quinta-feira, 31 de outubro de 2013

CHRIS PFEIFFER, O SHOW MAN CAMPEÃO MUNDIAL SOBRE DUAS RODAS, APRESENTA-SE NA ARGENTINA NESTE FIM DE SEMANA DESAFIANDO A LEI DA GRAVIDADE SOBRE UMA BMW F 800R, EM CÓRDOBA.


Chris Pfeiffer, o show man número um do mundo sobre Duas Rodas, realizou um espetáculo exclusivo para a BMW Argentina anunciando a BMW Motorradays que acontecerá em Córdoba de 1 a 3 de novembro, na pista da marca em Tortuguitas. Campeão europeu e mundial de acrobacias sobre motocicleta (Stunt Ridind), quatro vezes, Chris Pfeiffer divertiu e entusiasmou os espectadores desafiando a lei da gravidade em cima de sua BMW F800R.

Alemão rei das duas rodas
Chris Pfeiffer nasceu na Alemanha, no dia 20 de abril de 1970 e desde muito pequeno esteve em contato com as motocicletas de seu pai. 

Aos cinco anos teve sua primeira experiência dirigindo uma moto e nunca mais perdeu sua paixão por motocicletas. 

Motociclista profissional desde 1996, Chris Pfeiffer compete no segmento FreeStyle desde adolescente e em 2006 passou a usar primordialmente modelos BMW F 800S, motos com que vem conseguindo seu maior sucesso, incluindo três de seus quatro Campeonatos Europeus e também três três dos seus quatro campeonatos mundiais.


DEPOIS DE 10 ANOS DE CRESCIMENTO CONSECUTIVO, O RAMO AUTOMOTIVO DA ECONOMIA, APESAR DE ESTARMOS A APENAS DOIS MESES PARA O FIM DE 2013, NÃO TEM DEFINIDO AINDA - APESAR DAS INJEÇÕES DE IPI - SE VENDERÁ MAIS CARROS DO QUE EM 2012. AFINAL, PARA 2014 HÁ INDICADORES SAÍDOS DA AUTODATA SINALIZANDO UMA DESACELERAÇÃO. ESSE JOGO É TRATADO PELO NOSSO COLUNISTA FERNANDO CALMON.


Alta Roda 

Nº 757 — 31/10/13

Fernando Calmon



ISSO É DO JOGO

Está difícil ter uma sinalização clara sobre o mercado brasileiro neste final de ano e no próximo. 
O que se sabe é que o otimismo do começo de 2013 foi se diluindo ao longo do tempo. 

Analistas do setor automobilístico se dividem entre os que preveem vendas um pouco menores em relação a 2012 e um pouco maiores, na soma de automóveis e veículos comerciais leves/pesados.

Existe algum simbolismo em torno de 2013. Afinal, seria o décimo ano seguido de crescimento do mercado interno, em parte alavancado por períodos de diminuição provisória de IPI que levaram a quebras seguidas de recordes. 

No recente seminário da Autodata, Perspectivas 2014, em São Paulo, a média de opiniões indicou sinais de desaceleração, mas não de queda de mercado. 

Por outro lado, a produção – importante por sustentar os empregos da cadeia de valor – deve continuar em ascensão em função de diminuição de importações e melhora ainda que modesta das exportações.

Um dos temas debatidos, de interesse direto dos consumidores, foi a mudança em implantação para viabilizar a volta do leasing, um tipo de financiamento um pouco mais barato e flexível. 

Até hoje há insegurança jurídica para que um carro seja retomado de inadimplentes ou lidar com “espertos” que deixam de pagar impostos e multas de trânsito ao se aproveitar por o veículo não permanecer em seu nome. 

Leasing poderá se somar a outros canais que ajudam na oferta de crédito, sujeita a altos e baixos por seletividade, exigência de valor de entrada maior ou de taxas de juros.

Há expectativa ainda da manutenção das atuais alíquotas menores do IPI, pelo menos no primeiro trimestre de 2014. 

Isso é dado como certo, o que diminuiria o ímpeto de compra neste final de ano para escapar de preços maiores. 

No entanto, a tendência é de que carros de entrada fiquem mais caros – de R$ 400,00 a R$ 800,00, estima-se –, quando todos os veículos leves vierem equipados com airbags frontais e freios ABS.

Até março de 2014, será possível adquirir modelos fabricados sem esses equipamentos de segurança. Depois sua comercialização ficará proibida. 

Então, não se descarta que a carga fiscal menor prossiga até meados do ano. Faltam, em teoria, duas “rodadas” de aumento de IPI. 

Nos bastidores, alguns apostam que a última etapa seria cancelada, isto é, alívio definitivo de parte do imposto.

Na verdade, os preços reais dos veículos, em geral, mantêm trajetória de queda, especialmente nos últimos cinco anos por qualquer índice de correção. 

Sinais de aumento de concorrência continuam evidentes, embora não se vislumbre guerra comercial, pelo menos em curto prazo. 

O governo abriria mão de quase migalha, em termos de alíquota do IPI, como “prêmio” por preços bem comportados. E faturaria, politicamente, ao amainar a carga tributária efetiva.

Alguns fabricantes foram menos otimistas que outros no seminário. Executivos apresentaram visões diferentes em temas espinhosos como futura capacidade ociosa, promoções e descontos agressivos. 

Mas, houve também quem considerasse que tudo isso é do jogo: produção se administra e promoções vieram para ficar. Consumidor mandar no mercado dever ser regra, não exceção.

RODA VIVA

ESTRATÉGIA de revelar em etapas um carro novo, iniciada pelo EcoSport, será repetida pela Ford. 

Novos subcompactos, hatch e sedã, substituirão de uma só vez o Ka atual e a versão anterior do Fiesta (Rocam), no segundo trimestre de 2014. 

Bill Ford, presidente do conselho da companhia, estará em Camaçari, dia 11 próximo, para a prévia do Ka hatch (sedã fica para depois).

TOYOTA confia que o novo Corolla, em meados do próximo ano, inovará o suficiente para recuperar a liderança entre sedãs médio-compactos. 

Não será inspirado no modelo para o mercado americano, considerado disruptivo para seus padrões. 

Ainda assim terá, pela primeira vez, versão esportivada para encarar o Civic Si, de volta em 2014.

FUSION híbrido mostrou evolução se comparado ao anterior, além do preço menor, mais interessante para o porte do carro em relação ao Toyota Prius. 

Mesmo com bateria mais potente, não é fácil se manter no modo zero emissão. Exige condições muito particulares para rodar a 100 km/h só com o motor elétrico. 

Economia de combustível aparece, porém leva 5 anos para amortizar a diferença de preço.

MANUTENÇÃO grátis – óleo, filtros e inspeções rápidas – por dois anos ou cerca de 40.000 km (o que ocorrer primeiro) está em oferta pelas quatro marcas da GM, nos EUA. 

Estratégia para aumentar retenção de clientes. Em geral, só marcas premium, como a BMW, oferecem. 

Aqui, Chevrolet anunciou plano de financiamento que inclui despesas com as revisões.

MAIOR rede de concessionárias do Brasil especializada em automóveis e motos de preço elevado (nove marcas, no total), Eurobike pretende voos mais altos. 

Estuda os mercados espanhol e português, com boas oportunidades, depois de anos de crise. Empresa passou de um faturamento de R$ 25 milhões para R$ 1 bilhão/ano, em uma década.____________________________________
fernando@calmon.jor.br e 
www.twitter.com/fernandocalmon

FIAT MOSTRA SEUS MODELOS DE CARGA NA 19ª FENATRAN, ENTRE ELES A GRANDE NOVIDADE ENTRE AS PICAPES, A STRADA DE TRÊS PORTAS SEM COLUNA CENTRAL E O NOVO UNO FURGÃO. SÃO 22 MODELOS COM AS MAIS VARIADAS APLICAÇÕES.


A Fiat Automóveis mostra na 19ª edição do Salão Internacional do Transporte (Fenatran) dois importantes produtos para o segmento: o Novo Uno Furgão, que foi apresentado na edição de 2011 como veículo-conceito, e o Novo Fiorino, inteiramente renovado e muito mais moderno. 


Outro destaque da marca é o recém-lançado Fiat Strada com sua inovadora terceira porta, que será apresentada pela primeira vez ao grande público. 

A Fenatran acontece entre os dias 28 de outubro e 1º de novembro, em São Paulo, e a Fiat Automóveis ocupa um estande com mais de 2 mil metros quadrados de área.

Nesta edição da Fenatran, a Fiat está presente com toda a sua gama de comerciais leves, que confirma a versatilidade de seus modelos nas mais variadas aplicações. 

No estande da marca, que tem como mote a representação de um grande centro urbano, estão expostos 22 veículos em várias das suas configurações, mostrando a versatilidade, praticidade, tecnologia e inovação dos seus produtos.

Na mostra de veículos comerciais mais importantes da América Latina, um dos destaques, e que está chegando ao mercado, é o Novo Uno Furgão, que foi apresentado na edição de 2011 como veículo- conceito. 

Partindo da base do consagrado novo Fiat Uno, o que atesta a versatilidade da sua plataforma, ele traz design mais atual, robusto, com ampla gama de opcionais e ótima capacidade de volume carga. 

O Novo Uno Furgão também recebeu novas motorizações, agora com propulsores 1.0 e 1.4 EVO Flex. 

Trata-se de uma ótima opção de transporte de volumes para pequenos empreendimentos como padarias, floriculturas, entregas rápidas e serviços de manutenções.

Também está sendo apresentado no evento o Novo Fiorino, que contará com novo design a partir da versão 2014 e será lançado no final de novembro no mercado brasileiro. 

As suas já comprovadas características de robustez e versatilidade serão reforçadas pelo novo design mais moderno, pelos novos conteúdos de série e pela nova motorização 1.4 EVO Flex, que tem excelente torque em baixas rotações e baixo consumo de combustível. 

