ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Salão de Detroit encerra as portas neste domingo, coincidindo com a posse do novo presidente dos EU, Donald Trump, que ameaçou a indústria automobilística americana e estrangeira instalada em seu país que não deve investir no México se não quiser sofrer sanções, mas a BMW fez ouvidos moucos e avançou com as suas metas mexicanas. O salão foi um sucesso e mostrou muitas novidades


Alta Roda 

Nº 924 — 20/1/17

Fernando Calmon



SALÃO DO PROTECIONISMO

Até o próximo domingo, dia 22, o Salão do Automóvel Internacional da América do Norte (nome oficial) terá se transformado em um novo marco, pelo que o presidente do EUA, Donald Trump, quer colocar em prática. 

Mais conhecido como Salão de Detroit, poderá se tornar uma exposição centrada nos fabricantes americanos, sediados na região, que dominaram no passado a produção mundial de veículos.

O México sofrerá com esta política. Ford foi a primeira a interromper investimentos já em andamento, seguida pela FCA, que informou transferência de linhas de produtos.

GM acaba de anunciar investimento de US$ 1 bilhão para criar 1.000 empregos nos EUA. Trump ameaça taxar as exportações mexicanas, apesar do acordo vigente de livre comércio.

Essa reviravolta pode aumentar o protecionismo no momento em que o Brasil admite abrir mais suas fronteiras e se integrar à cadeia mundial de manufatura. Ainda é cedo para analisar desdobramentos. 

O enfraquecimento industrial do México pode ser bom para o País em médio prazo, embora dispense comemoração. Interessa é progredir pelos próprios meios.

Chevrolet Tracker teve lançamento para a imprensa brasileira na semana passada em Detroit, sinal dos tempos... 

O SUV compacto recebeu pequenas alterações de estilo e o mesmo motor 1,5 turboflex do Cruze, bem mais forte que o anterior. 

Sucessor do Captiva, o Equinox revitalizado estreou no salão e também virá do México. 

Chegará ainda esse semestre e, como o motor citado será produzido na Argentina, esse concorrente direto do Jeep Compass reúne condições de fabricação local.

Novo EcoSport (apresentado antes no Salão de Los Angeles, em novembro) pôde ser visto de perto. 

A Ford, só no dia 17, liberou fotos do Mustang ano-modelo 2018 (à venda em julho nos EUA), mas não está exposto no salão. 

Essa versão é a que será exportada para cá no início de 2018, com novo capô 2 cm mais baixo e câmbio automático de 10 marchas (!) para o motor V-8 agora com injeção direta (potência ainda não anunciada).

Detroit também viu estreias mundiais. Destaque para o novo BMW Série 5, aliviado em 68 kg e direção semiautônoma aperfeiçoado para atuar a até 210 km/h. Mercedes-Benz apresentou o Classe E cupê e o retocado GLA que se estenderá ao modelo produzido aqui. 

Audi destacou o conceito Q8, praticamente pronto, crossover para desafiar BMW X6 e Mercedes GLE Coupé.

Automóvel mais vendido nos EUA, novo Toyota Camry tem frente ousada inspirada nos modelos de luxo Lexus. 

Volkswagen exibiu o que será a nova Kombi com traços próximos ao definitivo e tração elétrica. 

Roubaram atenções o sedã de tração traseira Kia Stinger (o melhor trabalho de estilo da marca) e Nissan VMotion indicador da forte guinada no desenho dos futuros sedãs japoneses.

Fato preocupante surgiu no Salão de Detroit, protagonizado pela EPA (Agência de Proteção ao Meio Ambiente, na sigla em inglês). 

Repetiu a mesma tática utilizada durante o Salão de Frankfurt de 2015 ao denunciar a Volkswagen por utilizar dispositivos ilegais no controle de emissões de motores Diesel. 

Agora, contra a FCA em picapes e SUVs a diesel. Se a agência usar o mesmo rigor, o impacto na empresa ítalo-americana pode ser incontrolável.


RODA VIVA


FONTE da Coluna indica que novo hatch Fiat (projeto X6H), substituto de Punto, Bravo e versões superiores do Palio, tem início de produção em março próximo e vendas em abril. 

