ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Mercedes-Benz se rende à preferência pelas picapes e lança a sua estrela Classe X. A pimenta da VW: na versão Pepper o Fox vai de 0 a 100 km/h em 10s.





Coluna nº 2.917 - 20 de julho de 2017
____________________________________

Mercedes Classe X, picape Premium



Uma estrela no caminho do picape

Como aumentar participação, vendas e lucros num mercado suicidamente competitivo? Mercedes foi atrás de melhorar seus automóveis, tratar de dar-lhes cara de maior esportividade, conquistar clientes com menor faixa etária. 


E criou linhas novas como as Classes A e B, e incrementou a produção de utilitários esportivos com a família G. 

Uma olhada às projeções de mercado viu dado cintilar: em 2025, imagina-se a venda de 2.800.000 picapes no mundo. 


Outra, no orçamento, mostrou enorme custo para desenvolver um destes veículos, ao qual a marca nunca se dedicara – há exceção argentina cometida sobre sedãs 170 e, ao início dos anos ’70, com diesel 200 e 220, coisa abaixo do milhar.

A solução estava próxima: em existente acordo comercial com a Nissan para a área de automóveis. 


Fizeram sinergia e a picape Nissan, a ser feita na Espanha e na Argentina atingiria os maiores mercados: Europa, Austrália, África do Sul, América Latina. 

EUA, desejado, é incógnita ao gostar de coisas volumosas, camionais, embora neste ano volte a fazer o médio Ford Ranger. 

A operação para as Américas do Sul e Latina teria outro desenho. Nele, a Nissan retiraria a produção de picapes do Brasil, transferindo-a para a Argentina, e a cessão, pela associada Renault, de espaço em suas instalações em Córdoba – a velha fábrica do Jeep. 


Ali, a marca japonesa construiria cerca, escritório, e galpões para produzir e administrar picapes.

A Renault também quis um, no caso em nível acima do Oroch. Um carro básico, três marcas, a operação tripartite foi planejada como Nissan produzindo a picape média, aqui chamado Frontier. 


Para diferenciá-los, Renault fez pequenas intervenções personalizando seu produto – grade, grupo óptico. 

Mecânica comum, com o recente motor Nissan diesel, quatro cilindros, 2,3 litros de cilindrada, 163 cv e 45,8 kgfm de torque, tração nas quatro rodas, transmissões mecânica e automática. 

Motor sem mudanças, exceto na aparência, modificando a tampa acústica, com emblema de cada marca.

No caso da Mercedes, não integrante da Aliança Renault-Nissan, operação um pouco mais complexa, pois a marca alemã não desejava apenas mais um produto, mas iniciar um novo caminho, o do picape Premium. E sobre o Frontier fez amplas modificações.


A Estrela

Para tomar um novo caminho é se imaginar, após muitos papéis, reunião na matriz, em Stuttgart, passo importante, após definir a possibilidade, Dieter Zetsche, para os íntimos o Doctor Zee, nº 1, mandão simpático, líder incontroverso, tenha dado o dever de casa a Volker Mornhinweg, comandante do negócio de Vans, encerrado com o ensinamento do gênio Leonardo Da Vinci: Não se volta quando a meta é a estrela.

Dificilmente, Mornhinweg terá visto o filme "Tropa de Elite", mas trilhou o procedimento enfatizado pelo Capitão Nascimento, recebeu e cumpriu a missão. 

Segurou os custos, porém conseguiu dar novo espírito à picape Frontier transformando-a em Mercedes. 

A aura nipônica é apenas perceptível na linha de perfil lateral. No mais, tem identidade própria. 

O design personalizou-o mudando para-lamas, grupo óptico e grade. Atrás, embutiu as lanternas traseiras na caçamba. 

Dentro, trabalho no interior das portas para ganhar 7 cm na largura, e um tratamento mercediano em detalhes, isolamento termo acústico, materiais de qualidade. 

Na mecânica, aumentou as bitolas dianteira e traseira, aproximando as rodas do limite da curvatura dos para lamas, arrematados por alargadores. 

Dinamicamente, reduziu a aspereza no rodar picapeano, tornou-o mais estável e fácil de fazer curvas. 

Na estética colheu resultado de disposição esportiva ante as linhas. Mecânica com opção de dois motores diesel: Nissan L4 e Mercedes V6 também turbo, 254 cv, 62 m.kgf de torque, câmbio automático 7 velocidades. 