Entre as versões presentes no Salão, um Novo Fiorino transformado em ambulância exemplifica com maior nitidez a versatilidade do novo veículo.

Na Fenatran, o público presente terá a oportunidade de vivenciar pessoalmente a grande variedade de veículos comerciais oferecidos pela Fiat para os grandes centros urbanos, onde são grandes as restrições para o fluxo de veículos pesados de entrega. 

Meios de transportes do porte de Ducato, Doblò, Fiorino e a nova picape Strada, são responsáveis pela movimentação de um enorme volume de cargas nos grandes centros urbanos, contribuindo para uma melhor fluidez do tráfego. 

Os comerciais leves também se destacam por proporcionar significativa economia de combustível, agilidade e praticidade quando comparados aos veículos comerciais pesados.

A marca também conta com parceria de implementadores homologados que direcionam seus modelos para aplicações especiais. 


Destaques 
Novo Uno Furgão voltado para o serviço de entrega de floriculturas, que conta com diversas adaptações direcionadas para esse tipo trabalho; 

Doblò Cargo com porta lateral e revestimento interno de fórmica para a entrega alimentos, da Bauducco; 

Doblò Cargo, destinado para lavanderias, com porta lateral que leva a um compartimento para roupas sujas e porta traseira com divisões para cabides do tipo corrediço; 

Ducato Petshop, que traz mesa para tosa e banheiro com chuveiro; 

Ducato Ambulância UTI; entre outros.

A liderança de nove anos nesse mercado atesta a preferência do público pela marca, que possui uma completa gama de veículos que atendem aos mais diferentes tipos de serviço, sejam eles voltados para carga ou transporte de passageiros. 

Esse sucesso deve-se também à rede de concessionários Fiat, com mais de 600 pontos de atendimento estrategicamente espalhados por todo o Brasil; as peças genuínas adequadas às necessidades de reparo e pessoal especialmente treinado pela Fiat; e a assistência 24 horas proporcionada pelo Confiat, que presta socorro em qualquer ponto do território nacional.


Novo Uno Furgão: do Salão direto para o mercado
Com o intuito de reforçar ainda mais a sua presença no segmento dos comerciais leves, a Fiat está lançando neste Salão o Novo Uno Furgão, modelo que foi apresentado como carro-conceito na última edição da Fenatran, em 2011. O novo comercial leve traz design mais moderno e robusto, já consagrado no Novo Uno. 


O novo utilitário passa a oferecer agora aos clientes duas novas opções de motorização: o 1.0 EVO Flex com 75/73 cv (etanol/gasolina) a 6.250 rpm e torque de 9,9/9,5 kgfm (etanol/gasolina) a 3.850 rpm; e o eficiente 1.4 EVO Flex com 88/85 cv (etanol/gasolina) a 5.750 rpm e torque de 12,5/12,4 kgfm (etanol/gasolina) a 3.500 rpm. 

São motores que privilegiam o torque nas baixas rotações ― ideal para o trânsito pesado das cidades ― e o reduzido consumo de combustível.

O visual do Novo Uno Furgão traz para-choques e retrovisores pretos, além de vidros do vão de carga escurecidos com grade protetora, tudo para evitar que a carga fique exposta e ainda oferecer mais segurança no transporte. 

Ele também chega com uma nova lista de equipamentos que o deixa ainda mais completo. O novo Uno Furgão está disponível nas cores Branco Banchisa e Prata Bari.

Com capacidade para transportar até 1.000 litros de volume de carga ou 400 kg de peso, ele é ideal para atender às necessidades dos pequenos empreendimentos como padarias, floriculturas, entregas rápidas, e também o segmento de serviços de telecomunicações e manutenções, oficinas volantes, assistência técnica e microempresários. 

O compartimento de carga vem com revestimento completo e iluminação, enquanto o assoalho do vão de carga plano oferece maior facilidade no manuseio dos volumes.


Fiat Fiorino: totalmente novo
A Fiat também apresentará o Novo Fiorino. Inteiramente renovado, este veículo comercial ganha um design muito mais moderno, similar ao do Novo Uno, que além de enfatizar toda a sua robustez e versatilidade, elevará o nível de sofisticação do produto a partir da versão 2014. Externamente, o Novo Fiorino Furgão, que ficou maior em relação ao anterior, ganhou nova frente, novos para-choques dianteiro e traseiro, novos retrovisores e frisos laterais, e novas lanternas traseiras. Suas formas fluidas melhoraram a estética e a aerodinâmica do veículo.

Internamente também passou por reformulações significativas, como painel mais moderno, bancos mais confortáveis, melhor ergonomia e acesso aos comandos, e maior número de porta objetos. Ele chega ainda mais completo, trazendo novos itens de segurança e conforto em sua lista de equipamentos.

O novo Fiat Fiorino ganhou uma nova motorização, a já conhecida e confiável 1.4 EVO com 88/85 cv (etanol/gasolina) a 5.750 rpm e torque de 12,5/12,4 kgfm (etanol/gasolina) a 3.500 rpm, que tem excelente torque em baixas rotações e baixo consumo de combustível.

Na Fenatran destaca-se um Novo Fiorino voltado para a saúde pública, uma ambulância, que exemplificará com maior nitidez a versatilidade do novo veículo.


Fiat Ducato: pródigo em funcionalidade
No estande da Fiat também está à disposição dos visitantes a completíssima linha Ducato, adaptada aos mais diversos tipos de utilização desde o transporte de cargas até veículos voltados para o turismo, transporte executivo ou serviço público.

A família Fiat Ducato é composta por sete versões: quatro para carga, dois para passageiros, além da versão Multi Teto Alto voltada para transformações – o que ressalta toda a versatilidade do modelo. 

As versões utilitárias, designadas para o transporte de carga, que primam pelo espaço, agilidade e baixo consumo de combustível são: Cargo 7,5 m3, Cargo L 9,0 m³, Maxi Cargo 10 m³ e Maxi Cargo 12 m³. Já as que estão destinadas ao transporte de passageiros são extremamente funcionais, resistentes, e com alto nível de conforto: Minibus Teto Baixo (15+01 passageiros ― mais espaço de bagagem), Minibus Teto Alto (15+01 passageiros ― mais espaço de bagagem).

Na Fenatran o público poderá conferir toda a versatilidade da gama com o Ducato Executivo (que pode contar com DVD de teto com TV digital, bancos reclináveis, geladeira, sistema wi-fi e porta lateral com acionamento elétrico), o Escolar (19+1 passageiros), o Ducato ambulância UTI, além da versão transformada em Ducato Petshop, que oferece mesas para tosa, armários, gaveteiros e banheira com chuveiro.

Além da ampla gama de veículos, que abrange às mais variadas necessidades, outros fatores contribuem para o sucesso de vendas do Fiat Ducato. 

Versatilidade, dirigibilidade e uma completa lista de equipamentos, que inclui airbags dianteiros, ABS, ar-condicionado, vidros, portas e retrovisores com acionamento elétrico, banco com regulagem de altura e tacógrafo, justificam essa preferência.

Aliado aos itens de segurança e conveniência, distingue-se o econômico motor Diesel 2.3 MultiJet Economy (127 cv de potência a 3.600 rpm e torque de 32,6 kgfm a 1.800 rpm), que apresenta alta tecnologia, ótimo desempenho, baixo consumo e índices de emissões reduzidos.


Fiat Strada: imbatível na preferência do consumidor
Detendo mais de 50% das vendas do seu segmento a picape Fiat Strada acaba de chegar com linhas totalmente renovadas. 

Em sua categoria o Fiat Strada é a picape que dispõe da gama mais diversificada e a que apresenta o maior nível de inovações. 

A grande novidade do momento é a versão cabine dupla com a terceira porta do lado direito.

O novo visual externo resultou em linhas mais elegantes e harmônicas, mas ao mesmo tempo marcantes e robustas. 

O Fiat Strada 2014 ganhou uma linha de cintura mais alta e uma caçamba maior, que cresceu oito centímetros na altura, oferecendo mais espaço para a carga. 

As novas lanternas traseiras, colocadas em uma posição mais elevada e invadindo a lateral, passam modernidade ao modelo, além de contribuir com o size-impression da nova picape Strada.

O Fiat Strada é uma referência para o segmento de picapes pequenas em função das permanentes inovações tecnológicas e pela exclusividade de soluções e componentes. 

A gama da Fiat Strada 2014 está composta por seis versões: três Working (com cabines curta, estendida e dupla) com motorização 1.4 Flex; uma Trekking (cabine dupla) com propulsor E-torQ 1.6 16V Flex; e duas Adventure (com cabines estendida e dupla) e motor E-torQ 1.8 16V Flex.

A caçamba do novo Fiat Strada ficou ainda maior. Em relação à caçamba anterior houve um incremento de aproximadamente 18% na sua capacidade de volume. 

A versão com Cabine Curta, a que obteve maiores benefícios no que diz respeito ao volume a ser transportado pode, agora, levar 1220 litros, 120 litros a mais de carga que o modelo anterior. 

A Cabine Estendida ganhou mais 110 litros, passando a 910 litros de capacidade total, e a Cabine Dupla foi beneficiada com mais 100 litros no seu volume total, chegando a 680 litros de capacidade.

As três motorizações, conhecidas e confiáveis da picape Strada, estão divididas de acordo com a versão de acabamento. 

A Working vem equipada com o robusto e econômico motor Fire 1.4 Flex, com potência de 85 cv (gasolina) e 86 cv (etanol) e torque de 12,4 kgfm (gasolina) e 12,5 kgfm (etanol). 

A Trekking dispõe do motor E-torQ 1.6 16V Flex, que desenvolvem potência de 115 cv (gasolina) e 117 cv (etanol) e torque de 16,2 kgfm (gasolina) e 16,8 kgfm (etanol). Para a Adventure está reservada a motorização mais potente: E-torQ 1.8 16V com potência de 130 cv (gasolina) e 132 cv (etanol) e torque de 18,4 kgfm (gasolina) e 18,9 kgfm (etanol).


