentes e gestores e implantação do modelo de Ensino em Tempo Integral.

O primeiro programa, o Qualiescola, em parceria com o IQE, já promoveu a capacitação de cerca de 220 gestores e professores, focando nos conteúdos de matemática e português. 


A meta é qualificar cerca de 700 profissionais da rede municipal de ensino. Ao todo, quase 7 mil alunos de 43 escolas do município são beneficiados a cada ano pelo programa. 

Com relação ao desempenho, 72% das escolas de 3º ao 5º ano do Ensino Fundamental apresentaram melhoria no desempenho: as médias gerais registraram um crescimento de 12% em 2015, na comparação com as médias anteriores à implantação do programa.

Pioneiro na cidade de Igarassu, o programa de implementação de Ensino em Tempo Integral possui uma primeira escola em funcionamento, o Centro de Educação Integral de Igarassu Professora Cecília Maria Vaz Curado Ribeiro. 


O programa ainda é amparado por uma lei aprovada na Câmara de Vereadores, prevendo uma possível ampliação nos próximos anos. Para esse programa, a FCA formou parceria com o ICE.

Em 2015, a FCA empreendeu ainda uma oficina de capacitação para 10 grupos culturais da Zona da Mata Norte – maracatus, escolas de samba e caboclinhos. 


Foram três encontros com o objetivo principal de qualificá-los em gestão administrativa e contribuir para que eles se estruturem internamente e ampliem suas participações em editais de incentivo e contratações por órgãos públicos. 

Para 2016, estão programados outros dois workshops, voltados para capacitação jurídica e contábil.

As ações sociais do Polo Automotivo Jeep tiveram início ainda nas etapas de construção civil e na instalação de equipamentos e contaram com a participação de empresas prestadoras de serviços. 


Dentre as iniciativas empreendidas, destacam-se a construção de uma Casa de Passagem em Goiana, com capacidade para acolher até 40 crianças em situação de vulnerabilidade social.

E a reforma completa da creche Projecarmo, que hoje atende outras 60 crianças na comunidade da Empoeira, também em Goiana.

Números do Polo Automotivo Jeep:
:: 2,8 mil profissionais Jeep;

:: 4,3 mil no Parque de Fornecedores;

:: 8 mil trabalhadores em todo o Polo (incluindo funcionários das empresas prestadoras de serviço);

:: 84 mil veículos produzidos entre fevereiro de 2015 e a primeira quinzena de abril de 2016;

:: 45 carros por hora;

:: 80% de conteúdo nacional, sendo 40% das empresas que compõem o Parque de Fornecedores;

:: 700 robôs;

:: 28 anos é a média de idade dos gestores e líderes da fábrica Jeep;

:: 250 mil veículos é a capacidade anual de produção do Polo Automotivo Jeep;

:: 15 mil melhores práticas do Grupo FCA foram reunidas no Polo;

:: 260 mil metros quadrados de área construída na planta Jeep;

:: 270 mil metros quadrados de área construída no Parque de Fornecedores.

VOLKSWAGEN REALIZA PROMOÇÃO DE REVISÕES PLANEJADAS QUE GARANTEM DESCONTOS DE 37% A 64% PARA OS MODELOS GOL, VOYAGE E SAVEIRO. O PACOTE COM QUATRO REVISÕES PREVENTIVAS CUSTA R$ 999,00 E PODE SER ADQUIRIDO NO MOMENTO DA COMPRA DO CARRO À VISTA OU A INCLUÍDO NAS PARCELAS DO FINANCIAMENTO, CLARO, DO BANCO VW



A Volkswagen do Brasil está oferecendo, em toda a Rede de Concessionárias da marca, uma promoção imperdível para Gol, Voyage e Saveiro. 

A oferta faz parte do programa “Revisões Planejadas Volkswagen”, que oferece aos clientes um pacote com quatro manutenções preventivas para os três modelos pelo valor de R$ 999.

O pacote pode ser adquirido no momento da compra do veículo, com pagamento à vista ou diluído nas parcelas do financiamento por meio do Banco Volkswagen, independentemente da quantidade de meses negociada na concessionária. 

A oferta proporciona um desconto que varia de 37% a 64% ao cliente da marca.

O programa “Revisões Planejadas” é o modo mais fácil, eficiente e seguro de manter as revisões do veículo Volkswagen em dia. 