Tração nas rodas traseiras, transferível às quatro rodas, ajustável por botão. Desenvolveu novo trambulador para a alavanca de marchas.

Suspensão dianteira por triângulos superpostos e traseira com eixo rígido e multi ancoragem, com molas helicoidais.

Capacidade de carga pouco acima de 1 t, altura livre do solo em 20 cm e apto a cruzar rios com até 64 cm de vau.

Foi apresentado nesta semana na África do Sul. Vendas, Europa, novembro; África do Sul e Austrália início de 2018, com unidades produzidas na Espanha; Argentina e Brasil, com produção argentina, a ser mostrado no Salão do Automóvel, outubro 2018, vendas início 2019. EUA, em estudos.

Para os mercados europeus e australiano, três versões com nomes auto indicativos: Pure – pelado; Progressive – em ascensão; Power – eu tenho a força! 

Aplicações desde o trabalho áspero, até o grande uso, ser automóvel Mercedes com porta-malas grande. Quer chancelá-lo como primeiro picape Premium.

Preço? Apenas para citar, versão L4, 43.000 euros – na Europa. Aqui? Tome como parâmetro o seguinte: ao lançamento considere os preços das versões do líder do segmento, o picape Toyota Hi Lux. 

E aplique pontualmente, versão por versão, uns 10%. Diesel V6, outros 10% sobre a versão L4. Uma espécie de ônus da estrela.

A pimenta da Volkswagen
Empresa criou oportunidade político-comercial-mercadológica para estender versões Pepper conhecida no Fox, às linha up! e Saveiro. 

Integra política de reavivar a marca em busca das vendas perdidas e criar evento para dar alento à rede de revendedores: nova opção nas três linhas de produtos e assinalar a volta de Gustavo Schmidt, agora vice-presidente para área comercial, passo interno para significar o início da arrancada para novos tempos, tipo nova VW.
Embora designada especial, é de produção normal, pois substitui a anterior versão Highline - coisa prática, enorme lista de versões apenas atrapalha a cabeça do comprador e atrapalha a vida da hora dos reparos, pois a atual política de estoques não permite ter todas as partes de todos os modelos e versões. 

Rotulada de 2018 e composta pela agregação combinada de equipamentos de conforto, decoração e implementação do infodivertimento e conectividade. 

Em Fox, motor de nova geração EA211, quatro cilindros, 1,6 litro, até 120 cv, transmissão de seis velocidades. 

Oferecem performance agradável, aceleração da imobilidade aos 100 km/h em menos de 10 s, velocidade final em torno de 190 km/h, consumo contido em gasálcool ou álcool. 

No Saveiro, o motor antigo EA111, 1,6 litro e 104 cv. Transmissão de cinco velocidades manual ou automatizada I-Motion. Na sempre surpreendente versão TSi de três cilindros, 1.0, 105 cv, turbo, flex.

Equipamentos
A ideia de compor espírito esportivo parte da cor vermelha e se estende às branca, preta e prata combinando com itens diferenciativos de acordo com as versões. 


Em todas os espelhos retrovisores externos são pintados em cor diversa da carroceria e nas brancas, prata e vermelhas o teto poder vir preto. 

Na competição com o líder Fiat Strada, o Saveiro se diferencia pela aplicação de câmera de ré. Pepper há nas versões de cabines estendida ou dupla.

O up! se diferencia dos demais. Achou seu lugar na relação de produtos da VW – é o menor mas não é o mais barato, nem tem missão de ser o mais vendido -, e por tal liberdade oferece composição mais rica, desde a direção assistência elétrica, sinal de modernidade tecnológica, volante multi funcional, retrovisores externos com sinaleiras – o da direita muda o ângulo quando engatada a marcha a ré, sensor de estacionamento traseiro – faltou a câmera de ré -, sensores de chuva e luminosidade.


Melhor equipado é o Fox: controle eletrônico de estabilidade, monitoramento da pressão dos pneus, assistência de partida em rampa, luzes de curva, câmera traseira, duas opções de multimídia: infodiversão Composition Media e Discover Media, mais completo. Em todos identificação far-se-á por adesivo plástico.


Quem interpretou o nome da versão como ilustrativa a aumento de performance, frustar-se-á. 


Hoje, a indústria do automóvel poupa seus reais em comportamento esportivo, optando investir em conectividade. 

A cada dia o automóvel roda para o fim, e o fim incluirá os fabricantes. Em seu lugar, a Apple, a Google, o pessoal da tecnologia, pois automóvel será apenas invólucro com rodas de tecnologia da conectividade.


