ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Carnaval sepultado, 2018 começando de verdade, e a Fiat iniciará a venda do seu mais novo produto, o Cronos, ungido na fábrica de Pacheco, na Argentina, que chega em versões mecânica 1.3 (8v) e 99 cv e automática 1.8 (16) 130 cv, e preços de R$ 55 mil a R$ 70 mil. Outro, mas de origem francesa, mas também chegando do país hermano será o Citroën C4 Louge sedã, que será apresentado à Imprensa. Já a Ford lançará um EcoSport 2019 que custará R$ 68.890




Coluna nº 0718 - 17 de fevereiro de 2018
             

Fiat Cronos. Quanto ?

Próximos dias, Fiat iniciará vender seu mais novo produto, o sedã três volumes Cronos. Utiliza parte da base mecânica do Argo, itens de decoração já comuns à linha FCA, como Fiat Toro e Jeep Renegade, e será produzido na fábrica de Pacheco, Argentina, e da qual o Brasil representará projetados 50% do volume de vendas. 

Sedã com cuidado trabalho de desenho liderado por Peter Fassbender, substitui os sedãs Linea e Siena, objetivando ser um dos principais concorrentes do sub segmento dos três volumes de pequenas dimensões, concorrendo com Chevrolet Prisma, Honda City.

Motores 1.3, 8v, 99cv e E.torQ 1.8 16V, 130 cv. Caixa mecânica, cinco velocidades e automática Aisin com seis. Em 2019, motor 1.5 Turbo, atualização do 1.4 turbo pioneiro no segmento, e três versões de equipamentos, sendo a mais elevada a Precision, com motor 1.8 e transmissão automática. Intermediária, a Precision com caixa de marchas mecânica, e versão de entrada Drive, motor 1.3.
Para mercado brasileiro projetam-se preços entre R$ 55 mil e R$ 70 mil.

Surpresa
Na apresentação na Argentina, onde será produzido: ante a presença de Maurício Macri, presidente do país, Stefan Ketter, brasileiro, CEO da FCA para a América Latina, vice-presidente mundial para construções e sistemas de manufatura, surpreendeu. Não leu seu discurso impresso em espanhol, idioma local, do presidente argentino, mandatória pelas regras de cerimonial.

Fez curiosa escolha. Desprezou o inglês, de trato universal, e adotou expressar-se em italiano, da origem da FCA e de Cristiano Rattazzi, presidente da FCA no país. O eng. Ketter é um homem de surpresas.

Fiat Cronos


Roda-a-Roda

Marcha a ré – Anos após assumir a Daewoo, aproveitar projetos, instalações e talentos para produzir carros com sua marca na Coréia do Norte, GM resolveu fechar uma das plantas. Razão, queda de 20% de demanda, produção e desequilíbrio nas contas.

Momento -Tempos atuais não permitem jogar prejuízos para compensações futuras. Por esta razão livrou-se de antigas associadas Vauxhall, inglesa, e Opel, alemã, passando-as à PSA – Peugeot-Citroën-DS.

Citroën – Argentino sedã C4 Lounge será mostrado à imprensa brasileira nas próximas semanas. Mudanças estéticas frontais, tipo intervenções padrão para marcar o segundo ciclo do modelo: grade, faróis, para choques. Atrás, lanternas.

História – A nova feição não é novidade, pois foi desenvolvida para o modelo chinês, lançado há um ano. Carro injustiçado, bom conteúdo, bom preço, porém vendas inferiores às suas qualidades.

Citroën C4 Lounge


Ajuda - Ford incluiu versão especial no leque para o EcoSport 2019. Chama-a SE Direct 1.5 AT. Mistura alfa numérica quer dizer construção e equipamentos direcionados a clientes com necessidades ou proteção especial, ou frotistas. Preço pela isenção de impostos é de R$ 68.690.

E? – Na porta da fábrica SE é interpretado como Sem Equipamentos, copiando versão pelada dos cupês Dodge Dart, em 1973; ’74; e ’75. 

Econômico em equipamentos para incluir como itens de série direção assistida, ar condicionado, transmissão automática com seis velocidades e conversor de torque; controle de estabilidade, central multimídia.

Humor negro – Há, também, a Assistência de Emergência, fazendo ligação direta para o SAMU em caso de acidente com acionamento das bolsas de ar ou corte da bomba de combustível. Idéia boa em país desenvolvido e responsável, risível no Brasil.

EcoSport Direct, clientes especiais


Elétrico – Nunca identificada com tecnologia de ponta, e lembrada pela baixa autonomia de seu modelo híbrido Volt, Chevrolet mudou o foco: desenvolveu carro médio elétrico, o Bolt.