Ao adquirir o plano, o cliente paga o preço vigente pelo pacote de manutenções no momento da compra e, em casos de aumentos de preços ou inflação, o valor pago não será corrigido.

O pacote oferece todos os itens previstos nas revisões preventivas (exemplos: óleo do motor, filtro de óleo, filtro de combustível, elemento do filtro de ar e filtro de poeira e pólen), conforme informado no manual do veículo, além da mão de obra e fluido de freio, que são considerados no pacote. 


Itens de desgaste natural (exemplos: pastilha de freio, disco de freio, vela de ignição e correias), assim como sua substituição ou serviços adicionais, não estão inclusos, ficando sujeitos à aprovação prévia do orçamento pelo cliente.

Além de proteger o cliente contra a variação de preços e inflação, as Revisões Planejadas Volkswagen oferecem uma série de benefícios.

Vantagens

• Custos previsíveis: O cliente paga as parcelas da manutenção à vista ou com as parcelas do financiamento do veículo e sabe antecipadamente quanto vai desembolsar;

• Planejamento das revisões para manter a garantia: Para manter a garantia de fábrica, o cliente deve fazer as revisões de seu veículo em concessionárias autorizadas durante o período da garantia;

• Valorização do preço de revenda: As manutenções são atreladas ao veículo e não ao proprietário. 


Portanto, se o cliente revender seu carro antes de realizar todas as revisões do pacote, o próximo proprietário poderá fazê-las, podendo aumentar o valor de revenda do veículo;

• Uso de peças originais Volkswagen: Ao realizar as revisões na Rede de Concessionárias, o cliente terá a garantia de uso das peças originais;

• Lembrete e Agendamento das Revisões: A Central de Atendimento envia SMS e/ou e-mail para o cliente para lembrar da revisão e ele retorna o contato para realizar o agendamento.

Fazer as revisões do automóvel é necessário por vários motivos, entre eles manter a sua garantia, aumentar a vida útil do veículo e segurança do condutor no trânsito, reduzir os custos com manutenção, gerar economia de combustível, melhor negociação no momento de revenda do automóvel, entre outras vantagens.

Volkswagen#vale

A Volkswagen sabe que o melhor é não correr riscos ao investir e respeita o dinheiro do brasileiro. 


Por isso, a marca lançou em 2015 a campanha “volkswagen#vale”, que reforça a tecnologia, a qualidade, a segurança e o melhor custo-benefício dos carros que a empresa fabrica. 

A campanha integrada destaca que é importante o cliente fazer o seu dinheiro valer mais investindo em carros que tenham motores eficientes, com três anos de garantia total, baixo custo de manutenção, ótimo valor de revenda e com a maior Rede de Concessionárias do País, como os veículos da marca Volkswagen.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

ZOTYE SERÁ A SEGUNDA MARCA CHINESA A PRODUZIR CARROS NA BAHIA, A OUTRA É A JAC MOTORS. OS PREÇOS JÁ FORAM ANUNCIADOS: OS PREÇOS VÃO DE R$ 35 MIL A R$ 50 MIL



Coluna Nº 1.816 - 28 de Abril de 2016
____________________________________


Ilustração planta Zoyte (divulgação Zoyte)


Zotye outra marca goiana

Chinesa Zotye aparentemente fincou pé no Brasil. Após adquirir a TAC, fabricante dos jipes Stark, no Ceará, acertou-se com o governo de Goiás e assinou termo de implantação, em Goianésia, a 170 km de distância de Goiânia e 200 km de Brasília. 


Instalação seria em Colatina, ES, ou Sobral, CE, e Carlos Eduardo Barbosa, diretor, justificou mudança: governo de Goiás foi mais rápido.

A ideia é implantar fábrica, em terreno de 120 mil m2, com 28 mil m2 cobertos, acreditando iniciar operações em 2018. Junto, outra fábrica das partes para os modelos elétricos. 


Até lá, alugar grandes galpões para iniciar o processo de montagem CKD, formando veículos a partir da importação de conjuntos desmontados. 

Projeto para 2018, em instalações próprias, é de quantidade próxima a 20 mil/ano, com sonhos de exportação à América Latina – mas é coisa lenta, exigindo atingir o percentual de 60% em peças Mercosul.

Processo assemelhado ao prometido pelo empresário Sérgio Habib para viabilizar a tormentosa JAC: rompida a sociedade com os chineses, tocar o negócio sozinho e, enquanto constrói, aluga instalações para montar veículos trazidos em partes da China.