Quanto custa
Modelo
R$
up!
57.900
Saveiro C Estendida
67.810
Saveiro C Dupla
71.090
Fox seis marchas mecânico
63.110
Fox cinco marchas automatizado
66.510




Pepper incrementa linhas Fox, Saveiro e Voyage. Nova VW

Roda-a-Roda

Mais um – Jaguar ampliou linha utilitária esportiva, SUV. Após o F-Pace, fez o E-Pace, menor, sobre base do Discovery Sport. Motor próprio Ingenium 2 litros, gasolina, turbo, 300 cv ou diesel 150 CV, suspensão independente, freios a disco nas quatro rodas, harmonia de sistemas eletrônicos de conforto e segurança. 

Dúvida – Diz a Jaguar, ideal para a família moderna, com enorme quantidade de exigências atuais de infordiversão.

Enfatiza quatro pontos de carga 12 v e cinco saídas USB. É para família ou reunião de nerds?

Conteúdo – Adota os conjuntos de cuidados eletrônicos disponíveis em outros Jaguar e Land Rover, como tela de 25 cm, projeção de dados no para-brisas, sistema de leitura de fluxo de trânsito, frenagem automática.

Pretendem-no o mais vendido, mas custará acima de Audi Q3 e BMW X1. Ou seja, aqui, não fará vendas elevadas.

Mais – Nome Pace, em inglês Ritmo, resgata slogan da marca nos EUA: Grace, Pace, Space. 

Ante as linhas, semelhantes a um cupê anabolizado, cria ocasião para intermináveis discussões: é utilitário esportivo ou esportivo utilitário?

Mais outro – Ao lançamento, efeito para impressionar: um salto com giro completo no ar. Está em https://youtu.be/9yatAJVA_4E

Fãs do agente 007 no filme "O Homem da pistola de ouro" já viram proeza pioneira com AMC Hornet: https://www.youtube.com/watch?v=fzCIbhLUUA0 

Foi muito mais difícil fazer com um projeto antigo.

Questão - Se vender bem responderá a questão: até que ponto resultados de pesquisa influenciam em compras? 
Pelo ultimo levantamento da JD Power é uma das piores marcas em defeitos.

Mais – Início da produção do Nissan Kicks em Resende, RJ, exigiu implantar segundo turno. Presidente da empresa, Marco Silva, iniciou novo ciclo e foi conhecer/cumprimentar os 600 novos funcionários. 

Ficaram satisfeitos. Governo(?) do Estado do Rio, também. Há tempos não se ouvem notícias boas por lá. 

Assistência – Ato raro, Ford disponibilizou a mecânicos de oficinas não-autorizadas, livro digital feito em conjunto com o Senai: Sistemas de Injeção Eletrônica dos Motores Ford. 

250 páginas com informações de eletricidade e eletrônica básicas. Para motores Rocam em Ka, Fiesta, Courier e EcoSport.

Melhor e Pior – Empresa JD Power fez levantamento de qualidade no mercado dos EUA, perguntando a 80 mil compradores sobre primeiros meses dos carros 0 Km. Listou as indicações de defeitos para centena de veículos.

Melhores – Kia é a marca com menos problemas. 31 compradores a cada 100 precisaram serviços. 
Colada, Genesis, de luxo da Hyundai, controladora da Kia. Após, Porsche. Hyundai, controladora da Kia, ficou em oitava posição.

Piores – Fiat, Jaguar e Volvo. Land Rover, mesma produção da Jaguar, duas posições acima como menos pior. 

Questão - Qual é a linha invisível a costurar as últimas colocações? São todas marcas em nova fase, compradas por empresas de outros continentes, outra formação e postura gerencial, seguramente superiores às gestões anteriores. 

II - Caso Fiat mais curioso porquanto sua marca de picapes, a RAM, está em quinta posição de qualidade, acima de BMW, Nissan, VW.

Será? – A má posição Fiat nos EUA, impeditiva ao crescimento, deve exigir horas de trabalho a Stefan Ketter, presidente da FCA, na América Latina, mas especialista maior em construções e manufatura. 

Foi quem mudou e aperfeiçoou métodos e processos no Brasil, perceptíveis no Argo – outra categoria dentre os Fiat. Problema nos EUA pode acelerar sua transferência.