Caminho – Enquanto o Volt apresentava comportamento criticável, o Bolt muda a figura. Tem medida para competir no segmento norte-americano de entrada, 4,16m de comprimento, e 200 cv de potência, e 350 Nm de torque. 

Arranca aos 100 km/h em 7 s, atinge 156 km/h como velocidade de pico. Ponto principal, oferece autonomia em torno de 383 km.

Surpresa - Carlos Zarlenga, argentino, CEO da companhia para a América Latina, anunciou à conterrânea Agência Télam não se surpreender se antes do término da década a companhia anuncie produzir carros elétricos no Mercosul.

Onde – Se incentivos federais e estaduais forem idênticos aos obtíveis no Brasil, deve-se entender a Argentina como dotada de amplas chances para a iniciativa, por deter parcela importante na decisão, suas reservas de lítio. É o metal aplicado na nova tecnologia das baterias.

Aqui – Mercado brasileiro vê ampla liderança dos Toyota Prius, e assiste gestões da Toyota para incentivos à produção.

Ampliação – Não só de vender carros novos vive uma fábrica de carros novos. PSA, de Peugeot, Citroën, DS, adentrou no mercado de oficinas de reparos, e adquiriu a chinesa Jian Xin, distribuidora de peças.

Porte - Vende anualmente mais de 5 milhões de partes das principais marcas mundiais de veículos. Mercado chinês tem mais de 130 milhões de automóveis.

Tempo – Salão do automóvel de Genebra, março - 07 - 12, um dos mais interessantes do mundo, terá estande da fabricante de relógios TAG Heuer. 

Nele, carros de corrida, a lembrança de ter sido a primeira do ramo a patrocinar piloto na Fórmula 1, no caso Jo Siffert, e relançará o modelo Monaco e sua opção de botão de corda à esquerda.

Passeio – A fim de giro pela Itália, visitando a essência do espírito e do design de carros esportivos de estirpe? Agência organiza viagem de 11 dias, desde o Lago Como – onde se realiza o talvez mais elegante encontro de antigos -, e se encerra em Modena, terra da Ferrari e do mítico restaurante Cavallino Rampante.

$? – Ferrari, Lamborghini, Maserati, Pagani, Pininfarina, Zagato, Italdesign, Leonardo Fioravanti, fábrica de rodas Borrani, das malas Schedoni, coleções, oficinas de restauração. 

Programa intenso aos do ramo. Preços US$ 12.600, dupla. U$ 8.800, single, ônibus interno, chegada e saída do aeroporto de Malpensa, entre Turim e Milão. Mais? http://www.carguytour.com/sept-car-guy-tour-fca-edition/    

Atividade – À frente do negócio e como guia turístico, Frank Mandarano, agitador, criador do Maserati Club of America e organizador do Concorso Italiano, mostra de veículos da Itália, na Holly Week – terceira semana de agosto -, onde pontifica o Pebble Beach Concours d’Élegance. Um Car Guy.

Gente – André Molnár, 35, executivo, motociclista, ideal. 

OOOO Novo gerente de Marketing e Comunicação da Triumph, de motocicletas. 

OOOO Larga experiência, sólida base acadêmica, trabalhava na Audi. 

OOOO Trabalhar com o que gosta é diversão remunerada. OOOO
________________________________________________

Donos de Chrysler 300C, Dodge Charger, Dodge Durango e Jeep Grand Cherokee para comparecer a uma concessionária para cumprir a segunda fase do reparo que evitará até incêndio no compartimento do motor


A FCA - Fiat Chrysler Automóveis Brasil Ltda., dando continuidade à campanha de convocação iniciada em 31 de agosto de 2017, chamando os proprietários dos veículos Chrysler 300C ano/modelo 2012, Dodge Charger ano/modelo 2013, Dodge Durango ano/modelo 2012 e 2013 e Jeep® Grand Cherokee ano/modelo 2012, para a sua segunda e última fase, devendo agendar o atendimento em uma das concessionárias das redes Jeep, Chrysler e Dodge, a partir de 19 de fevereiro de 2018, a fim de que seja providenciada, gratuitamente, a análise e, se necessária, a substituição do alternador.
Como informado anteriormente, foi detectada a possibilidade de desligamento do motor do veículo de forma inesperada e, ainda, em casos extremos, de princípio de incêndio no compartimento do motor, com consequentes danos físicos e materiais ao motorista, aos passageiros e a terceiros. O tempo de reparo é de aproximadamente 1h30.
Para consulta dos números dos chassis envolvidos ou obter mais informações, acesse os sites www.chrysler.com.brwww.jeep.com.br e www.dodge.com.br ou contate as centrais de serviços ao cliente Chrysler, Jeep e Dodge, pelos telefones 0800 703 7130, 0800 703 7150 e 0800 703 7140, respectivamente.
Com esta iniciativa, a FCA visa a assegurar a satisfação de seus clientes, garantindo a qualidade, a segurança e a confiabilidade dos veículos das marcas Chrysler, Jeep e Dodge.
 