Doblò Cargo: exemplo de versatilidade
Nesse segmento o Doblò Cargo se sobressai pelas suas características de grande conforto, segurança e excelente desempenho. 

Com dimensões aparentemente compactas ele surpreende por contar com o maior compartimento de carga da categoria: 3.200 litros. 

Sua versatilidade faz com que ele transite com desenvoltura como veículo de carga, de uso misto, loja móvel e até ambulância. Atende às mais diversas necessidades e dá exemplo de funcionalidade. 

A linha Doblò vem equipada com os motores 1.4 8V Flex com potência de 85 cv (gasolina) e 86 cv (etanol) e torque de 12,4 kgfm (gasolina) e 12,5 kgfm (etanol); ou o E.torQ 1.8 16V Flex com potência de 130 cv (gasolina) e 132 cv (etanol) e torque de 18,4 kgfm (gasolina) e 18,9 kgfm (etanol), que pode transportar até 620 kg. 

Desenvolvido principalmente para o transporte de volumes, uma das suas boas características é facilidade de acesso ao seu compartimento de carga, fato que é simplificado pelas portas assimétricas traseiras e pela ampla porta lateral corrediça.

Para facilitar as longas jornadas de trabalho e colaborar para reduzir o cansaço do operador o Doblò Cargo vem com uma lista de equipamentos bastante extensa, entre os itens direção hidráulica, freios ABS, airbag duplo, ar-condicionado, faróis de neblina, comando elétrico para travas, retrovisores e vidros, volante com regulagem de altura, portas laterais corrediças e vidro traseiro térmico com lavador e limpador, entre outros.

Mopar na Fenatran
A marca de personalização que atua no mercado de peças, acessórios e serviços para os veículos das marcas Fiat e Chrysler nos Estados Unidos, Mopar, desembarcou este ano na rede de concessionárias Fiat oferecendo ainda mais tecnologia, personalização e exclusividade para os veículos da marca.

Na Fenatran, o públlico poderá conhecer o novíssimo Extensor de Caçamba com tripla função para a picape Fiat Strada e a Central Multimídia para os Fiat Strada, Siena EL e Palio Weekend. 

Vale lembrar que esses produtos foram projetados por engenheiros da Fiat Chrysler, com alta qualidade de funcionamento, normatização e homologação. Todos com 100% dentro da garantia dos veículos.

Com o Extensor de Caçamba com tripla funcionalidada, a picape Strada amplia sua capacidade volumétrica, ganha um divisor de cargas internas e, ainda, uma rampa de acesso, facilitando as entradas e saídas de motos e outros objetos.

Produzido em alumínio, o novo Extensor de Caçamba combina robustez, leveza e fácil manejo. Ele aumenta a capacidade volumétrica do Novo Fiat Strada em até 300 litros. 

E mais, suporta em forma de rampa até 180kg com o veículo parado. E também utiliza a própria tampa do compartimento de carga do Fiat Strada rebatida, que suporta até 50kg como área útil. 

O equipamento que segue resolução do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) possui iluminação de segurança e posição de placa suplementar.

A Central Multimídia da Mopar combina sofisticação e tecnologia em um único aparelho. 

Ela reúne diversas funções, garantindo conforto, segurança, facilidade de operação e possibilidades variadas de interação entre o motorista e o veículo. 

Em sua tela HD touchscreen de 6.2 polegadas e resolução de 800x480 pixels, o condutor poderá operar as diferentes funções presentes no acessório, como sistema GPS com mapa de navegação; DVD Player compatível com DVD, DVD-R/RW, DVD+R/RW, VCD, CD, CD-R/RW, MP3; TV Digital integrada; Câmera de Ré; Rádio AM/FM com 32 estações FM e 8 AM; Bluetooth (Viva Voz); Calendário e Relógio; Controle Remoto e conexões como porta USB, Ipod e saída de vídeo.

Atualmente no Brasil, os consumidores já podem encontrar na rede Fiat vários acessórios Mopar como rádios, Kit de sensor de pressão e temperatura de pneus e Kit Sensor Alerta para Novo Uno e Siena EL.

AO CONTRÁRIO DO QUE MUITA GENTE POSSA PENSAR, O RECORDE DE VENDAS DE VEÍCULOS NO BRASIL NÃO PERTENCE AOS AUTOMÓVEIS E SIM AOS CAMINHÕES, DE QUE SÓ NÃO VENDEMOS MAIS DO QUE A CHINA. HÁ PORÉM A NECESSIDADE DA RENOVAÇÃO DA FROTA COM A PERIGOSA IDADE MÉDIA DE 16 ANOS. A QUALIDADE DAS ESTRADAS TAMBÉM É GRAVE E DEIXA MUITO A DESEJAR, MAS O MINISTRO DOS TRANSPORTES GARANTIU QUE ATÉ O FINAL DE 2014 TODAS AS RODOVIAS ESTARÃO NOVINHAS EM FOLHA. ACREDITE QUEM QUISER. ESSE E OUTROS INTERESSANTES TEMAS ENRIQUECEM A NOSSA COLUNA DO NASSER


Coluna nº 4413 - 30 de Outubro de 2013 ___________________________________

Qual é o segmento de veículos que coloca o Brasil em primeiro lugar mundial?

Carros 1.0? Motos 125? Automóveis pretos ou prata?

Dúvidas coerentes. Nosso País só produz automóveis e comerciais leves com motores de quatro cilindros e, dentre estes, os 1.0 são maioria. 

De motor monocilíndrico, pequena cilindrada, maciçamente destinada a trabalho na cidade e a substituir cavalos e burros nas cidades do interior e no campo, motos 125 vendem muito. 

E carros pretos ou prata, parte maior da massificação das preferências nacionais à hora de comprar um veículo de passeio?

Nada disso. Nossa liderança está nas vendas recordes de caminhões, vendemos a maior quantidade – arranhar 200 mil unidades neste ano -, muito à frente dos restantes mercados, incluindo os países de origem dos caminhões aqui produzidos – exceto China. E vamos subindo a rampa.

Maior mercado, reunindo superior quantidade de marcas em produção – solitária marca nacional, a Agrale, estadunidense, suecos, alemães, italiano, holandês, coreano e, como se promete, chineses – realiza uma feira técnica a cada dois. 

É a Fenatran, em São Paulo. De negócios, sem entradas pagas, apenas convites a público especializado de compradores, operadores, frotistas. 

Todos no escombro inoperacional chamado Anhembi, prédio da prefeitura paulistana, cedido aos organizadores de evento, e sem intervalos para sofrer reparos ou manutenção. 

Há anos é perigosa sauna, e a Prefeitura da cidade não investe em seu sanear para não interromper o faturamento, enquanto os operadores dos eventos alegam nada ter a ver com isto.

Realizado de 28 de outubro a 1 de novembro a expectativa de receber 60 mil visitantes para fazer negócios com os 376 expositores de 15 países. No setor, coerentemente é a maior mostra continental.

Operacional
A abertura mostrou dados curiosos, como o intenso uso de adjetivos nas apresentações, todas rotuladas como novidade, caminho, tendência, solução, menor custo operacional. 

Exageros. Novidade maior foi a ausência das marcas que passaram meses anteriores prometendo instalar-se no Brasil. 

Desconsideraram o evento bianual para apresentar e exibir os produtos. Nestas, chinesas como a Foton e a JAC, vendendo caminhõezinhos; a junção de Caterpilar/International, não apareceram. 

Das novas, duas: a ex-holandesa DAF, hoje de capital dos EUA, e a Metro-Sachman, nome brasileiro, sobrenome chinês, apresentaram seus produtos.

Governador paulista, Geraldo Alkmin, visitou espaço dos International, fabricados em Caxias do Sul, RS. 

São Paulo sedia 45% da produção de caminhões, nele trabalharão 551 desta marca gaúcha, dentre os 898 adquiridos pelo governo federal.

Curiosamente, das marcas tradicionais era a única sem lançamentos. Alkmin enfatizou pressão sobre o roubo de cargas e caminhões, também sobre resultados previstos no programa de renovação da frota em tentativa implantação por alguns estados, incluindo SP. 

Ausente, o Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o governo federal perdeu a oportunidade de liderar o processo de renovação da frota de caminhões. A nossa tem perigosa idade média de 16 anos.

Uma das maiores referências para a Fenatran 2013, o patamar de potência e tração, segue o otimizador de transmissão, dito automatizador, apresentado pela Scania há duas décadas, e factibilizado pelo emprego de eletrônica. 

Ele mantém as tradicionais caixas de marcha com engrenagens metálicas, mas seu sistema de troca poupa o motorista, o motor, a transmissão e o bolso do empresário. 

E a nova tendência. Em potência, a Volvo levantou a bandeira da liderança com o sueco FH 16, motor deslocando 16.000 cm3, produzindo 750 cv e 3350 Nm de torque. 

Tem capacidade para arrastar até 200 t – menos que o Scania com motor de 620 cv e 250t -, e é aplicável em cargas indivisíveis – destas fora de padrão exigindo reboques com inúmeras rodas para distribuir peso sem danificar as rodovias. 

Presença pouco mais que o institucional, serão o nicho do nicho. No outro extremo, o veículo de transporte mais leve é um Uno Furgão. 

O conhecido e bem sucedido Uno com carroceria fechada. Não é novidade. Seu avô, o 147, tinha versão assemelhada. 

Para 1 m3 ou 400 kg de carga. Leve, também o novo Fiorino, e o recém lançado picape Strada com três portas.

Ocasião de mídia e eventos institucionais, restou a dúvida? No setor quem é mais importante?

Em pesquisa da revista Carta Capital, a MAN, maior, foi escolhida a Mais Admirada do Brasil. 