Gráfico de qualidade marcas EUA


Assistência – Ato raro, Ford disponibilizou a mecânicos de oficinas não-autorizadas, livro digital feito em conjunto com o Senai: Sistemas de Injeção Eletrônica dos Motores Ford. 

Vilegiatura – Vais ao norte da Itália em férias? Gostas de automóveis mais ou menos antigos? 

Em agosto, Slow Drive, agência especializada em aluguel de carros de época oferece vantagens para aproveitar melhor. info@slowdrive.it

História – Ford Escort XR3, comemora 35 anos. Surgiu em 1982 na Europa. Aqui em 1983, marcando o início da europeização da filial brasileira. 

Sigla indicava a indicava a 3ª. proposta de Experimental Research, pesquisa experimental. 

Motor 1.6 a álcool, 82,9 cv, rebaixado, defletor dianteiro, aerofólio traseiro, bancos esportivos, teto solar com persiana interna, sonho de consumo. Durou até 2003.



Actros, no mix-road também transporta combustíveis


Actros, pesado da Mercedes, 
amplia seu uso 
Após aplicar ao seu caminhão Actros modificações e sugestões de frotistas e motoristas nacionais, Mercedes-Benz tem acompanhado seu crescimento de vendas. 

Para levar conhecimento aos operadores e motoristas, criou a Websérie Actros para demonstrar o crescimento do caminhão pesado na diversificada aplicação no país. 

A Webserie é veiculada nas redes sociais, no canal da marca no Youtube, e na página da Mercedes no Facebook. O primeiro vídeo atingiu 18.500 visualizações e 1.000 curtidas apenas no Facebook.

Novo episódio foca motoristas de caminhões em atividade de projetada expansão, o transporte de combustível e derivados de petróleo. 

90% de tal movimento é feito sobre caminhões por distribuidoras, postos, transportador revendedor retalhista, usinas de álcool, recuperadores de óleo. 

O Brasil é o sexto país do mundo em consumo de petróleo, terceiro no segmento de transporte.

O Actros assegura elevado nível de conforto durante o trabalho e o descanso do motorista, o que resulta em produtividade e segurança para a sua jornada diária”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. 

O Actros também oferece força, robustez, resistência, disponibilidade e reduzido custo operacional para as empresas de transporte, para que elas alcancem a rentabilidade desejada.

O Actros passou por desenvolvimento tornando-se capaz de operações rotuladas de mix-road, utilizando estradas asfaltadas e vias não pavimentadas.

____________________________________

Força do querer, o título da coluna do Calmon, é bem sintomático do que está acontecendo pelo mundo em relação à preferência por uma parte significativa dos consumidores por carros elétricos. No ano passado, foram vendidos 700 mil desses veículos, e há estimativas de que as suas vendas representem 54% das vendas mundiais, até 2040, quando o governo francês pretende banir a a venda de carros a diesel e gasolina



Alta Roda   

Nº 950  — 20/7/17

Fernando Calmon



Força do querer

Pode parecer estranho o título desta coluna coincidir com o de uma novela televisiva atual. 

Foi proposital porque neste mês de julho as notícias eletrizantes sobre a invasão de carros elétricos no mundo se sucederam, como os capítulos dos populares folhetins noturnos de TV.

Primeiro, foi o estudo divulgado pela equipe especializada em transportes da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), empresa de pesquisa que tem acompanhado a evolução do assunto. 

O relatório chama atenção para reduções importantes no preço das baterias de íons de lítio que tornarão os elétricos tão baratos como os convencionais. 

Fala também em cerca de 700.000 veículos leves desse tipo vendidos em todo o mundo em 2016. 

A equipe agora estima que os elétricos representem 54% de todas as vendas mundiais de automóveis até 2040.

Em seguida, a Volvo pegou a onda e seu presidente afirmou que depois de 2019 todos os novos projetos dos modelos da marca terão motores elétricos. 


Passou pouco mais de uma semana e foi a vez do governo francês anunciar o objetivo de em 2040 banir a venda em todo seu território de carros equipados com motores a combustão (diesel ou gasolina). 

Ao mesmo tempo, o elétrico Tesla 3 saía da linha de montagem nos EUA, primeiro “popular” da marca. 

Seus modelos atuais custam em torno de US$ 100.000, mais que o dobro de um modelo convencional (o “popular”, também), mesmo com incentivos governamentais em dinheiro aos compradores.