Mescla

Z 100 (divulgação Zoyte)



Segundo Cadu Barbosa, os primeiros produtos serão o compacto Z100, em versões com motor por combustão interna, tricilíndrico 1.0, e elétrico. 


Junto, utilitário esportivo T600, com motor 1,5 litro e turbo. Concorrentes indicam preços de R$ 35 mil para o compacto com motor Otto; R$ 40 mil tração elétrica; e de R$ 50 mil pelo utilitário esportivo.


T600 (divulgação Zoyte)


Paralelamente, definição sobre a TAC, de produção suspensa para mudanças no jipe Stark, aplicação de sistema ABS nos freios e alterações visuais marcando modelia e a nova controladora acionária. 

É indefinida a permanência em Sobral, CE, ou a transferência para Goianésia. A TAC – Tecnologia Automotiva Catarinense - iniciou, em Santa Catarina, mudou-se para o Ceará e, indo para Goiás, corre o risco de alterar o nome para TAG.

Se a Zoyte efetivamente se implantar em Goiás, será a quarta marca no estado. Hoje, há Mitsubishi e Suzuki, em Catalão, e CAOA/Hyundai em Anápolis. 


Outras duas outras marcas chinesas, dizem, irão para Hidrolândia, próximo à capital e para Luziânia, a 50 km de Brasília.

Megale preside Anfavea
Engenheiro mecânico, mineiro, maneiroso, experiente em montadoras de várias nacionalidades e diretor de Assuntos Governamentais da Volkswagen, Antônio Megale sentar-se-á por três anos na cadeira de presidente da Associação e do Sindicato dos fabricantes de veículos – Anfavea e Sinfavea.


A habilidade de tato em mesclar o raciocínio cartesiano de engenheiro, com o conduzir o relacionamento da marca junto ao diversificado público governamental será muito exigida. 


A atividade de fazer e vender veículos é, ao lado da extinção de empregos e da disparada da dívida pública, a de maiores perdas. 

Experiência importante, momento desafiante, em instigar, sugerir, participar das propostas para deter queda de vendas e de emprego, em abrir novos mercados estrangeiros, fomentar o crescimento. No Brasil, a indústria automobilística é a face econômica.

Mineiramente modesto, Megale simplifica a principal agenda da Anfavea: garantir com o governo um mínimo de previsibilidade para o setor.


Luiz Moan, economista, antecessor, houve-se bem no período de crise para a qual se espera deter a queda e estabilizar números.


Aqui, o Kicks
Lançamento da Nissan, baseado na plataforma comum empregada para March e Versa, foi fotografado no Rio de Janeiro para campanha de lançamento. Á imprensa será mostrado estaticamente próximo dia 2.

Modelo empregado é mexicano, trazido para cumprir compromissos atrelados ao patrocínio dos Jogos Olímpicos, quando disponibilizará enorme frota à organização, e aproveitar a intensa exposição para obter massiva divulgação.

Produção local atrasou, e por isto além das unidades trazidas para a apresentação, primeira série será de Kicks importados do México. Até o final do ano há expectativa de acertos com os fornecedores locais.

Versão superior, na foto, motor 1,6 litro, 110/111 cv e transmissão CVT – automática por polias variáveis.

Roda-a-Roda

Petróleo – Caça aos automotores como entes poluidores e o surgimento de veículos híbridos e elétricos, instaram Shell a reagir por seu Carro Conceito.

Time
– Focou aerodinâmica e baixo atrito no motor, comandado por Gordon Murray, ex-projetista da MacLaren e Osamu Goto, ex-engenheiro chefe da equipe Honda em Fórmula 1. 

Pesa 540 kg, leva três pessoas – motorista à frente, dois atrás -, e a frente bascula. Parece a evolução do Isetta feito pela Romi no Brasíl entre 1956 e 1961.

Recorde – Motor 3 cilindros, 660 cm3, cravou 47,2 km/litro a 70 km/h, de média. Não entrará em produção, servindo para mostrar o desenvolvimento de tecnologia de construção e lubrificantes para motores com ignição a centelha.
Carro Conceito Shell (divulgação Shell)

Mais uma – Matriz japonesa Mitsubishi Motors Corporation admitiu ter manipulado dados de consumo de seus produtos. Coisa antiga, multas novas.