A CAOA, que monta alguns Hyundai, também. A MAN é conduzida por Antônio Roberto Corrêa, festejado mundialmente. 

A CAOA, pelo médico Carlos Alberto de Oliveira Andrade, que lhe cede o apelido. O dr. CAOA, ao contrário da admiração no prêmio, foi repelido pelo público formado pelos credores do Banco BVA em sua fórmula para assumi-lo.

Quem é de quem
DAF – Das novas marcas, a única com produto tátil, apresentou-o como fabricado na nova usina de Ponta Grossa, PR, o caminhão XF105 e avisou ter próximas linhas CF – pesado -, e LF – semi. 

Apesar de apresentar-se como líder no mercado europeu de cavalos mecânicos, como vender num mercado atípico, tão forte que expulsou a General Motors da operação? Marco Antônio Davila, presidente, explica, o diferencial da companhia é o pós venda.


DAF, de Ponta Grossa, líder mundial em cavalos mecânicos


FORD – Sua operação de caminhões é quase exclusividade, dividindo com a Turquia desenvolvimento e produção. 

Na Fenatran exibiu a nova turca van Transit; anunciou a volta a produção do caminhãozinho F4000; renovou o líder 816; e fez apresentação formal do que chama de extra pesado, os 2842 e 2042. 

Mudou novamente os motores. Agora FPT. Apresentou o novo diretor de caminhões, Guy Rodriguez.

Ford 2842


Iveco – Exibiu o extra-pesado Stralis Hi-Way. Também nova geração do Tector Economy, 300cv em duas versões, e tres novos produtos: Tector Attack 280, off-road Trakker e o médio Vertis HD. 

Seriação está no programa de levá-la, a médio prazo, à terceira posição em vendas. Primeira a MAN, segunda Mercedes.


 Iveco Stralis Hi Way


Hyundai – Na Fenatran 2011, a Hyundai apresentou seu caminhão HD 78, criticando todos os outros fabricantes quanto a produtos e vendas.

Passados dois anos, o HD 78 vendeu mínimas unidades apesar de ter aberto mão do motor coreano, trocando-o por ítalo-mineiro, o FPT. 

Na apresentação, performance de Luiz Sérgio, diretor Pós-venda, sem assunto ou resultados mesclava o HD 78 com o pequeno HR sempre aplicado a uso urbano. Do HD 78 versão traçada.

MAN – Líder, a MAN Latin America fez efeito demonstração e apresentou 14 produtos, abrindo amplo leque de motores, potências, tonelagens, entre 150 e 480 cv de potência. 

Nos mais vendidos, os Constelation 19.420. 25.420 e 26.420, motores Cummins de 420 cv e transmissão automatizada com gerencia eletrônica. 

Topo da linha, o MAN TGX 29.480 6x4 para longas distâncias. Meados de 2014



 Topo de linha, o MAN TGX29.480


Mercedes – Ex-líder, fez profissão de fé, anunciando, pelo presidente Philipp Schiemer, investir mais R$ 1 bilhão para fazer caminhões e ônibus, desenvolver novos produtos, nacionalizar o extra-pesado Actros. 

Na mostra, o VUC – veículo urbano de carga, os que podem circular nas cidades – Accelo 1016, com 3º. eixo, e ABS de série -; o Atego 2430 Econfort, primeiro semi pesado com transmissão automatizada. 

A linha das vans Sprinter ocupou bom espaço e os problemas paulistanos de trânsito e segurança instigaram a marca a desenvolver o que chamou de Limousine Sprinter, teto alto, cuidados internos para conforto e entretenimento e trabalho. 

A verba não se confunde com a arrancada para a produção de automóveis.

Sprinter Limousine – atual conjuntura


Metro-Schacman – Chinesa com dois extremos e dois operadores: Metro-Schacman e Schacman, difícil de entender a operação e os limites de atuação de cada uma. 

A Metro-Schacman reduziu os preços dos caminhões importados – cavalo mecânico TT 385 4x2 a R$ 200 mil; TT 385 6x4 a R$ 210 mil. Topo de linha, o TT com 420 cv, 56x4, a R$ 220 mil. 

Exibiu, também, protótipo do TT 440 6x4, modelo que diz produzira no País com partes fornecidas por mais de 40 fornecedores: motor Cummins, transmissão automatizada e mecânica, Eaton e ZF, eixos Dana e Meritor.

Scania – Contida em lançamentos, o super pesado R 620 8x4, capaz de puxar 250 toneladas, e o novo médio P 310 6x4. 

Celso Mendonça, gerente de Pré-vendas, esnobou com a exclusividade do único motor de ciclo diesel movido a álcool. 

Enfatizou o Streamline, que sugere tipo de caminhão, mas é sistema integrado de produtos e serviços.

Roda-a-Roda

Micou – Acabou a produção dos BMW série 1.

Saiu – Há preços para as versões do Ranger Rover Sport, considerado o melhor dos Land e superior a boa parte da renda de frequentadores do segmento do utilitário esportivo de luxo. 

Vai de R$ 377.500 para a versão V6, 3.0 – 292 cv -, a R$ 540 mil para a de topo, dita Autobiography Dynamic, motor V8, 5.0, 510 cv. Vendas começam imediatamente.

Mudança – Distante, mas importante por ser concorrente sugando investimentos que viriam ao Brasil, o mercado russo verá outro mandão na ex-estatal GAZ: Bo Anderson, sueco, ex-Saab, levado pela GM, ex-sócia do negócio. 

Foi quem passou a limpo a manufatura estatal para transformar os Lada em veículos consideráveis.

Futuro – Aval da sócia com conhecimento é a união Renault-Nissan, gestora a partir de meados de 2014. 

Vendas da GAZ em queda. Vendas domésticas previstas em 2,8M em 2013.

Estudo – Com a economia desorganizada, num clima de cada um por si entesourando dólares fora da contabilidade oficial, o mercado doméstico argentino dará um salto neste ano, prevendo vender 800 mil unidades. Passará os usuais 1/5 do mercado brasileiro, este ano calculado em 3,8M.

Democracia – Plus em Mercedes são as letras AMG indicando desenvolvimento pró performance por esta divisão da marca. 

Os novos A, base de entrada, passam por este batismo. Dúvida é, a democratização e o volume não acabarão com o luxo e a diferenciação?

Competência – Pesquisa indicou a Porsche Consulting GmbH, desta família, como, de longe, com a melhor reputação dentre as empresas de consultoria. 

Sucesso explicável pela dedicação ao tema, ao cliente, e no envolvimento operacional e administrativo. Tem filial no Brasil. Em 1994, tinha quatro funcionários. Hoje, 350.

Conselho - Oportuno lembrar, no pânico de caixa em que o P
aís vive, mudando critérios contábeis, vendendo patrimônio para fechar as contas do varejo, desperdiçamos oportunidade: poderíamos alugar as ruas e estradas brasileiras para fábricas de automóveis de todo o mundo aqui testar carrocerias e suspensões dos futuros produtos. 

Economia - Reproduzir as árduas condições nacionais, de exigência superior ao máximo existente nas pistas de prova, exigira muito investir em pistas próprias, sendo infinitamente mais barato pagar aluguel para testes. 

Carro que é aprovado para o Brasil pode beirar a eternidade em países civilizados.

Dualidade – Que venham logo. Será problema encontrar estrada ruim até o final do governo. 

Disse o ministro dos Transportes em encontro com grupo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais –, hoje, apenas 12% das estradas estão em más condições, ao final de 2014 tal número chegará a zero e todas estarão em boas condições de tráfego. O ministro César Borges é baiano e engenheiro.

Dúvida – Em sua pasta, com intimidade policial por conta de continuados escândalos com verbas públicas, empresa com capital de R$ 10 mil, corrigiu-o para R$ 2,1milhão e ganhou concorrência para fornecer R$ 750 milhão em trilhos para a Ferrovia Norte-Sul. A licitação foi suspensa duas vezes por irregularidades.



O Circuito do Velo Cittá 


Competência – O Velo Cittá, circuito de corridas em Mogi Guaçu, SP, é o terceiro circuito homologado pela FIA – antecedem-no Interlagos e Curitiba. 

Construído pelo empresário Eduardo Souza Ramos, é de primeira qualidade, como o que faz, e, ao contrário de parecer capricho, é investimento, recebendo provas do Lancer Cup, Mitsubishi, provas de Porsche, Classic Cup, lançamento de veículos, etcccc.

Garantia para caminhoneiros
Caminhão não é igual a automóvel. Este, para transporte individual e lazer, o outro, para trabalho. 

Assim, não podem, em caso de quebra, pane, necessidade de reparos, imobilizar-se em local sem assistência ou peças para manter-se funcionando.

Quando a Fiat Caminhões chegou ao Brasil com seu inicial modelo 130, diesel, seis cilindros em linha, seu fabricante, a antiga estatal Fábrica Nacional de Motores, sabia, para sedimentar a marca deveria dispor de assistência técnica espraiada pelo País. 

Anos 70, vias rasgando a selva, rodoviarismo a pleno acelerador, criando oportunidade ao caminhoneiro individual, sua rede de revendedores era inferior ao projeto de vendas.

A dificuldade foi vencida por entusiasmo e coragem de um italiano radicado no Rio de Janeiro, o Alfredo Migani, revendedor e boa assistência para automóveis Alfa Romeo, em especial os importados.

Migani, para ampliar negócios, ofereceu-se para revender caminhões e garantiu à Fiat/FNM e clientes dos caminhões por ele vendidos, resolver qualquer problema mecânico, onde estivesse o veículo, até nas distantes Belém-Brasília ou nos pedaços utilizáveis da Transamazônica.

Proposta corajosa mas factível. Migani tomou seis unidades do FNM 2150, luxuoso automóvel nacional que também revendia, mandando-os a Renato Peixoto, o Peixotinho, na oficina RePe, Petrópolis, RJ, lá reforçou a estrutura, pouco elevou a altura do veículo, cortou a carroceria após a Coluna B, criando pioneiro e simpático picape sobre automóvel no Brasil.