Todo esse enredo, porém, precisa ser mais bem explicado. Afinal, novela é peça de ficção, algumas até inspiradas em fatos da vida real. Apesar de todo o respeito pela BNEF, certas afirmações estão incompletas. 

É muito comum somar, sem informar, híbridos (de motor a combustão e elétrico, recarregável ou não em tomadas) e elétricos puros. 

Aquelas 700.000 unidades incluem os dois tipos e representaram menos de 1% do que se vendeu no mundo no ano passado.

Passar a 54% em apenas 23 anos é grande exercício de otimismo. O preço das baterias já caiu e continuará a cair, como está no relatório. 

Mas terão de ser substituídas e recicladas depois de 10 anos a um preço que ninguém sabe. Isso não aparece no relatório, e deveria.

Volvo pertence à chinesa Geely, fabricante de veículos de capital privado, que deve se enquadrar nas orientações do governo do país oriental. 

Antes de 2025, o ciclo de modelos atuais da marca sueca não se encerrará e não foi dito se híbridos conviverão com elétricos. Já o governo francês se enquadra muito bem no título da novela. 

As intenções são nobres, sem dúvida. Trata-se de um país onde quase toda eletricidade vem da energia nuclear, mas faltou explicar a que custo a infraestrutura de recarga será implantada. 

E, novamente, como reciclar milhões de baterias que sairão dos carros ainda com 20% de energia residual. 

Podem em parte ser usadas em “bancos de energia”, mas depois a reciclagem terá que vir. 

Também falta saber se o lítio se manterá a preço estável ou haverá nova dependência mundial: em vez de óleo, metal...
A maioria das novelas mostra um final feliz. O carro elétrico também?

RODA VIVA

INDEPENDENTE da maré elétrica de otimismo, motor Diesel pode ver sua aplicação restringida em automóveis na Europa. 

Há movimentos fortes em algumas cidades e países para forçar a indústria a uma atualização da frota circulante. 

Daimler, pressionada na Alemanha, convocará três milhões de veículos a diesel usados depois de alegar que não tinham problemas.

PORSCHE, por sua vez, admitiu agora que até o fim desta década decidirá se continuará a oferecer motores diesel nos SUVs e no sedã Panamera. 

Marca tem apenas 15% de vendas mundiais com essa motorização e pode substituí-la por híbridos a gasolina. 

Também investe em um sedã totalmente elétrico. Para 2025, estima que entre 25% e 35% da sua produção será de elétricos.

APLIQUES ajuizados e altura de rodagem elevada em 3,1 cm fazem do Ka Trail um produto adequado na faixa dos pseudo aventureiros. 

Enfrenta quebra-molas, valetas e buraqueira sem comprometer de forma preocupante o comportamento em curvas. 

Retoques no habitáculo são discretos. Motor de 1 litro (3-cilindros) permite ter preço competitivo.

PEUGEOT acaba de anunciar iniciativas de peso na prestação de serviços da sua rede de concessionárias para reconquistar mercado. 

Revisão em 24 horas (se atrasar, cliente não paga); empréstimo de veículo quando o reparo ultrapassar quatro dias, mesmo em casos fora da garantia; reboque gratuito por oito anos, em eventos de pane ou colisão. Exemplo a ser seguido.

PRÊMIO Inovação Brasil, do jornal Valor Econômico, demonstra que parte da indústria de autopeças continua a investir em pesquisa e desenvolvimento no País. 

Na edição deste ano, a Mahle Metal Leve apareceu novamente na segunda posição no ranking de empresas automobilísticas. 

Possui 140 patentes ativas e seu Centro Tecnológico de Jundiaí (SP) gera uma média de 20 depósitos por ano.
____________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

terça-feira, 18 de julho de 2017

A Renault aceita até 31 de Julho encomendas do seu novo SUV Kwid do lote disponibilizado para os clientes brasileiros. Os interessados terão de fazer um pagamento prévio, on-line, de R$ 1.000,00 que podem ser parcelados em três vezes.


Devido ao grande sucesso, a Renault do Brasil disponibiliza aos clientes brasileiros novo lote de pré-venda do Kwid, o SUV dos compactos, mantendo as condições comerciais iniciais. 

Os pedidos devem ser feitos até o dia 31 de julho, com entrega prevista para até 30 de novembro. O cliente deve fazer a reserva no site: www.kwid.com.br. 


É necessário fazer o pagamento on-line de R$ 1.000,00, no cartão de crédito, podendo parcelar em até três vezes.