VEÍCULO
ANO/MODELO
RELAÇÃO DE CHASSIS (NÃO SEQUENCIAIS - ÚLTIMOS SEIS DÍGITOS)
UNIDADES ENVOLVIDAS
Chrysler 300C
2012
114454 a 316569
665
Dodge Charger
2013
661181
1
Dodge Durango
2012 e 2013
169445 a 687881
705
Jeep Grand Cherokee
2012
109637 a 359978
2.537

ALFA ROMEO SAUBER APRESENTARÁ NOVO CARRO DE F1 dia 20/2


A escuderia Alfa Romeo Sauber lançará, no próximo dia 20 (terça-feira), o modelo C37, com o qual disputará a temporada 2018 do Campeonato Mundial de Fórmula 1. A apresentação será às 15h30 (horário de Brasília).

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Onix 1.4 Advantage estreia como o automático mais acessível da Chevrolet. Nova versão foca no consumidor que busca um carro de entrada com a conveniência de uma legítima transmissão automática de seis velocidades. Ar-condicionado, direção elétrica, Isofix e Top Tether, alerta de baixa pressão dos pneus, retrovisores elétricos e sistema de áudio com bluetooth são itens de série. Caracterizam a nova versão as calotas escurecidas, o adesivo de coluna e a capa dos retrovisores em preto brilhante, além do emblema “Advantage” nas portas dianteiras



São Caetano do Sul –A procura por carros equipados com câmbio automático aumenta a cada ano no Brasil, inclusive entre os modelos compactos. 

O emplacamento de veículos nesta configuração quadruplicou nos últimos cinco anos, impulsionada principalmente pela venda de modelos mais acessíveis.


Para atender esse perfil ascendente de consumidores que a Chevrolet está lançando mais uma opção do Onix com transmissão automática: é a versão Advantage, inédita para o hatch e que chega para ser o modelo AT mais acessível da marca.

É uma configuração para quem procura um veículo ágil, econômico e com a conveniência de uma legítima transmissão automática de última geração.


“Depois da direção elétrica e do ar-condicionado se tornarem equipamentos comuns até entre os carros de entrada, o brasileiro agora sonha com o conforto da transmissão automática”, observa Hermann Mahnke, diretor de Marketing da GM.


“O fato de o carro automático eliminar o pedal da embreagem facilita muito a vida do motorista, que também não necessita ficar trocando as marchas no trânsito. É uma praticidade que coloca a experiência de dirigir em outro patamar de conveniência. Algo restrito a modelos de luxo até pouco tempo”, completa o executivo.

Automático acessível

O Onix Advantage traz os itens de conforto e segurança mais valorizados pelo consumidor da categoria, como ar-condicionado, direção elétrica progressiva, sistema de áudio com Bluetooth, travas, retrovisores externos e vidros dianteiros com acionamento elétrico, além de painel com velocímetro digital e regulagens de altura do banco, volante e do cinto.


Sistema Ixofix e Top Tether para fixação de cadeirinha infantil, alerta de baixa pressão dos pneus, alerta de esquecimento dos faróis acesos, alerta de não utilização do cinto de segurança, duplo airbag e freios ABS com EBD também fazem parte do pacote – não há opcionais.


O Onix Advantage é visualmente caracterizado pelas calotas escurecidas aro 15, pelos adesivos de coluna e capas dos retrovisores externos em preto brilhante, além do emblema com nome da versão nas portas dianteiras.

O interior, predominantemente escuro, replica o mesmo acabamento contemporâneo presente no exterior. O modelo é ofertado nas seguintes cores de carroceria: cinza, branco, preto ou prata.


O Onix Advantage vem equipado com o motor flex 1.4 ECO de até 106 cv e a transmissão automática de seis velocidades com tecnologia Activ Select – mesmo conjunto mecânico das versões mais sofisticadas do modelo.

De acordo com os dados do Inmetro, o Onix é nota máxima em eficiência energética (AA). Com etanol, o veículo percorre média de 7,9 km/l na cidade e de 9,6 km/l na estrada. Com gasolina, os números são 11,7 km/l e 13,9 km/l, respectivamente.