Mesma fonte detectou um atraso do sedã (X6S), sucessor do Linea e em parte do Grand Siena: vendas ficariam para 2018. Ambos terão arquitetura mista, do Palio e partes do Punto.

CONDIÇÕES atuais do mercado e limitações financeiras empurram para junho o início de fabricação da nova geração do EcoSport, em Camaçari (BA). 

SUV compacto, responsável pela onda atual de lançamentos de vários marcas, terá motor 3-cilindros de 1,5 litro, antecipado por esta Coluna. Peugeot e Citroën oferecem essa configuração, mas apenas de 1,2 litro.

UNO SPORTING ganhou vida graças ao motor Firefly 1,3 litro/109 cv. Na verdade, investe mais na aparência ao explorar aplicações da cor vermelha e pormenores como ponteira de escapamento dupla central. Ideal seria acerto de suspensão mais firme, como forma eficaz de melhorar a experiência e destacá-lo dos Uno comuns. Evolução também no câmbio automatizado.

HONDA e SoftBank (proprietário da empresa de chips ARM) trabalham em inteligência artificial para automóveis. 

Por meio de câmeras e sensores, será possível “aprender” reações do motorista. Sistemas autônomos de direção dependerão do recurso para tomar decisões em situações emergenciais.

DESDE
que exista sinalização, faróis baixos têm que ser ligados nas estradas durante o dia, sob pena de multa. 

Carros com iluminação DRL não devem usar faróis, pois estes são menos eficientes em especial nos dias de chuva por refletir no asfalto molhado. 

Deve-se atentar que assinatura luminosa não é DRL. Tudo resultado de lei desastrada e sem eficácia em países tropicais.

____________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2


A capital paranaense comemora a criação do seu segundo Museu do Automóvel, pelo colecionador Antônio Kowalski, batizado como Curitiba Antique Car, em Santa Felicidade. Enquanto a Fenabrave, a Anfavea e o presidente da GM do Brasil apostam em crescimento do mercado este ano, a Audi já inundou suas concessionárias com o modelo A3 Sedan nacional, cheio de novidades, incluindo belo painel do A4. Vale a pena conferir.


Coluna nº 0317 - 20 de Janeiro de 2016
____________________________________


Curitiba ganha 2º Museu de Automóveis

Capital paranaense, famosa por sua estrutura de transporte urbano, pelas obras turísticas e mais recentemente por estar no noticiário diuturno pela intensa atividade para apurar e punir os mal feitos contra empresas públicas e Petrobrás, tem outro item de diferenciação: mais um museu de automóveis.

Agora, além do Museu do Automóvel administrado pelo Clube de Automóveis e Antiguidades Mecânicas, dentro do Parque Barigui, o colecionador Antônio Kowalski erigiu novo templo de admiração à cultura do automóvel. É o Curitiba Antique Car.

Foge e inova na disposição dos itens colecionáveis, veículos, automobilia. Kowalski, do ramo, reuniu veículos de sua predileção e propriedade, e criou cenários para abrigá-los, ilustrando-os com bonecos de cera. 

Ali estão, testemunhas silenciosas, cópias do presidente John Kennedy, do ator Arnold Schwaznegger, cantor Michael Jackson, do referencial Abraham Lincoln e, por si só, se constituem em atrações paralelas.

Fugindo à exposição estática, equipamentos de realidade virtual permitem a sensação de conduzir veículos antigos nos mais famosos autódromos.

Ingressos a R$ 35,00. Estudantes, professores e pessoas com mais de 60 anos pagam meia entrada. 


Fica à Av. Manoel Ribas, 5.026, no conhecido bairro de Santa Felicidade.


Museu do Kowalski, coragem, variedade, bom gosto


Como será o mercado em 2017
Projeções de como será o mercado para o corrente ano partem de um ponto considerado boa notícia: o contínuo declínio de vendas foi detido. 

Ou seja, a herança de Lula e Dilma foi interrompida, estancando as demissões no setor. 

Recuperação é assunto no qual se tateia, variando o enfoque de êxito. Fenabrave, a federação reunindo revendedores autorizados, prevê expansão de 5% sobre as vendas do exercício passado, na prática 2.085.680 unidades. 