Ocasião – No grupo operação automóveis é pequena, e o problema e seus custos podem pavimentar o caminho para ligar-se à interessada FCA – Fiat e Chrysler. Última tentativa, com a Ford, foi rechaçada.


Dieselgate – Parte da solução das emissões poluentes de seus motores diesel acima das normas legais, Volkswagen anunciou disposição de comprar quase meio milhão de unidades circulando nos EUA.

Mais - Integra acordo em tribunal da Califórnia. Donos, pretendendo ficar com os carros, te-los-ão corrigidos nas regras de emissões. Acordo inclui recursos para pesquisas em tecnologia automotiva. 


Marca informou, projeta custos no processo de adequação às normas legais, até agora, 18,2 bilhões de euros.

Embalo – Na questão, governo alemão determinou a VW, Opel, Audi, Porsche e Mercedes-Benz façam recall para 630 mil veículos para conferir e consertar eventuais emissões acima do padrão. BMW foi excetuada.

Autoridade – Enrique Alemañy, presidente da Ford Argentina, tomou posse na presidência da ADEFA, associação dos fabricantes de veículos no vizinho país. 


Conta própria – Confirmou queda do mercado interno e não ver perspectivas para recuperação do Brasil, estimando nossa produção 2016 em 2,2 milhões de veículos. 


Discurso bolivariano, mesmo de D. Dilma, D. Kirchner e do Sr. Maduro: problemas internos têm causas externas.

Sine die – Jaguar Land Rover adiou inauguração de instalações industriais em Itaiaia, RJ, antes prevista para estes dias. 


Rótulo oficial, compatibilizar agendas. Na prática não sabem a quem do governo federal convidar.

Cruze – Vestido para confundir, unidade do Cruze, próximo lançamento da GM, circula em São Caetano do Sul, SP, sede da GM. Será lançado, de 3 a 5 de maio, na Argentina, onde produzido. Depois, Brasil, mercado maior.

Cruze em SJC. (Foto Gilberto Gardesani)

Disputa – Última semana do mês com briga afiada entre Hyundai e GM para ter o carro mais vendido no mercado. Pré-feriado HB20 liderava com 6.500 unidades, 5% sobre GM Onix.

Negócio – FCA, de Fiat, Chrysler e Jeep, através de sua marca de peças Mopar distribuirá óleos lubrificantes Shell. Terão marca diversa: MaxPro.

Festa – DAF, de caminhões, festeja milésima unidade, o XF105, na fábrica de Ponta Grossa, PR. Velocidade reduzida, montagem começou, em 2013. 


Não é chinesa, mas original da Holanda e ora controlada dos EUA pela Paccar, detentora das marcas Kenworth e Peterbilt.

Caminhos – BMW de motos trata com delicadeza construção de fábrica própria na Zona Franca de Manaus. 
Assunto surgiu no EICMA, o salão da moto em Milão. 

Hoje, as BMW locais são montadas pela empreendedora Dafra, junto a italianas Ducati e MV Agusta, holandesa KTM.

Nome – Anúncio não é da marca, mas da Suframa, Superintendência da Zona Franca. Não adota nome mundial BMW Motorrad, mas curioso e extenso BMW Manufacturing Indústria de Motos da Amazônia Ltda; aplicará R$ 28,5 milhões para 185 empregos. Valor indica números contidos em área, processos e produção.

Sem cão... – Mercado interno despencando, marcas nacionais atiram-se às exportações. Irã é novo e potente mercado, apto a absorver 140 mil automóveis, 17 mil ônibus e 35 mil caminhões.

Leque - No mundo há espaço a peculiares veículos nacionais, como o picape Toro. Fiat estuda enviá-lo aos EUA – tão logo haja capacidade de produção.


Com gato – Passo mais atrevido e sólido é da MAN Caminhões: montar filiais ou fazer acordos extra fronteiras para exportá-los em partes, montando-os nos mercados de destino. Articula com Marrocos, Argélia, Nigéria, Quênia e Irã.

BMW – Como informou Coluna passada, BMW vendeu 10.000 unidades de seu modelo X1 para os EUA. 
Supre demanda e incapacidade produtiva alemã. 

Valor USD$ x R$ também ajudou. Segue o caminho de Voyage, Mercedes Classe A, Golf. Há uma década não se vendiam automóveis brasileiros aos EUA.