Entre as vantagens da pré-venda estão preço garantido, primeira revisão gratuita, cinco anos de garantia para quem fizer o financiamento com o banco Renault e entrega prioritária.
Sobre o Kwid

O Kwid terá três versões de acabamento: Life, Zen e Intense, nas opções de cores: Orange Ocre, Vermelho Fogo, Branco Marfim, Branco Neige, Prata Étoile e Preto Nacré.

Life - R$ 29.990
Principais itens: rodas 14”, 2 airbags laterais, 2 airbags frontais, 2 Isofix, predisposição para rádio e indicador de troca de marcha e de condução.


Zen - R$ 34.990
Principais itens: direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos. Opcional: rádio com Bluetooth e entradas USB e AUX - R$ 35.390.

Intense + Pack Connect - R$ 39.990
Principais itens: retrovisores elétricos, faróis de neblina cromados, Media Nav 2.0, câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas Flexwheel e chave dobrável.


O SUV dos compactos
O Kwid se destaca pela posição de dirigir mais alta que a dos carros compactos disponíveis no mercado, a boa altura do solo (18 cm, similar à de SUVs médios) e os destacados ângulos de entrada (24°) e de saída (40°).

Por fora, o Kwid dá a impressão de ser maior que os seus 3,68 m de comprimento. A percepção é reforçada ao entrar no carro e se acomodar, graças ao seu entre-eixos de 2,42 m. 


O espaço para quem viaja atrás é surpreendentemente confortável, inigualável entre os modelos compactos. 

O mesmo ocorre com o compartimento de bagagem, que acomoda 290 litros e é o maior da categoria.

Com o novo motor 1.0 SCe de três cilindros – 70 cv de potência com etanol e 66 cv com gasolina e torque de 9,8 kgfm (etanol) e 9,4 kgfm (gasolina) -, o Kwid é o carro mais econômico da categoria. 
O SUV compacto faz 15,2 km/l com gasolina e 10,5 km/l com etanol (trecho misto).


Segurança
Fabricado no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR), o Kwid utiliza uma nova plataforma mundial da Aliança Renault-Nissan, que é moderna e adaptável para atender às especificidades de uso e de legislação de cada país.

O Kwid brasileiro tem 80% do seu conteúdo composto por peças novas, desenvolvidas pela Renault Tecnologia Américas (RTA), desde a estrutura e características mecânicas, passando por equipamentos de conforto, conectividade e segurança.

Em todas as versões, o modelo traz de série dois airbags frontais e dois laterais, inéditos no segmento dos compactos, além de duas fixações Isofix para cadeirinhas infantis, item fundamental para a segurança das crianças.


Uma moto com 165 cv (mais cinco do que o modelo anterior) versátil, esportiva e confortável. Não acredita que uma moto possa oferecer essas três qualidades? Pois faça um test-drive na BMW S 1000 XR 2017, que está há venda nos Brasil por R$ 72.900. Vem com freios ABS Pro, Controles Dinâmico de Tração (DTC) e ajuste eletrônico de suspensão Dynamic ESA



Robusta e versátil, a BMW S 1000 XR traz aprimoramentos para o modelo 2017/17. O modelo teve sua potência elevada em cinco cavalos – de 160 cv, no modelo anterior, para 165 cv na nova versão, sempre a partir de 11.000 rpm – graças a melhorias aplicadas ao conjunto motriz. 

Além disso, a nova BMW S 1000 XR passa a contar com a nova cor azul Ocean, que ressalta sua origem esportiva e soma-se às opções de tonalidades vermelha e cinza disponibilizadas anteriormente. 

O preço sugerido da motocicleta não sofreu reajustes e ela segue sendo oferecida por R$ 72.900 em toda a rede BMW Motorrad, no Brasil.

Três perfis em um único modelo
Desenvolvida para aqueles que buscam a versatilidade de uma big trail, o dinamismo de uma motocicleta esportiva e o conforto de uma touring, a BMW S 1000 XR agrega o melhor destas três categorias em um único modelo. 

Ela vem equipada com um motor de quatro cilindros em linha, de quatro tempos e 16 válvulas, capaz de entregar 165 cv de potência, a partir de 11.000 rpm, e 112 Nm de torque máximo, disponíveis a 9.250 giros, associado a uma transmissão de seis marchas.

O modelo também se destaca pelo farto pacote de itens de segurança oferecidos de série, entre eles freios ABS Pro, Controles Dinâmico de Tração (DTC) e ajuste eletrônico de suspensão Dynamic ESA. 

