quinta-feira, 20 de maio de 2021

Carros usados puxam maior alta de preços em abril. Reajuste médio de veículos com até 10 anos de uso foi superior a 2% no mês





São Paulo, 20 de maio de 2021 – Os preços de carros usados, de 4 a 10 anos de uso, foram os que mais experimentaram acréscimos em abril, de acordo com o Monitor de Variação de Preços da KBB Brasil, empresa especializada em pesquisa de preços de veículos novos e usados. O estudo aponta que, em média, o segmento teve mais de 2% de aumento, enquanto os carros novos demonstraram estabilização e os seminovos tiveram reajustes menores no período.

Embora a variação dos usados no último mês tenha sido a maior diante dos outros segmentos, a tendência apontada pelo MVP sugere arrefecimento do ímpeto de acréscimos para o período ao compararmos com os números observados em março. Todos os anos modelos deste recorte tiveram aumentos menores entre os dois últimos meses, conforme mostra a tabela abaixo.


Variação média de preços de veículos usados (de 4 a 10 anos de uso) em abril de 2021 

Ano modelo 

Variação março 2021 

Variação abril 2021 

Média 2020 

Média 

5,00% 

2,04% 

0,16% 

2017 

4,85% 

1,89% 

0,05% 

2016 

3,95% 

1,66% 

0,14% 

2015 

5,96% 

2,30% 

0,13% 

2014 

4,98% 

2,19% 

0,02% 

2013 

5,34% 

2,48% 

0,21% 

2012 

5,15% 

2,12% 

0,32% 

2011 

4,41% 

1,59% 

0,23% 


Ao observar com mais detalhes o segmento de seminovos (com até 3 anos de uso), todos os acréscimos ficaram abaixo dos patamares vistos em março, sugerindo tendência de estabilização no comportamento dos preços no período analisado. Lembrando que, em abril, de acordo com a Fenauto (federação dos revendedores de veículos), houve queda de -10,29% nas transações de automóveis e comerciais leves do segmento.


Variação média de preços de veículos seminovos (até 3 anos de uso) em abril de 2021 

Ano modelo 

Variação março 2021 

Variação abril 2021 

Média 2020 

Média 

4,29% 

2,69% 

0,38% 

2021 

3,62% 

-0,03% 

0,62% 

2020 

3,31% 

1,63% 

0,71% 

2019 

4,39% 

1,41% 

0,21% 

2018 

5,32% 

1,95% 

0,14% 


Já com relação aos preços de carros 0 km, o mês de abril apresentou manutenção da estabilização média, em 0,22%, já observada em março (de 0,46% na época). Somente os veículos com ano modelo 2022 obtiveram aumentos médios superiores aos de março, quase atingindo a marca dos 2%, como a tabela abaixo informa.

Variação média de preços de veículos 0 km em abril de 2021 

Ano modelo 

Variação março 2021 

Variação abril 2021 

Média 2020 

Média 

1,87% 

0,22% 

0,48% 

2022 

0,31% 

1,94% 

- 

2021 

1,21% 

0,75% 

0,43% 

2020 

2,50% 

-0,33% 

0,67% 

2019 

2,03% 

0,00% 

0,27% 



Assim como ocorreu para os veículos usados, abril também foi um mês ligeiramente mais fraco em vendas de carros novos, conforme dados da Fenabrave (associação das concessionárias), que apontou retração de -7,45% deste mercado no mês. Vale destacar que em abril muitas cidades ainda enfrentavam medidas de restrição de circulação mais rígidas devido ao agravamento da pandemia, o que certamente impactou os resultados do setor de maneira geral.

Para a elaboração da edição de abril do MVP, a KBB Brasil analisou 24.669 versões de veículos à venda no mercado.

A KBB Brasil utiliza tecnologias de análise de dados e Big Data para produzir os levantamentos de precificação de veículos novos e usados. O processamento é realizado por um complexo algoritmo alimentado semanalmente por uma base com mais de 800 mil informações de preços de diferentes fontes do mercado. Além disso, todos os dados são avaliados diariamente por uma análise rígida de uma equipe de especialistas para garantir a validação dos preços publicados no site de acordo com a realidade brasileira. A empresa atua com o propósito de conscientizar os consumidores na compra e venda de carros a partir da determinação de preços justos. Todos os preços da KBB Brasil são públicos e podem ser consultados gratuitamente no site kbb.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ACESSE TODAS AS POSTAGENS E SAIBA TUDO SOBRE O MUNDO AUTOMOTIVO.