Tão insólito quanto os picapes era o processo de atendimento. Cliente informava quebra, por exemplo, na bomba de injeção, e a Victori carregava um motor completo – o mesmo para câmbio, direção, diferencial. 

Os carros, rápidos – reais 160 km/h, estradeiros, - com dois motoristas/mecânicos, iam, trocavam o grupo defeituoso, liberavam o caminhão, voltavam à sede carioca para desmontar o sistema e sanar o defeito.

Funcionou como inovação, serviço. Remanescem a ideia, o Alfredo, e crê-se, um dos rápidos picapes.


Picape FNM 2150, garantia para camioneiro
____________________________________

Endereço eletrônico: edita@rnasser.com.br 
Fax: 55.61.3225.5511

terça-feira, 29 de outubro de 2013

O TRADICIONAL CLUBE DO CARRO ANTIGO SUGERE QUE OS ANTIGOMOBILISTAS PARTICIPEM DOS ENCONTROS QUE PROMOVE




ACCASC


O Clube do Carro Antigo respeita a sua privacidade e é contra o spam.
Esperamos que tenha apreciado as novidades e o conteúdo de nosso site.
Caso não queira mais receber e-mails do Clube do Carro Antigo clique abaixo
Remover E-mail

Não responda este e-mail. Para contato, envie e-mail para:
c o n t a t o @ c l u b e d o c a r r o a n t i g o . c o m . b r

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

JAC MOTORS ASSINA PARCERIA COM SEIS NOVOS FORNECEDORES PARA SUA FÁBRICA DE CAMAÇARI. A PREVISÃO DE INVESTIMENTOS NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS UNIDADES E AMPLIAÇÃO DAS ATUAIS LINHAS DE PRODUÇÃO É DE R$ 120 MILHÕES, GERANDO MAIS 450 POSTOS DE TRABALHO


Cumprindo a previsão anunciada pelo presidente da JAC Motors Brasil, Sérgio Habib, um grande número de sistemistas e fornecedores seria anunciado no último trimestre de 2013. 


Depois da certificação de Usiminas, Valeo e Autolin, a JAC Motors acaba de assinar contrato com seis novas empresas: Plascar (fabricante de pára-choques), Weldmatic (subconjuntos soldados), Tudor (baterias), Hutchinson (acabamentos de borrachas), Pilkington (vidros) e, numa segunda linha de produtos, novamente a Antolin, desta vez no fornecimento de painéis de portas.

O Complexo Industrial JAC Motors será inaugurado no final de 2014 e, quando estiver produzindo em plena capacidade, fará 100 mil automóveis de passeio e 10 mil veículos comerciais por ano. 


“Apesar das chuvas torrenciais que caíram nos últimos meses, que gerou algum atraso na conclusão da terraplenagem e no início da obra civil, o trabalho de desenvolvimento de fornecedores continua normalmente. Já temos oito parceiros com contratos assinados”, comemorou Habib.

Considerando a soma dos investimentos que serão efetuados por essas empresas para atender à demanda solicitada pela JAC Motors, o que inclui ampliação de linhas atuais de produção ou mesmo a construção de novas plantas, a quantia total chega a R$ 120 milhões, com previsão de geração de 450 novos empregos.

BMW LANÇA NO BRASIL OS NOVOS MODELOS 320i GT SPORT, 328i GT M SPORT, POR PREÇOS A PARTIR DE R$ 159.950,00. E O X5 xDRIVE50i, A PARTIR DE R$ 399.950,00


Para ampliar a gama oferecida pela marca, em dois segmentos distintos, porém com características em comum: luxo, conforto e alta performance, a BMW lança no Brasil os novos BMW 320i GT Sport, 328i GT M Sport, e BMW X5 xDrive50i.

BMW Série 3 GT
Com design coupé, sofisticado e dinâmico, a Série 3 GT é ideal para quem busca excelente espaço interno aliado à esportividade. 


Sua silhueta elegante e relativamente baixa, com o teto inclinado, enfatiza as colunas B e C em preto de alto brilho e destaca a linha contínua das janelas, transmitindo dinamismo e esportividade. 

Essas características são reforçadas, ainda, pelos faróis e lanternas com design alongado e para-choques envolventes.


Design e conforto
Com interior sofisticado, a BMW Série 3 GT oferece excelente espaço interno, com conceito lounge, convidando para longas viagens. 

O porta-malas é amplo e funcional, com capacidade que varia de 520 a 1.600 litros. 

A elegância é acentuada por detalhes em aço escovado, bancos dianteiros esportivos com ajuste elétrico, teto solar panorâmico e ar-condicionado automático digital.

O alto nível de conforto é complementado pelo sistema multimídia, que conta com DVD drive, navegador, tela de alta resolução de 8,8”, câmera de ré, som Hi-Fi com amplificador, equalizador e nove alto-falantes, pacote de conectividade, Bluetooth e novo BMW iDrive touch controller – com função “touch” na superfície do dispositivo, com reconhecimento de sinais e letras.


Tecnologia e desempenho
Por meio do BMW ConnectedDrive, o condutor pode aproveitar ainda mais sua viagem, com informação e entretenimento. 

Somado ao BMW Apps, o usuário tem acesso a todas as informações do veículo, além de acesso à internet, incluindo redes sociais, mapas, localização de hotéis e restaurantes, entre outros serviços.

O BMW 320i GT Sport e o BMW 328i GT M Sport são equipados com motor 2.0 quatro cilindros TwinPower Turbo, com injeção direta de combustível e transmissão automática de oito velocidades, com shift paddles para troca de marchas no volante. 

No 320i GT Sport, este propulsor desenvolve 184 hp de potência e 270 Nm de torque a 1.250 rpm. Esta versão traz rodas aro 18”.

No BMW 328i GT M Sport, o motor 2.0 gera 245 hp de potência e 350 Nm de torque a 1.250rpm. 


Além das rodas aro 19”, a versão possui suspensão de alta performance da linha M, divisão esportiva da marca.


Um dos destaques do Série 3 GT é a tecnologia EfficientDynamics, presente por meio do sistema Driving Experience Control, que inclui o modo ECO PRO. 

Quando ativado, este recurso permite uma condução mais eficiente, visando a redução de consumo de combustível e, consequentemente, a emissão de gases, ainda mantendo um desempenho superior.

O pacote de alto desempenho da linha ainda inclui controles de estabilidade e tração, saídas de ar laterais e aerofólio traseiro ativo. 

Este novo recurso é ativado automaticamente a 110 km/h e recolhido a velocidades inferiores a 70 km/h.

Além de proporcionar um visual mais esportivo, o componente aumenta a pressão no eixo traseiro, garantindo uma estabilidade direcional perfeita em alta velocidade. Ele também pode ser acionado manualmente, pressionando um botão.



“Apostamos que o BMW Série 3 GT será um lançamento muito bem-sucedido. O modelo possui design sofisticado e acabamento luxuoso, oferece o melhor espaço interno em seu segmento, além do desempenho esportivo. Com esse modelo, vamos preencher uma lacuna no mercado nacional, oferecendo um Gran Turismo sofisticado e de última geração”, afirma Herlander Zola, diretor de Marketing da BMW do Brasil.

O BMW 320i GT Sport chega ao mercado nacional por R$ 159.950;


o BMW 328i GT M Sport está disponível por R$ 204.950.

BMW X5 xDrive50i




Em sua terceira geração, o pioneiro BMW X5 (SAV premium que inaugurou essa categoria) consolida-se como líder mundial em seu segmento, oferecendo o mais alto nível de luxo e sofisticação aliado à esportividade e versatilidade. 

O modelo desembarca no país na nova versão xDrive50i em cinco configurações: Endurance com 5 lugares e 7 lugares; Experience com 5 lugares e 7 lugares; e M Sport com 5 lugares.


Design e conforto
A primeira característica de destaque do BMW X5 xDrive50i é seu design atraente e robusto.

Na dianteira, o para-choque foi remodelado e as entradas de ar estão mais próximas das extremidades. 

Com capô alongado, a grade com sete barras cromadas ganhou ainda mais destaque, reforçando a característica de um legítimo Sport Active Vehicle. 

Nas laterais, as saídas de ar, as linhas em formato de cunha e a coluna “C” levemente inclinada evidenciam a esportividade e dinamismo do modelo. 

A traseira apresenta a mesma harmonia, com para-choques envolventes, vidro amplo e lanternas com LEDs.

No interior, o BMW X5 xDrive50i oferece alto padrão de requinte e conforto a todos os ocupantes, incluindo os passageiros da terceira fileira – no caso das versões com sete lugares. 

Com design moderno, o painel apresenta superfícies em camadas curvas, ampliando sua extensão e se unindo aos painéis das portas. 


O acabamento traz materiais nobres, como revestimento de couro nos bancos e componentes em alumínio e madeira, que variam de acordo com a versão. 


Entre os itens de conforto, há ajustes elétricos e aquecimento nos bancos dianteiros, ar-condicionado automático de quatro zonas e sistema multimídia completo, com áudio, vídeo, navegador e conectividade.

O sistema de som e imagem é comandado por uma unidade principal High End da Harman Kardon e inclui alto-falantes médios, tweeters, canal central e subwoofers, duas telas traseiras de 9.2” e câmera com Top View. 

O modelo ainda traz sistema de conectividade com acesso ao BMW Apps para Apple e Android, com aplicativos para maior gama de sistemas móveis; iDrive com touch controller; comando por voz em português; e a sexta geração do sistema de navegação com recursos do mapa em 3D.

Tecnologia e desempenho
A alta performance do BMW X5 xDrive50i é outro destaque deste Sport Active Vehicle. 