Adicionalmente, a motocicleta vem equipada com acelerador eletrônico Ride-by-Wire e ajustes de pré-carga do amortecedor traseiro, de compressão, retorno e pré-carga do amortecedor dianteiro; alerta de rotação do motor (shift-light), imobilizador eletrônico, modos de pilotagem, lanterna traseira em LED, painel de instrumentos digital multifunção, parabrisa com ajuste de altura e rodas de liga leve.

Pacote Premium
A BMW S 1000 XR vem ainda o pacote Premium, que agrega entre outros equipamentos assistente de troca de marchas Pro, modos de pilotagem Pro, preparação para GPS, piloto automático, manoplas com aquecimento, luzes indicadoras de direção em LED e suportes para top case e malas laterais.

Dimensões
Outro destaque da BMW S 1000 XR são suas dimensões avantajadas, mas que de forma alguma influenciam na sua dirigibilidade dócil. São 2.183 mm de comprimento; 940 mm de largura (com espelhos); 1.408 mm de altura; 840 mm de altura do banco e 1.548 mm de distância entre-eixos. 

A capacidade do tanque de combustível é de 20 litros, com aproximadamente 4 litros de reserva.

Link para imagens em alta resolução
https://www.press.bmwgroup.com/global/photo/compilation/T0263865EN/the-new-bmw-s-1000-rr-s-1000-r-and-s-1000-xr

Para mais informações sobre a BMW Motorrad Brasil acesse:
www.bmw-motorrad.com.br

domingo, 16 de julho de 2017

Novo BMW X3 é confirmado para o Brasil. Chega dos Estados Unidos no começo de 2018 e faz de 0 a 100 km/h em 4,6 s



Completamente reformulada, a nova geração do BMW X3 recebeu atualizações visuais, melhorias técnicas, aprimoramentos aerodinâmicos e novos equipamentos. O novo BMW X3 chega ao mercado brasileiro no primeiro quadrimestre de 2018. 

O novo BMW X3 produzido na fábrica do BMW Group na Carolina do Sul (Estados Unidos) 
é o primeiro SAV a receber pacote M Performance, que leva o modelo dos 0 aos 100 km/h em apenas 4,6 segundos. 

Visual agressivo
A terceira geração do novo BMW X3 mantém a ousada linguagem visual do modelo, combinando o estilo familiar da linha BMW X a uma força generosa nas rodovias e fora de estrada. 

As dimensões exteriores estão praticamente inalteradas, porém o modelo ganhou 2,2 polegadas na distância entre eixos. 

O capô longo e a saliência frontal extremamente curta oferecem proporções equilibradas, enfatizando a distribuição de peso de 50:50 entre os eixos dianteiro e traseiro.

Pela primeira vez em um modelo BMW X, a grade dianteira é "tridimensional" com o sistema “active air flap control” e faróis de neblina em formato horizontal. 

Na traseira, ganham destaque as lanternas traseiras “tridimensionais” e o novo sistema de escapamento esportivo.


Cabine moderna e luxuosa
Internamente, a cabine ficou mais luxuosa com os novos revestimentos do painel e das portas. 

Um dos destaques é o novo head-up display, que projeta imagens coloridas em alta definição no para-brisa e ficou 75% maior em relação ao sistema anterior. 

O painel central é adornado pela nova central multimídia com tela de 10,25 polegadas, sensível ao toque, e tecnologia de controle por gestos. Há ainda ar condicionado automático de três zonas e bancos esportivos.

Segurança
O modelo oferece sistema se segurança de última geração do BMW Group, como o sistema de detecção de acidentes "Active Protection". 

Além disso, o modelo traz engate de reboque de série em alguns mercados – o primeiro utilitário do BMW Group a sair de fábrica com esse equipamento.

Opções dinâmicas: suspensão esportiva, controle de amortecedor dinâmico, freios esportivos e direção esportiva variável.

A suspensão M Sport, que é padrão no modelo X3 M40i, oferece ao motorista uma performance mais firme (molas, amortecedores e barras anti-rolagem). 

O Dynamic Damper Control está disponível no modelo X3 xDrive30i e inclui amortecedores controlados eletronicamente que se adaptam à superfície da estrada e à situação de condução. 

Ao mesmo tempo, o motorista pode usar o interruptor de controle dinâmico de direção para variar as características básicas da suspensão.