Amenidades – Mercedes-Benz revelou conceito de lancha, a Arrow 460 Granturismo. DNA de automóvel na proporção de volumes, no nome, Silver Arrow of The Seas, para lembrar os Flechas de Prata, vitoriosos carros das corridas pré II Guerra, na cor prateada, parabrisas e vidros laterais baixam.

Como - 46 pés de comprimento - +- 14m -, mono motor, 960 cv de potência, confortos para 10 passageiros – com menos carga pode cruzar a 46 milhas náuticas, uns 90 km/h!



Arrow 460. Mercedes chega ao mar (divulgação MB)

Autódromo – Deputado Distrital, Júlio César (PRB), realizou audiência pública buscando solução para reativar o Autódromo de Brasília, com obras paradas por decisão do Tribunal de Contas do DF. 

No encontro, Carlos Leal, diretor da Terracap, estatal dona da área, anunciou ter R$ 12M para concluir a pista.

Recomeço – Ideia é completar circuito e reativar arquibancadas. Para funcionar ainda este ano, boxes e sanitários em tendas. Parlamentar crê ser o primeiro passo para reativá-lo. 


Esporte em Brasília não é o futebol do estádio inexplicável em existência, volumetria e custos, mas corridas de automóveis.

Fama – Leitor Luiz Felipe Figueiredo, aparentemente incontido Democrata, foi atrás do Oldsmobile Cutlass Ciera 1986 ex-Hillary Clinton, noticiado pela Coluna, à venda. 


Não cumpriu intento. Leilão no E.Bay, com 145 lances atingiu inimaginados US$ 60.100 – uns R$ 216.116.

Olds ex-Hillary, pedigree dá valor. (e.bay)


Gente – Evaristo Nascimento, empresário, passou. 


OOOO Era a cara das mostras e salões pela Alcântara Machado. 

OOOO Pós-controle da Reed Exhibitions, abriu empresa própria e realizava o Salão dos VUC. 

OOOO Soma de complicações de saúde. 

OOOOWolfgang Nänle, VP de Operações Mercedes Brasil, aposentadoria. 

OOOO Cuidou da produção de ônibus na AL e recentemente organizou a fabricação de caminhões em São Bernardo, SP e Juiz de Fora, MG. 

OOOO Substituto Carlos Santiago, engenheiro ex-Fiat e ex-Ford, atual diretor de produção da marca no Brasil. 

OOOO Luiz Moan, 62, economista, deixou a presidência da Anfavea, associação dos fabricantes de veículos. 

OOOO E aposentou-se como diretor da General Motors. OOOO

No Brasil Toyota começou em 1952

Marca líder no mundo, operação sul-americana com liderança em produtos, a 
Toyota tem história diferenciada no Brasil. 

Não recebeu visita de prospectores brasileiros, em 1952, em périplo para atrair fabricantes de veículos, nem apelos do GEIA, em 1956, para instalar-se no Brasil.

Apresentou seus produtos em grande esforço de renascimento e abertura internacional ao início dos anos ’50, fazendo périplo mundial, um show em navio. 


No Brasil, atraiu atenções do patrício Itiro Nisitani, nomeando-o representante, importando caminhões em partes para montá-los. 

Entre os chassis transformados em caminhões e ônibus, maior atenção para o picape FLX, com cabine avançada. 

Nisitani montou aproximadamente 800 unidades, instigando a matriz a prospectar o mercado nacional.

Três representantes de uma certa Toyota Motor Company Koromo – era a cidade sede e se incorporara à razão social – procuraram o governador mineiro Juscelino Kubitschek. 


Estava ao final de gestão, preparando-se à campanha que o levou à Presidência da República, em 1956. 


JK se entusiasmou com o interesse e ofereceu área no polo industrial da vizinha Contagem. Por razões desconhecidas, a oferta não prosperou.

Voltaram, táteis, em 1958, e adquiriram a MBA/Rover, com projeto aprovado para produzir jipes Land Rover. 


Era pequena linha de montagem no bairro paulistano do Ipiranga, de onde saíram poucas centenas de unidades. 


Adquirir as facilidades acelerou planos de fincar pé no País como primeira filial internacional, e deu base para instalação de usina em São Bernardo do Campo, SP para a montagem dos jipes e picapes Land Cruiser, logo em seguida adotando motor Mercedes-Benz e o nome Bandeirante.