Seu motor 4.4 V8, com TwinPower Turbo e injeção direta de alta precisão, desenvolve 450 cv de potência entre 5.500 e 6.000 rpm - o que corresponde a 50 cv adicionais em relação à versão anterior - além de 650 Nm de torque de 2.000 a 4.500 rpm. 

Outro destaque é que, além do ganho de desempenho a nova BMW X5 melhorou em 17% sua eficiência no que diz respeito ao consumo de combustível.

O novo propulsor trabalha em conjunto com uma transmissão automática de oito velocidades, com shift paddles, e tração integral, permitindo uma condução esportiva e excelente desempenho tanto em baixas quanto em altas rotações. 


O modelo vai de 0 a 100 km/h em 5 segundos e atinge a velocidade de 250 km/h.
Entre os recursos tecnológicos voltados para a segurança estão controles de tração e estabilidade, além de freios com ABS e o sistema de head-up display. 


Nas versões Endurance e Experience, as rodas são aro 19”. Na versão M Sport, o BMW X5 xDrive50i traz o sistema de som Bang&Olufsen, rodas aro 20” e conjunto de suspensão adaptativo, possibilitanto equilíbrio entre conforto e esportividade, por meio de ajuste eletrônico dos amortecedores. 

Outra exclusividade é o BMW Night Vision, sistema que reconhece pessoas e pontos de luz. 

Uma câmera de infravermelho reconhece pessoas ou animais pela temperatura corporal e a imagem é projetada no display do iDrive e no painel de instrumentos.

“O novo BMW X5 evoluiu muito em todos os aspectos: design, potência, consumo e, principalmente, tecnologia, com dispositivos como o head-up display e o Night Vision, entre outras novidades que seduzirão os clientes. Essa percepção de evolução já começa antes mesmo de olhar para o carro – o design da chave, por exemplo, é incrível”, afirma Zola.

Os preços do novo BMW X5 xDrive50i são: 

Endurance e Experience com 5 lugares, R$ 399.950; 
Endurance e Experience com 7 lugares, R$ 404.950; e 
M Sport, R$ 429.950.

VOLVO LEVA À FENATRAN 2013 O PRIMEIRO CAMINHÃO MOVIDO A GÁS E O MAIS POTENTE DO MUNDO, O FH16


Um dos maiores fabricantes mundiais de caminhões, a Volvo apresenta na Fenatran 2013 o que há de melhor e mais avançado em caminhões e em soluções de transporte. 



A começar pelo FH16, o caminhão mais potente do mundo, com um motor de 16 litros e 750cv, indicado principalmente para o transporte de cargas indivisíveis.

A Volvo também está exibindo os seus novos caminhões VM. “Atualizamos a linha VM para reafirmar nosso compromisso de oferecer o que há de melhor nesta classe de veículos.
Além dos novos modelos 4x2, 6x2 e 6x4, agora a Volvo produzirá os VMs nas configurações 8x2 e 8x4”, revela Francisco Mendonça, gerente de Caminhões da Linha VM. 

Caminhões que segundo ele têm um visual completamente diferente da geração anterior: "a cabine do novo VM tem uma aparência muito próxima à dos novos caminhões FH lançados recentemente", adiantou.


A quarta geração de caminhões da linha VM que está sendo apresentada na Fenatran poderá, em breve, sair de fábrica equipada com a renomada caixa de câmbio eletrônica I-Shift, reconhecida internacionalmente por proporcionar uma série de benefícios.

“É uma transmissão que experimentou um sucesso espetacular em poucos anos”, destaca Bernardo Fedalto, diretor de Caminhões Volvo no Brasil.


Financiamento
A Volvo Financial Services oferecerá diversas opções para aquisição dos caminhões Volvo, na Fenatran 2013. 


A VFS tem um banco voltado para a oferta de soluções integradas aos clientes nos diversos segmentos de transporte, que agreguem valor e facilitem o dia a dia do transportador. 

“Na Fenatran, teremos opções de financiamento, seguros e consórcio”, anuncia Márcio Pedroso, presidente da Volvo Financial Services Brasil.

Entre as soluções desenvolvidas pelo pós-venda estão: programas de manutenção, peças e lubrificantes genuínos, peças remanufaturadas Volvo (Reman) e o Volvo Atendimento Rápido (Voar) e o serviço de atendimento emergencial da marca.

GNL e diesel


A Volvo ainda está expondo na Fenatran o primeiro caminhão movido a GNL (Gás Natural Liquefeito) e a diesel que está sendo testado no Brasil: um FM 460cv, movido com aproximadamente 70% GNL e o restante a diesel. 

“Esta é uma tecnologia viável. O gás liquefeito é uma importante alternativa para os atuais combustíveis”, declara Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo América Latina.


Volvo lança na Fenatran o FH16 750, o caminhão mais potente do mundo

A Volvo está lançando no Brasil o caminhão mais potente do mundo. O FH16 com 750cv está sendo apresentado no estande da marca na Fenatran 2013, a mais importante feira de transporte comercial da América Latina. 

O caminhão faz parte da nova linha FH lançada recentemente na Europa. O FH16 é indicado para operações em que se exige grande performance do veículo, principalmente para o transporte de cargas indivisíveis.

“Estamos trazendo da Europa o mais potente e mais avançado caminhão neste segmento para atender uma demanda do mercado brasileiro de transportes”, declara Roger Alm, presidente do Grupo Volvo América Latina. 

Esta versão do FH16 750cv é indicada para cargas pesadas, e é capaz de tracionar 200 toneladas de PBTC (Peso Bruto Total Combinado).

“É um caminhão excepcional, com muita potência e torque, direcionado para atender os transportadores que precisam de um caminhão com extrema capacidade de carga”, diz Bernardo Fedalto, diretor de Caminhões Volvo. 

Com a expansão econômica brasileira e o início de construção de grandes obras por todas as regiões do País nos últimos anos, o mercado local cada vez mais necessita de veículos com mais força e torque, durabilidade e produtividade.

O FH16, na configuração cavalo mecânico 8x4, é equipado com o consagrado D16G, um motor de 16 litros, 750cv de potência e que alcança um torque de 3550Nm. 

“É uma invejável configuração, para atender com folga as rigorosas exigências dos transportadores que têm veículos especializados no carregamento de cargas indivisíveis, por exemplo”, afirma Álvaro Menoncin, gerente de Engenharia de Vendas da Volvo no Brasil.

O motor de 750cv entrega 2800Nm de torque já a 900 rpm. Depois disso, a curva de torque sobe rapidamente e atinge seu pico de 3550 Nm a 1050 rpm, e este elevado torque continua na faixa plana até 1400 rpm. 

“Isto possibilita manter velocidades médias mais altas, mesmo nas subidas e inclinações mais íngremes, garantindo maior produtividade do transporte”, diz o gerente.

Quanto mais potência houver à disposição a baixas rotações no início do transporte de cargas pesadas, menor o esforço colocado sobre o motor e mais alta a eficiência em combustível.

“Grande potência, alta tecnologia e um design inovador. Nos atrevemos dizer que este é o caminhão dos sonhos de todo transportador. Ele é único”, destaca o diretor de caminhões da Volvo.

Exclusividade
A cabine do FH16 traz o novo design da nova linha FH lançada recentemente na Europa, com detalhes únicos e exclusivos. 

Grade frontal e maçanetas cromadas, bancos com ajustes elétricos forrados em couro e teto solar são alguns dos itens de série neste veículo. Veja abaixo outros itens que tornam o FH16 750cv especial e único:


- Novo design da cabine

- Novo painel

- Câmera auxiliar de ré/manobras

- Teto solar (sky window)

- Freios EBS

- Freios VEB + Retarder, alcançando 1180cv de potência

- Faróis de xenônio

- Suspensão de traseira eletrônica ECS

- Geladeira

- Maior espaço interno

- Lanternas traseiras de LED

- Cor exclusiva perolizada (preto FH16, mystic fjord pearl)

Máximo desempenho
“Com o Volvo FH 750cv podemos oferecer um caminhão com o máximo em desempenho e eficiência em combustível”, complementa Alexander Boni, gerente de caminhões da linha F. 

O motor é otimizado para proporcionar alta potência e torque e a consagrada caixa de câmbio eletrônica I-Shift é de série. 

O caminhão vem equipado também com a direção elétrica VDS (Volvo Dynamic Steering), servo-assistida hidraulicamente. 

É a mais avançada tecnologia de direção existente em transporte comercial, que torna muito mais fácil dirigir um caminhão pesado, com todo o conforto e a segurança possíveis.


Linha VM tem agora caminhões com as configurações de eixos 8x2 e 8x4

O estande da Volvo na Fenatran exibe os novos caminhões VM nas configurações de eixo 8x2 e 8x4. “São veículos voltados principalmente para aplicações vocacionais”, afirma Bernardo Fedalto, diretor comercial de caminhões do Grupo Volvo no Brasil. 

Agora, a oferta da linha VM é formada por veículos 4x2, 6x2, 6x4, 8x2 e 8x4.

Nas configurações 8x2 e 8x4, os transportadores podem usar o novo VM para rodar em operações de média distância, transportando matérias primas e produtos industrializados, entre outros. 

Na aplicação vocacional, as betoneiras e caçambas são um bom exemplo para o VM 8x4. 

“Os novos veículos de quatro eixos são uma excelente opção para trajetos variados. São caminhões versáteis e muito adequados à atuais necessidades de aumento de capacidade transportada”, diz Fedalto.

“Estamos constantemente desenvolvendo novos produtos que possam agregar mais valor para o transportador brasileiro. Os novos veículos com quatro eixos garantem um rendimento energético melhor, proporcionando maior rentabilidade ao transportador”, complementa Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo América Latina, referindo-se a um consumo menor por tonelada transportada.

Os caminhões com quatro eixos garantem aumento de capacidade de carga. “Nosso compromisso é desenvolver e fabricar o melhor caminhão do mercado”, diz Fedalto. Os novos VMs 8x2 e 8x4 são os mais recentes desenvolvimentos nesta área.