Os freios esportivos são padrão no novo BMW X3 M40i e apresentam pinças dianteiras fixas de quatro pistões de alumínio pintadas em azul. 

Os discos de freio possuem altos níveis de resistência térmica para proporcionar um poder de frenagem robusta apesar do seu peso extremamente baixo. 

A direção esportiva variável padrão do BMW X3 M40i é um opcional disponível no modelo BMW X3 xDrive30i.


O BMW X3 M40i: 
novo modelo emblemático
O novo BMW X3 M40i anuncia a chegada do primeiro M Performance neste modelo. O poder vem de um novo motor em linha M Performance TwinPower Turbo de 6 cilindros. 

A unidade de 3.0 litros gera uma potência de 360 cv de 5.500 a 6.500 rpm. O torque máximo de 500 Nm entre 1.520 e 4.800 rpm. 

Com isso o novo BMW X3 M40i possui a melhor aceleração do segmento de 0 a 100 km/h em 4,8 segundos e atinge uma velocidade máxima de 250 km/h.

O BMW X3 xDrive30i. 
Mais poder. Mais eficiente
O motor a gasolina de 4 cilindros TwinPower Turbo de 2.0 litros do novo BMW X3 xDrive30i tem uma potência de 252 cv a 5.200 rpm e um torque máximo de 350 Nm entre 1.450 a 4.800 rpm. 

A aceleração de 0 a 100 km/h acontece em 6,3 segundos e sua velocidade máxima é de 240km/h. A transmissão é a Steptronic de 8 velocidades.

No BMW X3 xDrive30i, a sintonia de transmissão é compatível com as características de desempenho específicas do motor, enquanto a transmissão do modelo X3 M40i foi ajustada às especificações M Performance. 

A transmissão é projetada para ser ainda mais eficiente, ajudando a reduzir o consumo de combustível e as emissões.

BMW ConnectedDrive: conectividade perfeita entre os proprietários, seu X3 e seu smartphone.

O novo BMW X3 também se destaca pela conectividade com uma tela de 10,2" com tecnologia Touchscreen. 

O BMW Gesture Control opcional, que estreou na atual BMW Série 7, acrescenta uma maneira única de interface com o X3.

O BMW Gesture Control permite que numerosas funções de infotainment, comunicação e navegação sejam operadas intuitivamente usando gestos. 

O veículo também pode ser controlado usando o Intelligent Voice Control, baseado na nuvem, que oferece o nível mais avançado de controle de voz atualmente disponível. 

Isso permite que os drivers formulem seu pedido falando normalmente em vez de ter que usar um conjunto de comandos falados e pré-programados.



Vinculado ao mundo digital do
motorista graças ao BMW Connected
Os serviços digitais do aplicativo BMW Connected, disponível tanto no iOS quanto no Android, trazem conectividade inteligente para o novo BMW X3 e uma conveniência inigualável para o motorista. 

Com a ajuda da plataforma Open Mobility Cloud, os serviços digitais se conectam ao BMW X3 através de dispositivos como smartphones ou smartwatches, resultando em uma conectividade perfeita.

A seleção de dispositivos que podem se conectar ao novo BMW X3 por meio do BMW Connected vai além do smartphone suportando dispositivos inteligentes como o Apple Watch e o Samsung Gear (S2 e S3) para o Amazon Echo. 

Os clientes podem usar o serviço de voz Alexa da Amazon Echo para verificar o nível de combustível do seu novo X3, por exemplo, bloquear o veículo ou ativar a função de ventilação, tudo pelo controle de voz no conforto de sua casa.

Detectando acidentes 
antes de acontecerem.
O sistema de detecção de acidentes Active Protection aumenta a segurança passiva detectando possíveis situações de perigo à medida que surgem. 

Se um risco de colisão for detectado, o sistema desencadeia automaticamente uma variedade de medidas de proteção aos ocupantes.

Os tensores do cinto do motorista e do passageiro dianteiro são ativados e os vidros e o teto panorâmico, fechados. 

Após uma colisão, o Active Protection automaticamente leva o veículo a uma paralisação. 

A função Frontal Collision Warning detecta um risco iminente de colisão com os veículos a frente e prepara os sistemas do veículo para um possível impacto.

Link para imagem em alta resolução:
https://www.press.bmwgroup.com/global/photo/compilation/T0271778EN/the-new-bmw-x3

Para mais informações sobre a BMW do Brasil acesse:
www.bmw.com.br