Anfavea, associação dos fabricantes calcula contidos 6%, e, no setor, Carlos Zarlenga, presidente da GM, tem a aposta mais forte na atividade: crê em ora entusiasmados 10% de produção e vendas, ante o exercício passado.

Como
Se os números podem variar positivamente, qual será a forma de vender os veículos da série 2017? 

Presidente da GM, no Brasil, disse, no Salão de Detroit ao bom sítio argentino Autoblog, manter a política de sua empresa, há 16 meses na liderança de vendas. 

O caminho adotado em seu pequeno período de comando na GM Argentina, foi adotar o figurino norte-americano: descontos e promoções.

Fez isto no vizinho país, repetiu no Brasil e logo abriu a trilha seguida por outros fabricantes.

Pela declaração deve-se esperar exercícios de criatividade aritmética, by passes, transferindo entrada ou prestações, ou juros contidos, ou descontos líquidos, ou valorização dos usados; faturamento direto fabricantes-compradores creditando pequena comissão aos distribuidores. 

Na relação, Séries Brancas, nome para edições de vida fugaz com atrativos de composição e preço. 

Se tal disputa ocorrer, será ótima para o consumidor preparado, pesquisador e com interesse em discutir descontos e facilidades. Aliás 2017 será outro ano da caça.

Zarlenga, liderança e promoções


Sem alarde, o Audi A3 sedan, 2017
Sinal de intensa competição no mercado, Audi antecipou mudança e já enviou à rede revendedora o modelo A3, 1.4 sedã. Sucesso no mundo e no Brasil. 

A ele agregaram-se tecnologias disponíveis em outras versões mais caras, com alteração frontal sinalizada por novos faróis em LED, lanternas, grade e para choques.

Internamente, o incremento na incorporação de difusores de ar, console central, tela rebatível, volante, pomo da alavanca de marchas e painel virtual do A4.

Mecânica mantém o motor 1.4 turbo, com injeção direta, produzindo 150 cv de potência e 250 Nm de torque a simplórias 1500 rpm, versões gasálcool e etanol, câmbio com acionamento TipTronic e seis velocidades. 

A dotação mecânica gratifica sensações de aceleração de 0 a 100 km/h em 8,8 s e velocidade máxima de 215 km/h.

Mantidas as boas características de construção, com equilíbrio entre eixos, uso de alumínio na plataforma e suspensão para conter o peso em 1215 kg. 

Duas versões, Attration e Ambiente, esta em dois níveis: Design, com bancos em couro sintético e teto solar; e Plus com retrovisor anti-ofuscante, computador com display colorido e Audi Sound System.


Preços competitivos: Attraction R$ 115 mil e Ambiente R$ 124 mil.


Audi A3 sedã 2017


Dakar, suas certezas e surpresas
Encerrado o Rallye Dakar, este ano disputado em Argentina, Bolívia e Paraguai, resultados variados: quase certeza, com vitórias variadas: de uma das três equipes melhor preparadas e de maior investimento na prova; surpresa com o brasileiro Danilo Torres vencendo na categoria UTV; e graça geral, a chegada de equipe argentina com veículo misto, cruza de picape velho com o motor de Chevrolet Camaro novo.

Dentre as dúvidas, se em 2018 o Dakar virá novamente para a América do Sul. 


Neste ano, por conta das chuvas e alagamentos a prova teve interrupção e suspensão de duas etapas em nome da segurança. Crê-se, em torno de 1.500 km tenham sido suprimidos.

O Dakar, antes chamado Paris-Dakar, distância onde era disputado ao seu início, fugiu da África evitando crises politicas, encontrando na orografia da América do Sul seu melhor habitat, além de patrocinadores de países e estados por onde passa. 

Oferece enorme poder de divulgação, motivando grandes investimentos para buscar bons resultados permitindo associar a marca à capacidade de vencer em terrenos sáfaros. 

Investimento grande, nesta edição não contou com a presença oficial da Mitsubishi, sempre uma das principais concorrentes. 

Os custos e o novo controle acionário pela Renault determinaram a saída.