Novos caminhões VM com quatro eixos têm maior capacidade de carga

Os novos caminhões com quatro eixos que a Volvo está mostrando na Fenatran proporcionam um aumento de 22% na capacidade de carga líquida, saltando de um PBP (Peso Bruto Total) de 23 toneladas para 29 toneladas. 

“É praticamente um ganho de uma a cada quatro viagens”, declara Bernardo Fedalto, diretor de caminhões do Grupo Volvo no Brasil.

Os VMs 8x2 e 8x4 podem rodar em operações de média distância, transportando matérias primas e produtos industrializados, por exemplo. Os novos veículos são uma ótima opção para viagens entre 200 e 400 quilômetros.

“Dependendo do tipo de operação, os caminhões com quatro eixos podem transportar cerca de 5 toneladas a mais de carga líquida em relação a um veículo de 3 eixos”, diz Ricardo Tomasi, engenheiro de vendas da Volvo no Brasil. 

“Na prática, esse aumento representa um ganho de uma a cada quatro viagens”, calcula Sérgio Gomes, diretor de estratégica de caminhões do Grupo Volvo América Latina.

“O consumo de combustível é o maior gasto na planilha de custos de uma operação de transporte. Com os caminhões VM, temos o menor consumo por tonelada transportada”, diz Álvaro Menoncin, gerente de engenharia de vendas de caminhões do Grupo Volvo no Brasil.

Benefícios
Ao adquirir um caminhão com quatro eixos de fábrica, o transportador ganha também tempo, pois não precisa mandar um caminhão 6x2 para colocar mais um eixo em um implementador. 

“É um tempo precioso, que pode ser usado com o caminhão rodando na estrada”, comenta Marco Mildenberg, engenheiro de planejamento do produto da Volvo. 

Além desta vantagem, ele enumera outros benefícios: garantia de fábrica, confiabilidade de um produto Volvo e um projeto desenvolvido pela própria marca.

Caminhões VM poderão ser equipados com a renomada caixa de câmbio eletrônica I-Shift

A quarta geração de caminhões da linha VM que está sendo apresentada pela Volvo na Fenatran poderá, em breve, sair de fábrica equipada com a renomada caixa de câmbio eletrônica I-Shift, reconhecida internacionalmente por proporcionar uma série de benefícios ao transportador. 

“Grande parte do sucesso da I-Shift se deve a sensível redução no consumo de combustível que proporciona”, diz Bernardo Fedalto, diretor de caminhões do Grupo Volvo para o Brasil.

A caixa de câmbio que está sendo introduzida nos caminhões VM é a mesma que equipa o FH, o caminhão extra-pesado da Volvo, um dos líderes de vendas no Brasil em seu segmento. A I-Shift está presente em mais de 90% dos caminhões FH que saem da linha de produção. 

“É uma transmissão que experimentou um sucesso espetacular em poucos anos”, destaca Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo na América Latina.

“Além de um consumo menor, esta transmissão garante maior conforto para o motorista e segurança para todo o conjunto”, diz Francisco Mendonça, gerente de caminhões da linha VM. 

Mais moderna que as transmissões semelhantes existentes hoje no mercado, a caixa eletrônica Volvo tem embreagem, mas não tem pedal.

Na prática, isso significa que o motorista não precisa fazer nenhum esforço e não se preocupa em trocar marchas. No modo automático, por exemplo, é só acelerar e frear. 

“Tudo é feito de forma eletrônica, precisa e suave. Sem contar que a manutenção é menos frequente”, observa Mendonça. 

No modo manual, as trocas também são precisas e garantem excelente dirigibilidade.

O grande número de marchas à disposição é indicado no display do computador de bordo. O motorista pode se situar melhor durante a condução do caminhão. 

No visor, ele pode monitorar em que marcha está naquele momento e quais são as outras disponíveis, tanto para baixo como para cima.

E o motorista também pode escolher o modo de condução: econômico, quando está em velocidade de “cruzeiro”, ou de potência, quando, por exemplo, está trafegando por um trecho bastante íngreme. Para garantir o conforto do condutor, o seletor foi instalado ao alcance da mão.

Além de ter carcaça em alumínio e de não ter o conjunto de sincronizadores, o sistema otimiza o trabalho do trem de força. 

“Todo o conjunto faz com que haja menos perdas de energia em virtude do número menor de componentes em atrito e do peso reduzido”, destaca Marco Mildenberg, engenheiro de planejamento do produto do Grupo Volvo no Brasil.

Mudanças inteligentes
A transmissão eletrônica Volvo possui outra característica importante para a correta condução do veículo: o sistema inibidor de trocas indevidas. 

“Ele impede a troca de marcha caso a rotação do motor não seja a mais adequada num determinado momento”, diz Mildenberg.

Uma das muitas características do sistema da caixa I-Shift é que seu “cérebro” eletrônico registra as condições de condução e o peso bruto do veículo antes de selecionar a marcha inicial mais adequada.

As 12 marchas e a eletrônica integrada ao motor proporcionam o máximo de conforto ao dirigir. 

As trocas de marchas são feitas de maneira suave e silenciosa, ajustando os padrões de mudanças de acordo com as condições reais de condução. 

“Quem dirige um caminhão com a caixa I-Shift não quer mais voltar para a caixa manual. Nada se compara a uma Volvo I-Shift”, finaliza Fedalto.





As gerações do Volvo VM que mudaram o mercado latino-americano de caminhões





Os Volvo VM fazem parte da quarta geração de uma linha de caminhões que transformou o mercado brasileiro de veículos comerciais. Quando foi lançado no final de 2003, o VM trouxe inovações que eram desejadas e que repercutiram de imediato. “A cabine leito introduzida pela Volvo era uma necessidade dos transportadores e dos motoristas, que há muito tempo queriam um ambiente de trabalho mais moderno, melhor e mais confortável”, lembra Bernardo Fedalto, diretor de caminhões do Grupo Volvo para o Brasil. “Contribuímos para mudar todo um segmento”, complementa Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo na América Latina.



Os primeiros VM que chegaram ao mercado eram veículos semipesados, com chassi rígido e opções de eixos 4x2 e 6x2. “O VM era o único caminhão brasileiro em sua classe a ter cabine leito, coluna de direção ajustável, um sistema de basculamento hidráulico da cabine, dois tanques opcionais de combustível de maior capacidade, além de opcionais importantes para a operação de transporte, como imobilizador e climatizador. Foi realmente uma grande mudança neste segmento”, diz Francisco Mendonça, gerente de caminhões da linha VM.



Inovação



Em 2005, a Volvo voltou a inovar e apresentou ao mercado brasileiro e latino-americano a segunda geração da linha VM. “Os modelos da nova linha chegaram com avançados motores eletrônicos e piloto automático”, destaca Gomes. E duas grandes novidades foram introduzidas: o cavalo mecânico VM, na configuração de eixos 4x2, com motorização eletrônica de 310 cv, e os VM rígidos rodoviários de 210cv e de 260cv, além dos rígidos 6x4 de 260cv e 310 cv, toda a linha com motores Euro 3.



O cavalo mecânico VM 4x2 era um caminhão voltado para o segmento de transporte que necessitava de veículos para carretas com até três eixos. Com o family look dos veículos da marca, a segunda geração também foi uma evolução: tinha um motor de 6 cilindros e um eixo para 43 toneladas com bloqueio de diferencial. O trem de força tinha uma caixa de câmbio Volvo, já consagrada no mercado brasileiro e em outros países do continente - a VT2214B, a mesma do FH.



Terceira geração



Em 2011, o mercado recebia a terceira geração VM, já com motores Euro 5, com as opções de veículos rígidos de 220cv, 270cv e 330 cv, e o cavalo mecânico também de 330cv. No mesmo lançamento a Volvo apresentava os VM vocacionais rígidos com propulsores de 270cv e de 330cv. A nova geração chegava com a tecnologia SCR para atendimento da legislação de emissões Euro 5/Proconve P7, oferecendo ainda opções de caixa de câmbio e eixos traseiros para atender a todas as necessidades dos transportadores. “E, mais uma vez, o VM se destacava por seu baixo consumo de combustível, grande disponibilidade e robustez”, diz Álvaro Menoncin, gerente de engenharia de vendas da Volvo no Brasil.





Caminhões Volvo têm soluções em financiamentos, seguros e consórcio





A Volvo Financial Services, divisão do Grupo Volvo responsável pelo financiamento dos produtos da marca, oferecerá diversas opções para aquisição dos caminhões Volvo apresentados na Fenatran 2013. “Somos um banco voltado para a oferta de soluções integradas aos clientes nos diversos segmentos de transporte, que agreguem valor e facilitem o dia a dia do transportador. Na Fenatran, teremos opções de financiamento, seguros e consórcio”, afirma Márcio Pedroso, presidente da Volvo Financial Services Brasil.



Para aquisição dos produtos na feira, o Banco Volvo oferece diversas opções desenvolvidas a partir do grande conhecimento que possui da aplicação dos produtos e das necessidades dos clientes.

Entre as modalidades de aquisição estão o Finame e as linhas de crédito CDC. Com prazos de até 60 meses, as opções de financiamento atendem aos mais variados segmentos de transporte. A linha de Finame para aquisição de caminhões tem sido a modalidade mais utilizada pelos clientes, sejam transportadores autônomos ou empresas de pequeno, médio e grande porte. O financiamento via repasse do Finame pode ser contratado na modalidade PSI, THJLP ou Pro-Caminhoneiro.

A opção CDC (Crédito Direto ao Consumidor) também apresenta vantagens, como a facilidade de contratação e parcelas fixas, do início ao final do contrato. Para segmentos afetados pela sazonalidade da produção, o Banco Volvo oferece o Financiamento Sazonal, via CDC, que ajusta as parcelas de acordo com o fluxo de caixa do cliente.