Em relação aos principais concorrentes, o Onix Advantage se destaca pelo amplo espaço interno, elevada eficiência energética e pelo consagrado serviço de pós-venda da marca Chevrolet, que colaboram para que o modelo seja reconhecido por ter o maior valor de revenda em sua faixa.


Expectativa de crescimento
A Chevrolet tem uma larga tradição no segmento de compactos automáticos, desde o Chevette, em meados dos anos 80. Mas foi o Onix, em 2013, o primeiro a oferecer uma caixa de seis marchas com opção de trocas sequenciais, até hoje referência no mercado. O sistema passou recentemente por atualizações na calibração para maior conforto e eficiência.

Carro mais vendido do mercado brasileiro há três anos consecutivos, o Onix também é o hatch compacto automático preferido do consumidor, conforme apontam os emplacamentos. Foram aproximadamente 32 mil unidades do modelo 1.4 AT ao longo de 2017 entre as versões LT, LTZ e Activ.


“Nossa expectativa é que as vendas do Onix automático cresçam acima do ritmo do mercado em 2018 com a adição da versão Advantage, que estreia como o AT mais acessível do portfólio Chevrolet”, diz o diretor de Marketing da GM.

Na linha Chevrolet, a versão Advantage é conhecida por sua relação custo-benefício e está atualmente disponível também para o Spin e em breve para o Prisma.


Campina Grande sediará dias 23 e 24 o 9º Salão Itinerante das Motopeças



A Anfamoto realiza nos dias 23 e 24/2, em Campina Grande (PB), o 9º Salão Itinerante das Motopeças. O encontro contará com a participação de cerca de 60 expositores, representando mais de 100 marcas ligadas ao mercado de motopeças e acessórios. 

A mostra será no Garden Hotel (rua Engenheiro José Bezerra, 400). Credenciamento antecipado está disponível. Mais informações pelo 11-3052- 2002, anfamoto@anfamoto.org ou www. itineranteanfamoto.org

Groupe PSA lança uma nova geração de monovolumes para suas marcas Peugeot, Citroën e Opel/Vauxhall. Continuação da ofensiva de produto do Groupe PSA como parte da Core Model Strategy do plano “Push to Pass”. • Um programa desenvolvido para três veículos correspondendo ao posicionamento diferenciado das marcas Peugeot, Citroën, Opel/Vauxhall. • Uma nova plataforma derivada da EMP2 montada em dois centros de produção: Vigo, na Espanha e Mangualde, em Portugal.


Precursor e líder histórico do segmento de Monovolumes na Europa, o Groupe PSA pretende consolidar sua liderança trazendo esta oferta para uma nova dimensão, com os três modelos de nova geração posicionados em territórios de marca muito diferentes.

A oferta corresponde a um programa único de desenvolvimento cujo objetivo é aumentar a eficiência dos investimentos e dos recursos aplicados na criação de um veículo para atender às expectativas e às utilizações dos clientes.    
                              
Uma nova plataforma inédita foi desenvolvida para esses veículos a fim de fortalecer sua posição como referência no segmento de Monovolumes em termos de eficiência, manobrabilidade, conforto e segurança.

Desenvolvidos sobre a plataforma EMP2, esses novos modelos recebem grupos motopropulsores e equipamentos de assistência ao motorista de última geração. 

Essa nova oferta de veículos oferece aos clientes de Monovolumes a gama mais elaborada em performance, com a habitabilidade, modularidade e volume de porta-malas no melhor nível do mercado. 

De modo a contemplar todas as utilizações dos clientes de Monovolumes, os modelos terão duas opções de comprimento, cada uma delas disponível em versões de cinco e sete lugares.

O design exterior se caracteriza por uma silhueta com proporções equilibradas e dinâmica graças a um capô alto e curto que confere aos modelos modernidade, robustez e segurança, ao mesmo tempo em que integra os códigos estilísticos característicos de cada uma das marcas.

Cada veículo também se diferencia pelo estilo interior, que se harmoniza com o universo de cada marca. Esses novos modelos serão apresentados nos próximos dias por cada uma das Marcas.

Os veículos serão produzidos nas fábricas de Vigo (Espanha) e de Mangualde (Portugal). Para atender às ambições comerciais dessa nova gama, nos próximos meses será criado um quarto turno em Vigo e um terceiro turno em Mangualde. 

As duas fábricas do Polo Industrial Ibérico, dotadas de um desempenho do mais alto nível do Groupe PSA, passaram por profundas transformações para receber esses novos modelos.

Armazenamento automático em linhas de prensa, controle geométrico de qualidade por visão artificial, robôs colaborativos (cobots), ou ainda o sistema Full Kitting com distribuição por meio de AGV (Veículos Autoguiados).... uma série de inovações industriais que levam ambas as fábricas à era da “Fábrica 4.0 “!