Peugeot venceu nos três primeiros lugares, com 30038DKR; Toyota fez 4º e 5º, Mini 6º e as três marcas se embolaram até o 10º posto. 

Mini, marca BMW, levou time grande: 8 veículos. Chegou com sete e marcou sexta posição com modelo John Cooper Works Rally – Cooper foi piloto inglês preparador de Minis para corridas, nome de relevo na Europa, aproveitado pela Mini para identificar o carrinho às vitórias esportivas.

Surpresa
Numa competição onde o dinheiro, as enormes verbas aplicadas pelas grandes marcas têm alijado o espírito esportivo, foi generosa surpresa um carro de construção artesanal, juntando uma velha picape Rastrojero, pioneiro na indústria automobilística na Argentina, sobre suspensão frontal modificada e motor Chevrolet Corvette. 

Foi o carro de maior empatia junto ao público, ficando em 36º entre os 51 classificados.


Um argentino Rastrojero com motor Camaro

Roda-a-Roda

Caça – Após a descoberta das emissões poluentes acima das normas pelos motores 2,0 Volkswagen, governos variados resolveram auditar o setor. 

EUA torceu o parafuso sobre a FCA, dizendo 104 mil picapes RAM diesel 3.0 estão na mesma situação. 

Não - FCA protestou duramente por seu CEO Sergio Marchionne: não somos criminosos. 


E politicamente disse tratar o assunto sob o governo Trump, esperando naturais mudanças nos organismos oficiais.

Pauta – Normalmente, os assuntos automobilísticos do início do ano são sobre as novidades do Salão de Detroit. 

Neste 2017, outros temas se incluíram na agenda: acordos, multas, prisão de executivos da VW e da japonesa Nakata. 

Questões - O primeiro, pelo Dieselgate, a fraude dos motores diesel. Outro, os inquantificáveis danos, ferimentos e mortes causadas por air bags defeituosos.

Mais – Indústrias norte-americana, japonesa, europeia, todas submetidas a questionamentos parametrizados às emissões, a grosso modo, estão enfrentando os Sérgio Moro e as Lava-Jato de lá.

Extra – No pacote para o futuro, Ford anunciou no Salão de Detroit investimentos em veículos híbridos e montagem do centro City Soluctions para soluções, para mobilidade – na América do Sul analisam Buenos Aires e S. Paulo -, ampliação do projeto Chariot, de compartilhamento baseado num aplicativo.

Fico – BMW manteve os investimentos para fazer Serie 3 no México, como anunciou em 2014. 

Ameaça de Donald Trump em sobretaxar veículos importados em 35% não abalou os alemães. Marca também opera fábrica nos EUA.

Questão - Ciclo de vida das empresas grandes supera o dos governos e nem tudo prometido em campanha se materializará.

Ajuste – Recaro, fornecedora de bancos para carros esportivos e de nicho, novos conceitos na linha Adient direcionada a picapes e utilitários esportivos. Unem atitude esportiva e conforto ao dirigir.

Mais – Diversificando produtos, além da lubrificação automotiva, Total fechou acordo com a Seppic. 

Farão ingredientes para linha diversa: produtos para pele, maquiagem, bloqueador solar ...

Da moda – Cinza Galante, dita luxuosa, marca-se por partículas perolizadas azul, verde e prata, produzindo efeito brilhante em tons escuros, sugerindo sofisticação. 


É a Cor Automotiva do Ano 2017 pela Axalta, líder setorial.

Caminho – Seu Relatório Global de Popularidade de Cores Automotivas 2016 indicou tendências por posição geográfica dos clientes. 

Prata lidera na Europa e EUA, 6% e 5%; Coréia, 7%. Cinza, à frente: 17% Europa e 16% EUA. 

Na América do Sul, 41% preferem o branco. Mais? Cinza Galante em axalta.com/color.

Picape – Depois da surpresa da apresentação do Creta e do conceito STC – Sport Truck Concept -, Hyundai acelera lançamento pretendendo tê-lo no mercado em 2018. Utilizará a mesma plataforma do Creta, criada sobre as antigas de Tucson e Elantra.


Hyundai prepara picape sobre o conceito STC


Aula – Ideia de picape surgiu no Salão de Detroit 2015, ao expor agressivo conceito sobre plataforma Tucson. 