Os clientes também poderão planejar a aquisição dos caminhões por meio do Consórcio Volvo. Para a nova linha VM, por exemplo, o Consórcio Volvo está lançando um grupo especial, com 300 participantes, 100 meses de duração e parcelas reduzidas até a contemplação. O consórcio é uma excelente modalidade de aquisição para os transportadores que querem ter uma programação de investimentos ao longo do tempo, independentemente das oscilações do mercado. “Com o consórcio, o transportador garante um processo contínuo de renovação e ampliação da frota”, destaca Pedroso.

A quarta geração dos caminhões VM chega com custos muito competitivos para contratação de seguros. “Com os Seguros Volvo, os transportadores têm a possibilidade de contratar coberturas específicas para o seu segmento de atuação, além de benefícios exclusivos combinados com as soluções de pós-venda do Grupo Volvo, como os planos e manutenção e o treinamento de motoristas”, explica o presidente.



Todos os caminhões adquiridos no período da Fenatran terão descontos entre 5% e 15% na contratação do seguro. Os descontos valerão apenas para pedidos fechados durante a feira e faturados até o final do primeiro trimestre de 2014. Os descontos serão progressivos de acordo com a segmentação do transporte e região de atuação. Ao adicionar programas de manutenção e treinamento de motorista, os clientes adicionam outros descontos, ampliando o benefício aos transportadores na contratação do seguro.



A Volvo Financial Services é uma divisão de negócios do Grupo Volvo, presente em mais de 40 países, onde desenvolve soluções integradas para dar suporte às vendas em todos os segmentos de atuação do Grupo Volvo.





Soluções de pós-venda aumentam a disponibilidade dos caminhões Volvo





Os novos caminhões VM lançados recentemente e as demais linhas de veículos da Volvo estão totalmente respaldados pelas soluções de transporte da marca. Oferecidos pela área de pós-venda, os produtos e serviços aumentam a disponibilidade dos veículos e a rentabilidade do transportador. “Nosso objetivo contínuo é fazer com que o caminhão fique o máximo de tempo disponível para o trabalho, aumentando assim a produtividade da operação”, declara Reinaldo Serafim, gerente de pós-venda comercial da Volvo do Brasil.



A área de pós-venda tem uma ampla oferta de soluções desenvolvidas para facilitar a vida do transportador, proporcionando mais tempo para que ele possa se dedicar mais ao seu negócio: programas de manutenção, peças e lubrificantes genuínos, peças remanufaturadas Volvo (Reman) e o Volvo Atendimento Rápido (Voar), o serviço de atendimento emergencial da marca, são alguns exemplos, entre outros.



Programas de manutenção



“Com mais de 20 mil contratos ativos, os programas de manutenção são um sucesso no Brasil e comprovam a grande experiência da Volvo e de sua rede de concessionários nesta área”, diz Serafim. O transportador não se preocupa com as manutenções do veículo. Por meio de sua rede de concessionárias, a Volvo se encarrega pela manutenção do veículo.



Na modalidade Ouro, por exemplo, o transportador faz manutenção preventiva e corretiva incluindo por exemplo, reparos no trem de força e nos sistemas de freios, suspensão e cabine, sempre com mão de obra e peças genuínas Volvo. O transportador conta ainda com atendimento personalizado nas concessionárias de todo o País. Também para a modalidade Ouro está disponível uma central exclusiva para agendamento prévio de serviços.



“O transportador planeja melhor os seus custos, previne paradas inesperadas e garante mais tempo para se dedicar ao seu negócio, conseguindo que o caminhão fique mais tempo rodando e produzindo”, comenta o gerente. Com manutenção regular e planejada, feita por profissionais altamente capacitados, o veículo consome menos combustível, tem maior vida útil e melhor valor de revenda.



“A procura por programas de manutenção cresce a cada dia, porque o transportador está percebendo que, com este produto não precisa arcar com o alto custo de uma uma oficina própria e nem ter uma equipe de mecânicos que necessita receber treinamento constante”, observa. O transportador pode ainda, sem necessidade de aprovação de credito, fazer as revisões em qualquer uma das 86 concessionárias e pontos de atendimento da Volvo no Brasil.



Reman



O programa Reman da Volvo é oferecido como mais uma alternativa de redução de custos para o transportador. O transportador entrega a peça usada, utilizada como parte do pagamento pelo componente equivalente remanufaturado que ele está adquirindo. Os componentes sem aproveitamento são substituídos por novos, e o ciclo da peça é retomado, com uma vida útil equivalente a de uma unidade nova.



Custando menos que a peça nova e com 12 meses de garantia de fábrica, sem limite de quilometragem, a unidade remanufaturada possui a mesma durabilidade e qualidade, possibilitando que o veículo rode mais e com performance igual.



Voar



O Voar é o serviço de atendimento emergencial da Volvo. Os transportadores contam com profissionais à disposição 24 por dia, sete dias por semana, em casos de paradas não planejadas dos caminhões. Técnicos especializados ficam a postos para prestar atendimento e suporte com agilidade em qualquer situação, independente do local onde o veículo esteja.





Volvo mostra na Fenatran o primeiro caminhão do Brasil movido a GNL e a diesel





A Volvo está expondo em seu estande na Fenatran o primeiro caminhão movido a GNL (Gás Natural Liquefeito) e a diesel que está sendo testado no Brasil. O caminhão, um FM 460cv importado da Suécia, é movido com aproximadamente 70% de GNL e o restante a diesel.



“Esta é uma tecnologia viável. Os primeiros caminhões movidos a GNL fabricados pela Volvo já estão circulando com sucesso na Europa e nos Estados Unidos. O gás liquefeito é uma importante alternativa para os atuais combustíveis”, declara Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo América Latina. “Respeito ao meio ambiente é um dos valores essenciais da marca e estamos sempre trabalhando para desenvolver veículos que produzam o menor impacto ao meio ambiente”, destaca Gomes.



No Brasil, os testes com o caminhão iniciaram em fevereiro deste ano em parceria com a White Martins, empresa líder na produção e comercialização de gases industriais e medicinais e a primeira no país a liquefazer o gás natural por meio do consórcio formado pela White Martins, GásLocal e Petrobras.



“Com este projeto mantemos nosso compromisso de trazer ao transportador brasileiro o que há de mais avançado em tecnologia de transporte”, afirma Bernardo Fedalto, diretor de caminhões da Volvo no Brasil.



A Volvo é a primeira montadora de caminhões a adotar esta tecnologia. O modelo diesel-GNL oferece o mesmo nível de confiabilidade operacional aos caminhões que o motor diesel convencional. A dirigibilidade também é similar. E, caso o gás acabe, o sistema automaticamente passa para o diesel. O motorista é então alertado por uma luz que acende no painel de instrumentos.



A produção seriada de caminhões movidos a GNL começou na Suécia no segundo semestre de 2012, e os primeiros veículos com a nova tecnologia já circulam na Europa e nos Estados Unidos. Além do Brasil, o modelo também está sendo testado na Ásia.



O GNL é obtido por meio da liquefação do gás natural a uma temperatura de -162º. O gás em estado liquefeito permite armazenar mais combustível no tanque em comparação ao Gás Natural Veícular (GNV) e é uma alternativa importante de combustíveis menos poluentes.



O caminhão também pode rodar usando apenas diesel, porém, sem os mesmos ganhos ambientais e econômicos oferecidos pelo gás natural. A tecnologia do motor é baseada no motor diesel convencional equipado com injetores para gás, um tanque criogênico com um isolamento térmico de altíssima eficiência que mantém o gás liquefeito e resfriado a -135 graus Celsius, e um conversor catalítico. O diesel entra em ação no momento da ignição da combustão e o restante da potência é garantida pelo GNL.





Volvo está à frente em segurança de caminhões



Valor essencial da marca, a segurança está presente em tudo o que a Volvo produz. Os caminhões da Volvo são os mais seguros do mundo. “Nossos veículos são uma referência mundial em segurança, mas também em baixo consumo de combustível e em conforto”, diz Roger Alm, presidente do Grupo Volvo América Latina.



Os FHs podem ser equipados com uma série de avançados dispositivos de segurança ativa, tornando o caminhão o veículo comercial mais seguro de todo o mercado. “A segurança está no ‘DNA’ da Volvo”, declara Bernardo Fedalto, diretor de caminhões da Volvo no Brasil.



A Volvo oferece uma série de possibilidades nesta área. A começar pelo ESP (Electronic Stability Program, em português Programa Eletrônico de Estabilidade). É um moderno equipamento que reduz a possibilidade de derrapagem e capotagem em curvas.



O caminhão pode ter, também, o ACC (Active Cruise Control, ou Piloto Automático Inteligente), um avançado mecanismo que auxilia o motorista a manter o caminhão a uma distância constante e segura do veículo que se encontra à frente. Utilizando um radar Doppler, o ACC é um equipamento de segurança de última geração que funciona tanto na frenagem quanto na aceleração. Ele reduz o risco de, em caso de distração ou em uma situação inesperada, por exemplo, o caminhão colidir com um automóvel que está trafegando em uma velocidade menor à sua frente.



Outro mecanismo é o LKS (Lane Keeping System, ou Monitoramento da Faixa de Rodagem). Ele alerta o motorista caso o veículo saia da faixa de rodagem em virtude de um descuido ou desatenção, e é muito útil para evitar acidentes casuais, mas muito graves.



Este mecanismo integra também um moderno dispositivo – o DAS (Driver Alert System, ou Detector de Nível de Atenção). O equipamento é acionado automaticamente quando o condutor apresenta um estilo de condução irregular, ziguezagueando o veículo na pista, um comportamento característico de fadiga e sonolência ao dirigir. Ao reduzir ou mesmo evitar os acidentes, o equipamento proporciona mais valor para a operação de transporte.



ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.