Essas versões de VP (Veículos de Passeio) ganharão versões de utilitários em alguns meses. Na ocasião, Olivier Bourges, vice-presidente Executivo de Programas e Estratégia, disse “Com esta nova gama competitiva oferecemos aos nossos clientes uma nova geração de Monovolumes que farão toda a diferença em termos de estilo e benefícios. É também uma ilustração concreta de nosso plano “Push to Pass”: a partir de uma base comum, apresentamos modelos bastante diferenciados e perfeitamente inseridos no DNA de cada uma de nossas marcas. ”

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

O estudo chamado Consumidor Automobilístico Global 2018 apontou um aumento de confiança sobre o grau de segurança dos veículos que dispensam a atuação de um motorista para se locomoverem. Mas, na média mundial, 64% dos entrevistados preferem os motores a combustão para os próximos anos.



Alta Roda                 

Nº 980 — 15/2/18

Fernando Calmon




O FUTURO E A REALIDADE



A aceitação de novas tecnologias que vão sacudir a indústria automobilística mundial nas próximas décadas ainda é motivo de incerteza em vários mercados. 

Para aferir a evolução de como os motoristas encaram o cenário por vir de carros autônomos e meios de propulsão alternativos, a consultoria Delloite atualizou uma pesquisa com 22.000 consumidores de 17 países. 

Além do Brasil, África do Sul, Alemanha, Bélgica, Canadá, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Malásia, México, Reino Unido e Tailândia.

O estudo chamado Consumidor Automobilístico Global 2018 apontou um aumento de confiança sobre o grau de segurança dos veículos que dispensam a atuação de um motorista para se locomoverem (nível 4 de automação) em relação à mesma pesquisa realizada em 2017. 

Deve-se notar que se trata apenas de percepção, pois a tecnologia não está pronta, nem se sabe quanto custará (consequentemente sua aceitação), como será aplicada (segregada ou aberta) e, acima de tudo, regulamentada por órgãos de trânsito e judiciais.

O balanço geral apontou que, no ano passado, 67% dos participantes, em média, acreditam que automóveis totalmente autônomos não seriam seguros. Esse percentual recuou para 41% no relatório compilado este ano. 

No entanto, até 71% dos entrevistados disseram que a comprovação de um histórico de segurança na operação dos veículos é fator essencial para garantir a confiança. Em outras palavras, “quero ver, para crer”.

Na média, 45% dos participantes confiam nos fabricantes de veículos tradicionais para a direção autônoma, 30% apontam novas companhias dedicadas a essa tarefa e 25% acreditam nas empresas de tecnologia existentes (Waymo, Apple e outras). 

De acordo com Carlos Ayub, sócio da Deloitte especializado em indústria automobilística, “52% dos brasileiros (acima da média global) são mais confiantes nos produtores de veículos já conhecidos”.

O estudo também apontou algum conservadorismo quanto ao meio de propulsão nos veículos. Na média mundial, 64% dos entrevistados preferem os motores a combustão para os próximos anos. 

Outros 24% optariam por veículos híbridos ou híbridos plugáveis e 12% apostam em elétricos a bateria ou pilha a hidrogênio. No Brasil, 66% ainda escolheriam os combustíveis tradicionais, 13%, os híbridos e 21%, outras alternativas.

"Os preços de híbridos e elétricos ainda estão em patamar elevado, o que justificaria esse quadro em nível mundial. No Brasil, esta realidade torna-se mais marcante pela falta de infraestrutura e de uma rede para reabastecimento de carros elétricos em todo o país”, acrescentou Ayub.

Apesar de direção autônoma, mobilidade flexível e alternativa elétrica ocuparem todas as cabeças pensantes na indústria ao redor do mundo, sem ainda se saber se haverá dinheiro para financiar tudo isso ao mesmo tempo, uma enquete simples do Google nos EUA sobre o que os americanos querem nos carros de hoje foi divulgada pelo site Verge. Além do interesse pela vida a bordo dos cãezinhos de estimação, a busca frenética é por câmeras.

A procura inclui opções além de câmeras dianteira, traseira e de 360°. Agora, a demanda é grande pelas que gravam tudo à frente e atrás do veículo e mesmo o movimento periférico enquanto está rodando ou estacionado. 

Em caso de acidente, ajuda a descobrir os culpados, útil também para seguradoras. Tecnologia à mão e relativamente barata, pois muitos modelos já possuem telas no painel.

O futuro? Que fique para o futuro...
________________________________________________
fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2