Entretanto, lançamento e sucesso de vendas de Renault Oroch e Fiat Toro, fizeram a coreana mudar o rumo, e o fez com surpreendente e inusitada rapidez.

Mais – Depois do Cruze GM estuda produto para incluir na linha de produção em sua fábrica argentina de Rosário: será um SUV, possivelmente baseado nesta plataforma.

Apuro – DS, marca de luxo do conglomerado PSA – Peugeot Citroën, operando através da rede Citroën, em seu plano de iniciar-se como marca isolada a partir de 2018, iniciou selecionar revendedores para próxima expansão. Aos outros distribuiu circular informando suspender faturamento.

Combinação
– Liberdade aos operadores de postos para estabelecer os preços de combustível gerou abuso aferido em sete cidades. 

Apurando conluio e cartel através dos sindicatos da categoria, o CADE, Conselho Administrativo da Defesa Econômica, do Ministério da Justiça, abriu processos em sete cidades.

Onde - Brasília, Belo Horizonte, Natal, São Luís, João Pessoa, Goiânia e Joinville. Investiga outras seis.

Alfa - Abertas as inscrições para o Alfa Romeo Brasil 2017, encontro bienal os aficionados da marca em Caxambu, MG. 


Feriado de Corpus Christi, 15 a 18 de junho, Encontro de camaradagem, leve, bom conteúdo de palestras, custos palatáveis. Gosta? veja em www.alfaromeobrasil.com.br 


Fórmula 1 – Felipe Massa voltou ao seu lugar na equipe Williams, de Fórmula 1, na revolução causada pela inesperada aposentadoria de Nico Rosberg. 

OOOO Filipe Nasser não obteve patrocínio suficiente. 

OOOO Axalta, de tintas e acabamentos, novo copatrocionador da equipe AMG Mercedes Petronas. OOOO

Gente – Norberto Klein, ex-Head da Mopar, marca de acessórios da FCA, transferido.


OOOO Diretor Comercial América Latina e novos negócios da Magneti Marelli. 

OOOO Para lugar na Mopar, Francesco Abruzzesi, ex-diretor-geral da Citroën e diretor da GM. OOOO

 _________________________________________________________________________________

A expedição realizada pelo jornalista Chico Barbosa e o fotógrafo Marcos Camargo, com um Jeep Renegade pela Chapada dos Guimarães foi transformada em livro, que já vendeu quase 100 mil exemplares. "Cerrado Vibrante" pode ser adquirido nas principais livrarias do País e seus sites e custa R$ 39,90


Novo volume mostra a expedição com o Jeep® Renegade na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso

Já está nas livrarias de todo o Brasil Cerrado Vibrante, livro-reportagem sobre a Jeep®Experience Chapada dos Guimarães, escrito pelo jornalista Chico Barbosa, com imagens do fotógrafo Marcos Camargo e editado pela CBNEWS Editora. 


A obra é resultado de uma semana de aventura pelo cerrado mato-grossense, acompanhando e participando da segunda expedição da marca no Brasil, a bordo do Jeep Renegade – modelo que reinventou a categoria de SUVs compactos e já acumula mais de 90 mil unidades vendidas no Brasil.


O segundo livro dá sequência à série iniciada no ano passado, com o lançamento de Sertão Adentro – Chapada Diamantina. 

Além de consolidar o evento, a segunda Jeep Experience em terras nacionais, realizada em agosto passado, serviu para comemorar os 75 anos da marca Jeep, completados em 2016.

Por isso, as séries especiais “75 Anos” do Jeep Renegade, Jeep Grand Cherokee e Jeep Wrangler fizeram sua primeira aparição no país durante a jornada.

A bordo de versões do Renegade com motor diesel turbo 2.0 Multijet II (de 170 cv e 35,7 kgfm), os participantes conheceram as principais atrações da Chapada dos Guimarães, nome tanto do parque nacional como da cidade vizinha a ele.


Cachoeira Véu de Noiva, Mirante do Morro dos Ventos e Cidade de Pedra foram alguns dos pontos turísticos visitados. 