____________________________________

quinta-feira, 28 de abril de 2016

GRAVATÁ, EM PERNAMBUCO, RECEBE NESTE FIM DE SEMANA A 1ª ETAPA DO MITSUBISHI MOTORSPORT NORDESTE


A charmosa cidade de Gravatá (PE) será palco, neste sábado dia 30/4, da abertura da temporada 2016 do Mitsubishi Motorsports Nordeste. 


Com belas paisagens e um relevo perfeito para provas de rali, a etapa promete ser inesquecível para os participantes, que virão de todo o Brasil para se divertir na região serrana de Pernambuco.

"Gravatá é o palco perfeito para a abertura da temporada 2016. Será uma competição off-road com disputas, diversão e aventura na medida certa", adianta Fernando Julianelli, diretor Comercial e de Marketing da Mitsubishi Motors do Brasil.



O ponto de partida do rali será no Hotel Canarius, onde os proprietários dos veículos 4x4 das linhas L200, Pajero e também ASX se reunirão para a largada. 

De lá, os participantes seguirão rumo ao norte, passando pelo município de Passira. O trajeto seguirá por fazendas, estradas vicinais, pedreiras e ainda trechos de mata nativa.

Os competidores da categoria Graduados, categoria para os mais experientes, e da Turismo, reservada para quem tem experiência intermediária, percorrerão 180km. 


Já quem participar da categoria Turismo Light, ideal para quem está começando, percorrerá 140km.

"No Motorsports não importa o seu nível de experiência. Tanto as duplas mais experientes como quem está fazendo sua estreia no rali têm a oportunidade de colocar o seu modelo Mitsubishi na terra e se divertir", comenta Julianelli.


Como funciona?
As inscrições são abertas sempre 12 dias antes da competição. Os interessados devem entrar no site www.mitsubishimotors.com.br e preencher o cadastro. As vagas são limitadas.

Na sexta-feira véspera da competição, os participantes se encontram para confirmar a inscrição e adesivar os carros. À noite, há um briefing sobre as trilhas e aula de navegação.

No sábado, os competidores se reúnem para a largada. Na chegada, há um grande almoço e cerimônia de premiação para as melhores duplas da etapa.


Premiação da temporada
A dupla campeã da temporada Nordeste na categoria Graduados viajará para o Hotel Campo Bahia, na cidade baiana de Santo André. 


Já na categoria Turismo, os campeões levarão uma viagem para a Terra Vista Villas, em Trancoso (BA). As duas viagens tem apoio do Circuito Elegante.


Calendário 2016

Mitsubishi Motorsports Nordeste*
30/04 - Gravatá (PE)
06/08 - Natal (RN)
17/09 - Fortaleza (CE)
05/11 - João Pessoa (PB)
*Calendário sujeito a alterações.

Mitsubishi Pró-Brasil

Ação Social
A Nação 4x4 da Mitsubishi também está envolvida no espírito de solidariedade e cidadania com a ação social Mitsubishi Pró-Brasil. 


Desde 1994, foram arrecadadas mais de 1.060 toneladas de alimentos, em doações através das inscrições. 

Para participar das provas, os competidores fazem a doação, por carro, de 30kg de alimentos não perecíveis e seis produtos de higiene, que serão destinados a associações da cidade.

O Mitsubishi Motorsports tem patrocínio de W. Truffi, Petrobras, Itaú, Transzero, Clarion, Pirelli, Unirios, Embracon, STP, Tecfil, Pilkington, Sideral, Projeto Sign, Dalgas, Mapfre e Rede.

Acompanhe as novidades dos ralis Mitsubishi através das redes sociais: Twitter (www.twitter.com/nacaomitsubishi) e Facebook (www.facebook.com/Mundomit). 


Para mais informações, vídeos, fotos e inscrições, acesse: www.mitsubishimotors.com.br.

Credenciamento de imprensa
O credenciamento de imprensa para o Mitsubishi Motorsports pode ser feito pelo e-mail:imprensa@hpeautos.com.br


Os interessados devem enviar o nome do veículo e os dados completos do jornalista.


Programação - Mitsubishi Motorsports
29 de abril - Sexta-feira
Entrega de kits, vistoria, briefing e aula de navegação - das 17h às 22h
Local: Hotel Canarius, Rodovia BR 3232 S/N - Brejinho

30 de abril - Sábado
Local

Hotel Canarius, Rodovia BR 3232 S/N - Brejinho
A partir das 8h - Largada
A partir das 13h - Chegada, almoço e premiação.




ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.