A expedição também teve uma extensa sessão de exercícios para destacar a capacidade off-road do modelo, inigualável na categoria.

Com prefácio de João Barone, baterista do Paralamas do Sucesso e jipeiro de carteirinha, Cerrado Vibrante conta tudo o que aconteceu no segundo Jeep Experience não apenas com textos e imagens, mas também por meio do vídeo oficial do evento, que pode ser acessado por meio do código QR na contracapa. 


O livro pode ser encontrado nas principais redes de livrarias do país (e em seus sites), como Saraiva, Fnac, Livraria da Vila e Livraria da Travessa.

Título: Cerrado Vibrante – Uma aventura com o Jeep Renegade no interior do Mato Grosso
Autor: Chico Barbosa
Fotos: Marcos Camargo
Editora: CBNEWS (cbnews.com.br)
Formato: 14,5 x 21,5cm
Número de páginas: 96
Preço de capa: R$ 39,90


Há 20 anos, começou-se a estudar o sistema que permite que os automóveis estacionem sozinhos, ou seja sem a participação do motorista, a não ser a de frear e acelerar e hoje o Park Assist" já consegue colocar um carro numa vaga com apenas 80 cm de espaço lateral


Coluna
MECÂNICA ONLINE®

20 | JANEIRO | 2017

Sistemas de assistência para 
estacionamento completam uma década

Em nosso cotidiano das reportagens da indústria automotiva é sempre comum a proximidade com as inovações em tecnologias. 

Algumas chegam a parecer coisas de cinema quando nas ruas colocamos em prática. Uma delas que sempre chama atenção tanto para quem vai no veículo e também para quem está do lado de fora, é o sistema de assistência para estacionamento.


Aqui no Brasil alguns marcas oferecem em seus modelos, mas a tarefa não é fácil quando a relação entre custo e benefícios precisam cada vez mais serem enxutos.

Mundialmente, essa inovação já comemora uma década. Foi a Volkswagen a primeira fabricante de automóveis do mundo esse recurso. 

Graças ao seu contínuo desenvolvimento, o “Park Assist”, assim chamado pela fabricante alemã, tornou-se mais e mais inteligente e hoje pode estacionar o automóvel com precisão nos espaços mais apertados.

Quem nunca experimentou uma busca frustrante por um espaço adequado para estacionar? 

Vagas de estacionamento estão cada vez mais raras, e não apenas nas áreas mais agitadas das grandes metrópoles. Depois de finalmente encontrar um espaço, o próximo desafio é entrar nele. 

No início da década de 2000, os engenheiros da Volkswagen assumiram como missão resolver esse problema. Em 2006, apresentaram o resultado: o Park Assist.

O sistema auxilia o motorista executando automaticamente os movimentos de direção corretos para tomar a trajetória correta para estacionar. 


A medição do tamanho da vaga, a determinação da posição correta para o início da manobra e os movimentos da direção são executados automaticamente pelo Park Assist – o motorista tem apenas que acelerar e frear.

Por isso mesmo, fica engraçado quando outras pessoas estão no veículo e observam, perplexas, que é o carro quem toma a direção na hora da manobra.

No lançamento, o primeiro modelo com o recurso foi o Touran, e suas opções ainda eram muito limitadas. 

Apenas duas movimentações eram possíveis e o sistema só possibilitava estacionar em vagas paralelas à rua.

A necessidade de um espaço com “o comprimento do veículo mais 1,40 metro” incomodava usuários. 


Da mesma forma, isso acontecia com a procura por vagas do tamanho adequado nos apertados centros das cidades, algumas vezes difíceis de encontrar.

Enquanto isso, o desenvolvimento do sistema continuava de forma intensa. O Park Assist precisava tornar-se mais funcional e fácil de utilizar. E assim foi.

Em 2010, estacionar em espaços longitudinais ficou mais rápido. Dois anos depois, foi acrescentada a opção de estacionar em vagas transversais.

Graças a algoritmos ainda mais complexos, o total de doze sensores ultrassônicos instalados no veículo tornaram possível avaliar o espaço circundante com consistência e precisão. 

E o espaço adicional necessário nas vagas? Ele foi reduzido consistentemente até apenas 90 centímetros.

Estacionamento paralelo? Sim! Estacionamento em vagas transversais? Sim! O que ainda faltava era poder estacionar de frente.

Mais uma vez, foi apenas uma questão de tempo até os engenheiros da Volkswagen apresentarem uma solução.

Em 2015, a hora chegou.

A Geração 3.0 do Park Assist, presente no Novo Passat no mercado brasileiro, precisa de apenas 80 centímetros de espaço lateral para colocar o motorista dentro da vaga de seus sonhos. 

E agora conta também com uma função de frenagem de emergência. Apesar disso não conseguir eliminar completamente acidentes ao estacionar, ao menos pode minimizar os danos.

Na última década, também aconteceu muita coisa dentro do cockpit: anteriormente, só era possível uma representação simples dos arredores do carro, consistindo em seis objetos, semelhante aos primeiros games de computador dos anos 1980. 

Agora, o espaço ao redor do carro e a área de manobra podem ser exibidas em um mapa digital, calculado por um sistema inteligente.

O Park Assist não registrou sua história de sucesso apenas na Alemanha, mas tornou estacionar uma tarefa fácil praticamente no mundo inteiro. 

Atualmente, no mercado várias marcas e modelos apresentam a mesma tecnologias, mas com nomes diferentes, de forma que podemos citar modelos como Golf, Golf Variant, CC, Tiguan e Novo Passat da Volkswagen, Novo Cruze com a Chevrolet, Ford Fusion, entre outros modelos.

=================================
Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mê

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Estão definidas as categorias que participarão do Campeonato Mineiro de Motocross de 2017


Por Ana Claudia Ulhôa - Cassios Racing
O Moto Clube Cassios Racing divulgou as categorias que irão compor o Campeonato Mineiro de Motocross em 2017. No total serão 14 categorias, três a mais do que no formato tradicional.

Além da MX1, MX2, MX3, MX4, MXF, 50cc, 65cc, 85cc, Júnior MX2, Intermediária e Nacional Pro, a competição contará também com a MX5, Importada Amador e Nacional Amador. 


A ideia é atender aos pilotos com idade acima de 50 anos, amadores que correm com motos importadas ou amadores que usam motocicletas de fabricação nacional.

Cássio Marques e Angelo Savastano

“Queremos dar oportunidade para que todas as pessoas que amam o esporte possam participar desta festa que é o Campeonato Mineiro de Motocross. Incentivar a prática e o crescimento desta modalidade é o mais importante para nós”, comenta Cássio Marques, presidente do Moto Clube Cassios Racing e organizador da competição que este ano contará com a parceria do fotografo especializado em esporte motor Angelo Savastano.


Mudanças no regulamento
Outra novidade é em relação ao regulamento do campeonato. A regra que exige que os pilotos de algumas categorias subam para a próxima, caso sejam campeões da temporada, sofreu modificações.

Os atletas que faturarem o título de 2017 na Intermediária, Importada Amador e Nacional Amador agora poderão defender o título por mais um ano. Eles só serão obrigados a mudar de categoria após correrem duas temporadas.

Já na Nacional Pro não haverá necessidade de subir de categoria, já que não existe outra prova para motos nacionais acima desta.

O regulamento completo será divulgado nos próximos dias no site do Moto Clube Cassios Racing.

Calendário definido, serão cinco etapas entre março e outubro.

1ª etapa: 18 e 19 março – Jeceaba

2ª etapa: 15 e 16 de abril – Itabirito

3ª etapa: 10 e 11 de junho – Cidade a definir

4ª etapa: 12 e 13 agosto – Cidade a definir

5ª etapa: 14 e 15 de outubro – Três Corações

Para mais informações, acesse: www.cassiosracing.com.br

Nova lâmpada automotiva Philips X-tremeVision+ oferece 130% mais luminosidade e 45 metros a mais de visibilidade. Lançamento traz como principal apelo o aumento da segurança para todos que convivem no trânsito


A Philips já tem à venda a nova linha de lâmpadas automotivas X-tremeVision+, nos modelos H1, H4 e H7, que oferece 130% mais luminosidade e 45 metros a mais de visibilidade.

Os especialistas garantem que, durante a condução do veículo, mais luz é sinônimo de segurança, tanto de dia quanto de noite


“Do ponto de vista rodoviário, o curto tempo de reação de um motorista ao observar um animal na pista, um pedestre ou um ciclista causado pela baixa visibilidade é um grande risco à segurança viária”, adverte Ricardo D. Paula, membro da Polícia Rodoviária Federal de São Paulo.

Ele lembra que os atropelamentos são o segundo maior índice de mortes nas rodovias do País, perdendo apenas para colisão frontal. 


“No Estado de São Paulo, onde a maioria das rodovias é duplicada, este índice sobe para a primeira colocação e normalmente eles ocorrem em períodos noturnos”, afirma.


Com foco primordial em segurança, a Philips X-tremeVision+ projeta 130% mais luz sem ofuscar a visão de quem trafega no sentido contrário, pois há grande intensidade de iluminação nos pontos onde a lei permite, ou seja, na linha de corte do farol. 

Isso significa na prática também um aumento da luminosidade e consequentemente na visão periférica do motorista.

A X-tremeVision+ e a sua primeira geração, a X-tremeVision que traz 100% mais luminosidade e 35 metros de mais visibilidade, estão à venda nas principais lojas de autopeças e são certificadas pelo Inmetro, atendendo também às normas do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

A instalação de ambos os modelos da Philips não requer adaptações elétricas e como consequência não acarreta na perda da garantia do veículo. 


A nova Philips X-tremeVision+ ainda oferece luz 20% mais branca de até 3.700 K, quando comparada com as convencionais do automóvel, para uma condução extremamente confortável durante a noite.

As novas lâmpadas, disponíveis nos tipos H1, H4 e H7, trazem ainda um tempo de vida útil de 450 horas.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Pela primeira vez na história do Rally Dakar, um piloto deficiente físico conclui a prova e cruza a meta em Buenos. A proeza foi realizada pelo italiano Gianluca Tassi, que já conquistara outros títulos ao volante de sua picape.


O piloto Gianluca Tassi, de 55 anos, portador de deficiência fisica, foi o primeiro italiano realizou um feito histórico alcançando a linha de chegada do Dakar 2017, completando a corrida off road mais difícil do mundo, ao volante de uma picape. 

Subir a rampa de chegada, em Buenos Aires, era um sonho de Gianluca que se tornou realidade, e transformando o piloto e a equipe verdadeiros heróis do Dakar 2017.

Tassi já detinha um recorde, obtido em 2009, quando ganhou o Raid dos Templos, na região da Campania, disputando com outros concorrentes sem deficiência e tornando-se o primeiro piloto a alcançar um resultado semelhante em uma prova.

Porém, participar do DAKAR era uma empreitada única tendo em vista as difíceis condições de terreno e clima aos quais foi exposto. 


Graças à sua habilidade, foi capaz de enfrentar dunas, lama, poeira, chuva, o frio das alturas e o calor do deserto, com garra de campeão.

Em seus 40 anos de automobilismo off road ganhou cinco campeonatos regionais, 16 títulos italianos e um Campeonato Europeu Motorally, participando com sucesso em competições nacionais e internacionais importantes, "mas terminar o Dakar tem um sabor completamente diferente", confessou. 

- O sabor dos acontecimentos épicos,
 de deixar uma marca na história do esporte para os portadores de necessidades especiais, comemorou.

"Dizer que estou feliz é um eufemismo. É um sonho tornado realidade, depois de tantos anos de sacrifício e trabalho duro, nós atingimos o nosso objetivo e ainda não consigo acreditar. Graças a todos aqueles que acreditaram em nós. Não desisto nunca! Obrigado a todos aqueles que estiveram ao meu lado nesses treze dias fantásticos, em especial a meu navegador Massimiliano Catharsis e a Alessandro B. Casotto. Obrigado a R Team por acreditar em mim ", comentou Gianluca Tassi.

Na volta para a casa o piloto e a equipe foram recebidos como verdadeiros heróis. A Itália festeja seu campeão.


Fonte: Assessoria RTeam/Gianluca Tassi

Traduzido por Angelo Savastano